DE PAI PRA FILHA

Ana sucede João Alves no comando do DEM

Por Jozailto Lima e Tanuza Oliveira
17 jul 2017, 22h12

A preocupação da família Alves, de garantir o espólio político de João Alves e de Maria do Carmo Alves para a filha Ana Maria Alves, vai ganhar um capítulo novo, provavelmente até a próxima sexta-feira.

No dia 21, Ana Alves deve assumir o comando da Executiva Estadual do DEM. E quem vai lhe passar não será outra pessoa senão seu pai, João Alves Filho, atualmente o presidente da sigla.

Recentemente, a família definiu que a candidatura de Ana Alves a deputada federal ano que vem é uma prioridade da família e do DEM – até certo ponto, com lógica, posto que eles detém poder e influência política.

De modo que comando da sigla repassado a ela é apenas parte deste esforço. Mas Ana desconversa, e acha que a decisão foi mista: da Executiva daqui e da nacional. “O diretório nacional do DEM, juntamente com o diretório estadual, foi quem achou por bem minha nomeação”, diz.

“Acharam que não há nome mais apropriado para representar o Democratas em Sergipe, visto que conheço de perto toda sua história”, diz Ana. Bem, esta pelo menos não vai ser a primeira experiência dela na esfera de mando partidário. Já presidiu o DEM-Mulher.

Mas o que Ana Alves pensa para o DEM? “Estou assumindo o partido nesse momento com a intenção de reestruturá-lo”, compromete-se.

“Ontem na Folha de S. Paulo, inclusive, saiu uma matéria que cita como tema a ressurreição do Democratas, tendo como capa o presidente da Câmara, Rodrigo Maia e o atual prefeito de Salvador, ACM Neto. Então, tudo que não estiver organizado por aqui, organizarei”, completa ela.

O discurso de Ana Alves não é meramente eleitoral. Aliás, na conversa que manteve com esta coluna Aparte, ela nem fala do processo sucessório de 2018 do qual quer sair deputada federal eleita.

“Eu vou trabalhar pra fortalecer o partido. Agregar bons nomes, para que, juntos, possamos continuar nossa caminhada com muita dedicação e honestidade. Vivendo o presente e mirando o futuro”, avisa.

Marco Queiroz: certificação positiva para a PMA

EDVALDO, A CAIXA E O EM DIA 
O superintendente regional da Caixa, Marco Antonio Queiroz, deu um depoimento, nesta segunda-feira, 17, em entrevista ao programa de George Magalhães, na Fan FM, que conta favoravelmente para a gestão de Edvaldo Nogueira na Prefeitura de Aracaju. Segundo Queiroz, a atual administração tem cumprido rigorosamente com o pagamento da operação de crédito que garantiu o pagamento dos salários dos servidores, relativo ao mês de dezembro passado (que João Alves deixou sem honrar).

EDVALDO, A CAIXA E O EM DIA
“Eu posso afirmar, com certeza, que não há nenhum atraso em repasse dos empréstimos consignados da Prefeitura de Aracaju com a Caixa Econômica. Ao contrário, tem sido pago regularmente, dentro do prazo, às vezes até antecipadamente em relação ao vencimento da operação. Eu quero até agradecer ao prefeito de Aracaju pelo cuidado com os servidores que recebem pela Caixa Econômica. Deste empréstimo que foi feito, nós não temos nenhum problema com a prefeitura de Aracaju”, afirmou Queiroz.

Edvaldo Nogueira: até o momento, a atual gestão quitou R$ 18,9 milhões

PAGAMENTOS PERTO DOS R$ 19 MILHÕES
Até o momento, a Prefeitura de Aracaju pagou quatro parcelas da operação de crédito (são 12 ao total). A primeira, paga no mês de março, foi do montante de R$ 7.190.302,15; as demais parcelas pagas mensalmente, nos valores respectivos de R$ 3.645.771,68, R$ 4.032.462,38 e R$ 4.104.791,50 foram fruto de uma estratégia de responsabilidade financeira que analisou as finanças de Aracaju e realizou os pagamentos sem que houvesse lesões nos investimentos a outras atividades municipais. Assim, até o momento, a atual gestão quitou R$ 18.973.327,53. Em Aracaju, existem 14.126 servidores municipais.

EVITANDO POLITIZAÇÃO DA GESTÃO
O prefeito Edvaldo Nogueira afirmou ontem que ainda não é o momento para que ele se envolva em discussão das eleições de 2018. Para ele, o momento exige outra preocupação: a administração da capital. “Estou focado em resolver os problemas de Aracaju. A situação da prefeitura é muito difícil. São muitas dívidas, problemas na prestação dos serviços, o que exige muita concentração da minha parte para reconstruir a nossa capital. Estou preocupado em governar a cidade e procuro evitar qualquer tipo de politização na nossa gestão”, disse.

Belivaldo Chagas: no radar da observação 

MAS VISUALIZANDO BELIVALDO
Edvaldo diz que ainda não tratou de eleição com ninguém, mas garante perceber uma movimentação em favor do vice-governador Belivaldo Chagas. “Não discuti sobre pré-candidatura de nenhum nome, nem com o governador Jackson Barreto nem com nenhum outro político ou partido. Embora tenha sentido que há uma movimentação em torno do nome de Belivaldo Chagas, que considero um nome importante do nosso grupo. É um companheiro por quem tenho carinho, respeito e admiração. É um parceiro do governador Jackson Barreto e nosso. É um nome que está sendo levantado”, afirma ele, estabelecendo como prazo para início das articulações o mês de setembro.

