André Moura também sonha com o Governo do Estado

Por Jozailto Lima
30 mar 2017, 00h01

A sucessão estadual de Sergipe do ano que vem pode trazer muitas surpresas. Nela, além da escolha de um novo governador e um novo vice para a partir de 2019, vão ser eleitos dois senadores, os oito deputados federais e os 24 estaduais.

Por algumas obviedades, os nomes de Eduardo Amorim, PSC, e de Belivaldo Chagas, PMDB, são os mais citados como pré-candidatos. No campo das surpresas, encaixa-se uma possível candidatura do deputado federal André Moura, PSC.

Ele quer. Mas uma infinidade de variantes precisa contribuir para isso. A que mais chama a atenção é a vontade pessoal e a expressão política que o próprio André Moura deixa vazar neste momento.

Nos últimos 20 anos, poucos da política de Sergipe foram tão longe no plano nacional como esse rapaz – e isso retorna às origens. De abril a quase abril, depois do impeachment de Dilma Rousseff, André foi de líder do Governo na Câmara Federal a líder do Governo no Congresso Nacional.

André caiu na graça do Governo Temer e, embora isso que se possa chamar de Governo Temer seja algo pouco consistente ou algo até muito flácido, ele teoriza esperanças: acha que esse Governo que alguns chamam de golpe vai dar em um bom lugar. E é desse bom lugar que André quer tirar proveito.

“Hoje, trabalho focado na minha reeleição, mas não descarto a possibilidade de uma outra candidatura, desde que seja fruto de uma discussão em grupo, observando a vontade do povo sergipano”, disse ele em entrevista ao JLPolítica no último domingo, em resposta à pergunta “o seu projeto é de reeleição ou tenta o Senado?”.

Ao seu travesseiro pessoal e político, André tem confessado interesse direto de ser o nome ungido para disputar o Governo do Estado. Isso no sentido laico – naquele largamente praticado em Sergipe, que já fez de Jackson Barreto aliado de Albano Franco, de Eduardo Amorim parceirinho de infância político de Marcelo Déda, Valadares de João Alves.

Ou seja, em Sergipe as frutas políticas se amalgamam muito bem em qualquer salada eleitoral. Mas o sonho do “líder” André Moura terá de obedecer a algumas questões básicas e elementares.
1 – Necessitará estar livre de quaisquer questões jurídicas impeditivas ano que vem.
2 – Vai precisar de boas pontuações nas pesquisas para poder falar alto perante os seus.
3 – Precisará do poder de unificação dos colegas de oposição se for pela oposição que ele marchará e,
4 – Carecerá de estar bem com remessas de obras e outros benefícios do Governo Federal para Sergipe, que lhe leve a dizer que fez como líder e que fará como governador.

Além disso, André necessitaria estar embutido numa candidatura presidencial que puxasse voto e significação. De onde viria ela? É tudo muito cedo, mas certamente nada impeditivo de ele também sonhar com o Governo do Estado.

BELIVALDO: FALTA PROJETO DE BRASIL
O vice-governador de Sergipe, Belivaldo Chagas, PMDB, disse ontem em Fortaleza, no Ceará, a esta coluna Aparte, que não existe neste momento uma liderança nacional com um projeto de nação – e manifestou preocupação com isso. “Michel Temer não lidera e Lula não passa do emocional”, disse Belivaldo. Para ele, a situação do Brasil inspira cuidado. “Quero que me apontem aí um nome nacional com um projeto. João Dória? Uma coisa é tomar conta da Prefeitura de São Paulo; outra, do Brasil inteiro, com suas complexidades. A Federação não sairá do buraco se não se pensar nos municípios e nos Estados”, disse Belivaldo.

TRIUNFALISMO DE LAÉRCIO É PURA AGRESSÃO
Está profundamente equivocada a opção do bateu-levou adotada pelo deputado federal Laércio Oliveira, SD, frente ao arsenal de críticas das quais ele passou a ser alvo por ter relatado, defendido e aprovado o projeto de lei das terceirizações. O primeiro equívoco vem do fato que a virulência adotada por este parlamentar não encontra simetria no modo de ser dele mesmo, um sujeito que, no original, é leve, brincalhão e dado a boas ironias. É até um evangélico. O segundo equívoco da linha dura adotada por ele está na presunção de que ninguém pode discordar da posição que adotou e defendeu, o que é plenamente incabível nos embates políticos. Mas o mais grave de tudo, é que o novo jeito-duro-de-ser de Laércio Oliveira parece desconsiderar a existência de 13 milhões de desempregados do país, muitos dos quais aqui mesmo no terreiro sergipano dele. E estas pessoas estão muito sensíveis a tudo que diga respeito a trabalho e suas regulamentações. Na era bateu-levou, faltou sensibilidade a Laércio Oliveira e a seus assessores na adoção de uma linguagem mais serena e menos pancadeira nesta hora. É como se não tivessem medido – e de fato não mediram – o peso de cada vírgula. Lamentável, Laércio. O projeto que você fez aprovar, deputado, não é nenhuma aberração – e a sua dedicação à causa dele é digna de elogios. Mas a sua metodologia e sua “nova linguagem triunfalista” diante fato, lamentavelmente não, caro Lalá.

