Belivaldo duvida do projeto de Amorim e topa até Valadares

Por Jozailto Lima
19 abr 2017, 22h15

A sucessão estadual de Sergipe do ano que vem teima em estar em alta desde já, e sempre. O vice-governador Belivaldo Chagas, PMDB, disse ontem a esta coluna Aparte que tem dúvidas de que o senador Eduardo Amorim, PSDB, leve até o fim o seu projeto de disputar o Governo de Sergipe em outubro ao ano que vem.

“Nós estamos crescendo muito. O Governo de Jackson Barreto, com uma série de obras e realizações pelo Estado inteiro, está a cada dia se impondo mais. E isso tem feito com que muita gente boa nos procure para alianças futuras. Não creio que Eduardo sustente o projeto dele até o fim diante de uma boa musculatura do Governo da gente”, disse Belivaldo.

Por esta lógica, Belivaldo Chagas, que é tido como um pré-candidato ao Governo, aponta como saída uma tentativa de reeleição ao Senado por parte de Eduardo Amorim. “Perder uma eleição em 2018, para ele, seria o fim de tudo. É morrer politicamente em definitivo”, diz.

“Diferentemente de se cacifar para em 2022, com um mandato de senador que lhe daria mais quatro anos, e tentar ser governador”, fustiga Belivado.

O vice-governador faz, ainda, uma outra conjectura: a de que, com ele eventualmente eleito governador em 2018 e não poderia ir à reeleição, porque terá sucedido JB a partir de abril do ano que vem. Possivelmente ele queira dizer com isso que disputar com alguém que não esteja sentado na cadeira de governador seja mais fácil. E de fato o é.

Em caso de Eduardo Amorim amarelar, avisa Belivaldo Chagas, ele topa ir pro embate eleitoral com o seu velho aliado, o senador Antônio Carlos Valadares, PSB, que hoje aparece bem nas pesquisas tanto para o Senado quanto o Governo do Estado.

“Não vejo problema nenhum nisso. Tudo é possível. O senador Valadares critica os que estão nos procurando para uma aliança política, mas ele é uma especialista em pegar seus paninhos de bunda e se picar em direção a projetos que estavam em vias de dar certo. Foi useiro e vezeiro nisso. Fez a vida inteira”, diz.

Belivaldo avalia que, como as portas pro senador Valadares estariam fechadas ao lado de Jackson Barreto – “Nós não queremos bancar um quarto mandato de senador para ele”, disse JB recentemente a esta coluna -, ele possivelmente aceite a candidatura ao Governo, em caso de Eduardo Amorim saltar fora.

“Valadares acha que ganha a eleição de governador. Mas se não ganhar – eu creio que não ganha -, salva a reeleição de deputado federal do filho”, diz Belivado. Não parece muito pouco a alguém tão sagaz quanto o experimentado senador?

Ontem Belivaldo fazia 57 anos. Aproveitou a ocasião e desde domingo estava na cidade de São Paulo, onde fazia exames rotineiros. Enquanto isso, Jackson Barreto visitava seis povoados de Poço Verde, município vizinho da Simão Dias de Valadares e terra onde o senador tem bons aIiados.

Mas, fazendo jus à história de Belivaldo de que “muita gente nos procure para alianças”, ao meio dia de ontem JB estava almoçando exatamente na casa do ex-prefeito Toinho de Dorinha, um valadarista de sete encarnações – não sem antes ter estado com o ex-prefeito e ex-deputado José Everaldo de Oliveira e seu filho e atual prefeito Iggor Oliveira. Sarapatel de coruja, onde?

ALESSANDRO CONTESTA VERSÃO DO ESTADO
Educadamente, o delegado da Polícia Civil de Sergipe Alessandro Vieira, que exercia o posto de delegado-geral até ontem quando foi sucedido pela delegada Katarina Feitoza, procurou esta coluna e contestou a versão que apareceu no texto de abertura dela – “Plano de Alessandro derruba João Batista”. Com base numa fonte do Governo, Aparte disse que JB decidiu pela saída de Alessandro apenas porque ele estava urdindo um Plano de Cargos e Salários para os 143 delegados sem o consentimento do Governo e que isso dobraria a folha deles na SSP.