INSS: UM NOVO-VELHO SUPERINTENDENTE
O jornalista Raimundo Brito voltou ao comando do INSS de Sergipe. Ele retomou o posto há exatamente um mês, em meados de junho, depois de ter sido afastado por, segundo ele, perseguições políticas. “Mas agora voltei como cota do deputado federal André Moura”, afirma Raimundo. Se ele se incomoda com esse tipo de situação (a de depender de indicação política)? “A gente tem que andar conforme a maré”.

INSS: UM NOVO-VELHO SUPERINTENDENTE II
Raimundo ficou cerca de seis meses fora da Superintendência. Nesse período, segundo ele, teve o trabalho reconhecido e foi convidado a retornar. “E o deputado achou por bem me trazer de volta”, diz. O jornalista é servidor de carreira do órgão há 33 anos – a serem completados no início do mês de agosto. Atualmente, a cobertura da Previdência ultrapassa os 300 mil beneficiários em Sergipe.

VALADARES DEFENDE SEMIPARLAMENTARISMO
Muito atuante no Twitter, o senador Antônio Carlos Valadares soltou mais uma de suas pérolas na rede social ontem: “A Lava Jato mostrou que os escândalos em série tiraram bilhões de reais da sociedade. Em grande parte para financiar campanhas eleitorais. Apoio financiamento público com redução de partidos políticos e mudança do sistema de governo para o semiparlamentarismo com eleições diretas para presidente”, disse ele.

MAIS RECURSOS PARA A AGRICULTURA
Uma semana após receber a missão do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), que avaliou positivamente a implementação do Projeto Dom Távora, o governo libera mais recursos para as comunidades. Dessa vez, o governador em exercício, Belivaldo Chagas, e o secretário da Agricultura, Esmeraldo Leal, assinaram Planos de Investimentos para as comunidades Padre Nestor (Produção de Coco e sistema de irrigação) e Povoado Rancho (Beneficiamento de Mandioca) no município de Pacatuba.

MAIS RECURSOS PARA A AGRICULTURA II
Já no município de Brejo Grande foi assinado um plano de investimentos para o Projeto de Beneficiamento e Comercialização de Coco. O volume de recursos autorizados hoje totaliza R$ 959.570,00. O Projeto Dom Távora é uma ação do Governo de Sergipe cofinanciado pelo FIDA e com objetivo de combater a pobreza rural apoiando iniciativas comunitárias produtivas geradoras de renda. O ato contou com a presença dos prefeitos e vereadores dos municípios beneficiados.

MICHEL TEMER NO
PAÍS DAS MARAVILHAS
[*]Adalberto Vasconcelos Andrade 

Nosso presidente da República caiu num buraco feito Alice na toca do coelho. Ao fugir do tédio da leitura de um livro feita pela sua irmã, ela se afasta e corre em direção às margaridas.

Mas o que chamou a atenção dela foi o coelho branco que corre ao seu lado, que em certo momento retira do próprio bolso um relógio. Seria uma corrida contra o tempo?

Adalberto Vasconcelos Andrade: Temer sobreviverá à realidade?

Mas contra o que? No caso de Alice, ela só descobre isso quando cai num profundo poço e encontra lá nas profundezas várias portas e uma chave que abre apenas uma delas.

Caso parecido com o drama pela qual passa com Michel Temer. Todas as portas se fecharam depois da denúncia do PGR. Mas deve existir uma chave, uma saída.

A primeira, ele já abriu na semana passada, antes do recesso parlamentar. Mas tem que seguir em frente e encontrar uma saída que o leve ao caminho que possa concluir o seu mandato.

Não é fácil, mas também não é impossível. Assim como Alice, Temer precisa encontrar a porta do seu “País das Maravilhas”.

Mesmo tendo suas “lagartas conselheiras”, Michel Temer sabe que tem um exército de “cartas marcadas”, contra o qual terá que combater.

Como a realidade é diferente de um conto de fadas, fica cada vez mais difícil acreditar – tanto para ele quanto para o povo brasileiro – que a história terá um final feliz.

Alice, ao retornar para superfície depois de viver tantas aventuras naquele submundo imaginário, se dá conta de que tudo não passou de um sonho e que estava de volta a realidade. O problema é que nos dias atuais viver e sobreviver no Brasil virou um pesadelo. Até para o próprio Residente da República.

[*] É policial rodoviário federal aposentado,
administrador de Empresas e escritor.

ETC & TAL
@ Ele se autodenomina, mas Heleno Silva não é um pastor. Na IURD, Igreja dela, o cabra entrou para a política, a corporação fatura a importância, mas retira-lhe o título. Portanto, nem ele e nem deputado federal Jony Marcos devem usar o adjetivo pastor. Nem de ovelhas.

@ De uma alta figura da política de Sergipe, depois da leitura da entrevista do secretário de Estado da Infraestrutura e do Desenvolvimento Urbano, Valmor Barbosa, aqui no JLPolítica: “JB transformou o Governo numa Prefeitura Estadual. Nenhuma obra aparece ligada a um projeto de desenvolvimento de Sergipe”.

@ Valmor Barbosa informou ao JLPolítica: “Já concluímos 144 obras, temos 87 em andamento e 118 em processo licitatório. Atualmente, o elenco de obras que o Estado possui em andamento, resulta num investimento de R$ 639,4 milhões. São obras que mudarão a realidade da população”.

@ O observador disse mais: “Por essas obras, JB será esquecido em dois anos. Mas já deu tempo para se eleger senador com os pés nas costas, como diz Gama”. Será assim mesmo?

@ Morreu, aos 83 anos, Viana Filho, jornalista, radialista e escritor sergipano, que era um dos mestres do futebol do Estado. Viana sofria de complicações respiratórias.