UNIDOS EM TORNO DO MILHO?
No dia de ontem, quatro dos cinco deputados federais ligados ao Governo de Sergipe participaram de um almoço no apartamento de um deles em Brasília para discutir meios de apressar a liberação do milho para a ração animal por parte do Governo Federal. O encontro foi no apartamento de Fábio Reis, com as presenças de João Daniel, Fábio Mitidieri e Jony Marcos. A nota estranha foi a ausência do deputado Laércio Oliveira. Isso gerou na manhã de ontem o comentário de que os aliados de JB se reuniriam para ejetar Laércio da condição de coordenador da bancada de Sergipe no Congresso Nacional. Fábio desmentiu.

PELO FIM DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
A deputada estadual Goretti Reis, PMDB, presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Mulher da Alese, está sempre preocupada com violência de gênero e apresenta comumente ações para conter isso. Hoje e amanhã ela se associa a uma série de entidades da vida sergipana e realiza, no auditório do Ministério Público de Sergipe, o Seminário Tecendo a Rede. Segundo Goretti, a preocupação vai além da mulher agredida. Abrange a criação de uma rede de atendimento para vítimas e agressores, Quer se criar efetivamente uma rede para que agredidos e agressores saibam como proceder na busca de auxílio. “O seminário vai auxiliar na construção de caminhos e políticas públicas para que essa atividade, em Sergipe, seja construída e consolidada”, diz a parlamentar.

ISENÇÃO DE IPVA PARA TRANSPORTE ESCOLAR
A Assessoria de Comunicação do deputado estadual Samuel Barreto divulgou ontem uma notícia de que ele estaria discutindo a apresentação de um projeto de Lei na Assembleia Legislativa para gerar isenção do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores – IPVA – para categoria dos veículos do transporte escolar do Estado. Esta é uma boa preocupação Samuel. Mas com um pouco mais de atenção o parlamentar Samuel e sua Assessoria poderia ser informados de que projeto de lei com este mesmo objetivo já está em tramitação na Alese. Ele foi apresentado pelo deputado estadual Luciano Pimentel.

O ESPÓLIO ELEITORAL DE ITABAIANINHA
O deputado estadual Zezinho Guimarães, PMDB, fez dobradinha em 2014 com o deputado federal Fábio Reis, do mesmo partido, em Itabaianinha. Sente-se, inclusive, responsável pelos 7.911 que Fábio teve por lá. Mas para o ano que vem está disposto a pular fora. Acha que Fábio não tem sido recíproco durante mandato e vai procurar um parceiro que lhe dê volta, eleitoralmente e em outra cidade, aquilo que ele possa oferecer – Zezinho considera Itabaianinha seu melhor colégio eleitoral. Ele teve 9.199 votos lá. Fábio faz uma leitura diferente. Vê Zezinho como gente boa, mas “choroso por natureza”, e põe em questão a eficácia dele perante os 7.911 obtidos ali. “Pelo que sei, Itabaianinha sempre foi uma terra que votou com meu pai, Jerônimo, e com meu irmão, Sérgio, pelo que nossa família é muita grata. E, além disso, ali fomos apoiados pelas lideranças de Renildo Santana, Joaldo Carvalho e Robson da Laranja”, diz Fábio.

O SILÊNCIO DE JOÃO E OS BOATOS
O ex-prefeito de Aracaju e ex-governador de Sergipe João Alves Filho anda sumido demais do noticiário e da vida política do Estado. O que se sabe é que fixou residência em Brasília, ao lado da mulher, a senadora Maria do Carmo Alves, DEM. “Eles estiveram aqui nesse final de semana. Vieram especialmente para um casamento e para levar o apoio aos candidatos Volney Leite e Beto Caju, em Carmópolis. Voltarão na semana santa”, diz a filha do casal, a jornalista Ana Maria Alves. “Mas dizem que João está com problema seriíssimo de memória”, interpõe Aparte. Ana arma defesa imediata. “Não é verdade. João está bem. Ele sempre falou muito, e continua igual. Ele é prolixo, então já sabe: fala demais, repete demais, adora contar histórias. No mínimo duas horas de conversa”, diz ela.

“QUANTO MAIS CANDIDATOS, MELHOR”
O deputado Fábio Reis, PMDB, parece bem zen diante da eventual candidatura de Alexandre Figueiredo, também do PMDB, filho de Benedito Figueiredo, à Câmara Federal. “Para mim, quanto mais candidatos do nosso partido melhor para todos. Aliás, em 2014, o pai dele votou em mim. Em 2014 é que votou em Bosco Costa, que não é do PMDB. Eu até gostaria de pedir a Benedito que, se Alexandre não for candidato, que ele vote em mim de novo. Nem fica bem o presidente da nossa Fundação Ulysses Guimarães votando em candidatos de outras siglas!”, pondera Fábio.