Alessandro Vieira: “Eu sou contra é a mentira”

“GOVERNO CONTA UMA MENTIRA”
“A história é bem diferente dessa. A que o Governo conta é uma mentira completa”, disse Vieira. Segundo ele, três planos discutem questões de ordem salariais, reposições e ganhos financeiros para os trabalhadores na esfera da SSP, passando pelos sugeridos pelo Sinpol, Adepol e o dele. O que interessa é o dele: faz uma série de revisões de carga horária, hora extra, criação de uns poucos CCs, enfim, corrige algumas distorções entre as Polícias Civil e a Militar, em favor da Civil. Mas o mais grave, segundo Alessandro, é que tudo isso está mais do que dentro da legalidade e tendo por chancela um despacho assinado pelo próprio governador Jackson Barreto. “Com parecer positivo da Procuradoria Geral do Estado e tudo. Não visa só delegados, atende a todo pessoal da Civil e nunca, jamais, dobraria a folha. O governador pode e tem o direito de mudar tudo na SSP. Não sou contra. Eu sou contra é a mentira”, diz Alessandro.

MINISTRO VEM DISCUTIR PETROBRAS
O ministro das Minas e Energias, Fernando Bezerra Filho, confirmou ontem ao deputado estadual Luciano Pimentel, PSB, que virá, sim, a Sergipe para uma audiência pública na Alese com a finalidade de discutir os rumos da Petrobras no Estado. O deputado esteve em Brasília só para convidá-lo, e foi recebido em audiência juntamente com o deputado federal Valadares Filho, PSB. Luciano fez um duro pronunciamento na segunda-feira no Legislativo apontando a decadência dos investimentos da Petrobras no Estado e alertando para os riscos de ela vir a suspender as atividades funcionais em Sergipe. A expectativa dele agora é a de que o ministro diga algo positivo sobre isso. Para Luciano Pimentel, a preferência do dia da audiência a ser acertada ainda recai sobre uma segunda ou uma sexta-feira, “porque pegaríamos em Sergipe a quase totalidade dos 11 parlamentares federais, que poderiam tomar parte nesta discussão que, de fato, interessa a todos”. O deputado federal Valadares Filho, que cumpriu agenda ao lado de Luciano na visita a Fernando Bezerra em Brasília, aprova toda a movimentação do seu correligionário estadual.

Os dois deputados com Fernando: vinda acertada

CENTRAL DE SERGIPE NO SENADO
Da Assessoria de Comunicação do senador Eduardo Amorim, a coluna recebeu ontem a seguinte nota: “O gabinete do senador Eduardo Amorim, PSDB, foi um dos mais visitados essa semana em Brasília. Por lá passaram os deputados estaduais Antônio dos Santos, PSC, e Luciano Pimentel, PSB, o federal Valadares Filho, PSB, os prefeitos Cristiano Beltrão (Ilha das Flores), Genivaldo dos Anjos ‘Dadau’ (Santo Amaro das Brotas), Gilson Andrade (Estância), Jeferson Santana (Maruim), Vino Barreto (Rosário do Catete) e vereadores de Santo Amaro das Brotas e Rosário do Catete. Eduardo Amorim discutiu novas emendas para os municípios e temas relacionados ao desenvolvimento do interior sergipano. “Nosso gabinete está sempre de portas abertas a quem nos procura. Aqui, ampliamos propósitos dos munícipes nas diversas regiões de Sergipe. É do meu interesse conhecer os projetos que favoreçam a quem mais precisa”, disse o senador.