DE OLHO NO PROGRAMA GARANTIA SAFRA
Os quase 20 mil agricultores familiares cadastrado no Programa Garantia Safra deste ano (safra 2016/2017) em Sergipe têm até amanhã, sexta, dia 31, para efetivar seu cadastro no programa, pagando o boleto no valor de R$ 17,00. Este valor corresponde ao aporte de contrapartida dos agricultores, visto que o programa é realizado em parceria, e nela o agricultor entra com 2%, o município com 6%, o Estado com 12% e União com complemento (no mínimo 40% inicial para garantir o processo). Caso o agricultor não cumpra o pagamento da contrapartida, seu cadastro não será efetivado. Por este motivo, é importante que aqueles cadastrados que ainda não pagaram procurem a Secretaria da Agricultura de seu município para pegar o boleto e fazer o pagamento nas casas lotéricas ou agências da Caixa Econômica.

DE OLHO NO PROGRAMA GARANTIA SAFRA II
O Governo do Estado de Sergipe, com apoio da Secretaria de Estado da Agricultura, Emdagro, Delegacia Federal do Desenvolvimento Agrário e Prefeituras, conseguiu fazer grande mobilização este ano, chegando a cadastrar 19.714 agricultores de 25 municípios. Estes parceiros envolvidos no programa alertam que os agricultores precisam efetivar o cadastro pagando seu aporte de participação. O secretário de Estado da Agricultura, Esmeraldo Leal, destaca que o retorno é bastante significativo, pois identifica e atende os agricultores familiares mais vulneráveis e faz o valor do seguro circular na economia dos municípios. “Para se ter ideia, está sendo pago este início de ano o valor total de R$ 14.241.750,00 para 16 mil agricultores que tiveram comprovação de perda de safra ano passado”, disse Esmeraldo.

ETC@TAL
@ Ontem pela manhã os deputados federais Valadares Filho e Laércio Oliveira trombaram em uma informação.

@ No dia anterior, a assessoria de Laércio mandou nota dizendo que Valadares havia lhe ligado e dito que desaprovava nota de repúdio do PSB Mulher de Sergipe contra sua fala na Folha, segundo a qual a mulher era especializada em limpezas.

@ Valadares Filho não nega que falou do assunto com Laércio. Mas não confirma a reprovação à nota. “Laércio não poderia confundir cordialidade com oficialidade. Não assumi reprovação nota”, diz Valadares.

@ Os governistas estão de olho no passe político de Cassinho da Quixabeira, PSB, prefeito de Graccho Cardoso.

@ Belivaldo Chagas confirmou ontem a esta coluna que as conversas estão avançadas. Reeleito, Cassinho está entre os melhores prefeitos de Sergipe.

@ Da vice-prefeita de Aracaju, Eliane Aquino, PT: “Eu concordo com Zezinho Sobral: Belivaldo é o melhor nome para o Governo do Estado”. Ela fala a partir da nota “Zezinho: Belivaldo é bola da vez”, com o secretário de Estado da Inclusão Social, Zezinho Sobral, PMDB.

@ A Secretaria de Estado da Saúde – SES – tem em mãos vídeos das oficinas que mostram água nos tanques das ambulâncias.

@ Escandaloso, isso? Mas tem bem mais: “até banana já foi encontrada dentro dos tanques”, diz uma fonte da SES. “É como se estivéssemos lidando com bandidos”. Sem dúvida.

@ O diretor de Operações do DER, engenheiro Adailton Martins, recebeu na última terça, 28, uma homenagem em forma de placa, pelo reconhecimento dos serviços prestados ao 28° Batalhão de Caçadores.

@ Adailton Martins é irmão de Airton Martins, prefeito da Barra dos Coqueiros. Ele tem projeto de se eleger deputado estadual ano que vem.

@ Este Edvaldo Nogueira, de besta não tem nada. Sindicalistas batem nele pelo rádio, ele ouve e depois liga: “Mas rapaz…”.

@ Fez isso recentemente com o Professor Getúlio, do Sepuma. E tudo terminou num convite de almoço. Getúlio, bom Sancho Pança, disse ok: mas só vai se levar o seu Dom Quixote Nivaldo Fernandes dos Santos, presidente do Sindicato.

@ Este Machado não é mole. Nem bem terminou a gestão de João Alves em Aracaju, e ele já emplacou o genro Carlos Eloy na Secretaria de Indústria, Comércio e Turismo de Itabaiana. Ainda bem que Eloy é competente. De Aracaju, ele foi secretário de Juventude e Esporte.

@ Esta coluna e, obviamente, o autor dela – eu, Jozailto Lima -, não acreditam em jornalismo com ódio. Aliás, em nada com ódio. Aparte é a casa da política sergipana. Tem algo a dizer? Não se acanhe: diga aqui!