ARTE DA POLÍTICA, SEGUNDO CASSINHO
O prefeito de Graccho Cardoso, Nicárcio Aragão, o Cassinho da Quixabeira, PSB, que é politicamente de oposição ao grupo do governador Jackson Barreto, está mantendo diálogos com o Governo do Estado, e tem gerado estranhamento em algumas esferas políticas. Menos nele próprio. “Eu sou prefeito e Jackson governador. É natural que tenhamos bom relacionamento em torno dos problemas do Estado e do Município. Não há incompatibilidade nisso, e vou tentar benefícios para Graccho nestes quase dois anos que restam do Governo dele. Aliás,, foi também com o meu voto que Jackson se tornou vice-governador em 2010 e governador em 2014”, diz Cassinho. Para o prefeito, o alinhamento administrativo não implica qualquer capitulação política e partidária. “Eu, por exemplo, só saio do PSB no dia em que abandonar a política”, avisa.

Cassinho: sem espaço para melindres políticos

MARIA CONTESTA DADOS DE AMORIM
O senador Eduardo Amorim, PSDB, está pagando um preço alto para não ser feliz, justamente na contramão daquilo que as pessoas ditas normais fazem. Depois de entrar e sair, por inconsistência da acusação, da lista de Facchin da Lava Jato, como alguém que teria levado vantagem financeira de construtora, ele concede entrevista a um semanário de Sergipe e afirma que que custeou em 80% a campanha da senadora Maria do Carmo em 2014, além da do então genro dela, Mendonça Prado, a deputado federal.

Maria do Carmo: doações diferentes

MARIA CONTESTA DADOS DE AMORIM II
Diante desse fato, a senadora Maria do Carmo, DEM, simplesmente nega. Nega e revela o índice aproximado da participação da ajuda dele. “Está na própria prestação de contas, que é pública e está disponível no site do TRE. Quando a gente soma as doações que ele fez não dão 48%”, refuta Maria do Carmo. Mendonça deve ter lá seus cálculos, mas, atravancado por outras agonias neste momento, não fala do assunto – ontem foi procurado exaustivamente por esta coluna e não atendia a nenhuma das chamadas.

GERANDO PROVAS PRO INIMIGO
O mais chato de tudo para o senador Eduardo Amorim é que ele termina gerando provas pros seus oponentes, que em 2014 o acusavam de ser dono de uma campanha rica, plutocrata e perdulária. Maria do Carmo, em sua verdade-na-lata, até atenua quando derruba os 80% informados por ele para um pouco mais de 47% da participação nas contas dela.

PADRE INALDO E O FOCO DIFERENTE
O prefeito de Nossa Senhora do Socorro, Padre Inaldo, PC do B, não está interessado em abrir o foco de sua atenção para as questões de ordem política, por enquanto. “Neste momento, o nosso foco total é com a administração do município de Socorro. Só vamos discutir política no momento certo, e ouvindo todos do nosso grupo”, diz ele. Para Inaldo, o tamanho dos problemas de Socorro é o suficiente para lhe absorver nesta hora. “Nós temos muitos problemas em Nossa Senhora do Socorro, mas estamos enfrentando todos com seriedade, compromisso e criatividade. Todos os secretários estão empenhados com as suas pastas e já sentimos avanços importantes em cada área nestes três primeiros meses. Os desafios são muito grandes, mas temos certeza de que vamos vencer todos eles”, diz o gestor.

FRIGORÍFICO DE R$ 30 MILHÕES
O engenheiro agrônomo, pecuarista e ex-secretário de Agricultura de Sergipe, Geraldo Barreto, ficou animado com a notícia dada nesta coluna ontem de que Itabaiana vai ter um frigorífico público, com investimento de R$ 6 milhões, com inauguração prevista para junho. “Muito bom o investimento no frigorífico de Itabaiana, mas gostaria de lembrar que também em Itabaiana um grupo está investindo cerca de R$ 30 milhões na construção de um dos frigoríficos mais modernos do Nordeste, marco importante para a economia pecuária e para o fornecimento de alimento saudável à população”, disse Geraldo. Ele está em viagem e garante que quando retornar vai solicitar uma visita para ver de perto as obras.

AS 14 IMPOSSIBILIDADES DE REINALDO
O ex-deputado estadual Reinaldo Moura, pai de André Moura, é uma figura de pitacos oportunos e desconcertantes na vida política e social de Sergipe. Ontem, postou na página dele do face uma lista de 14 “coisas impossíveis (?) em 2017” em Sergipe – a interrogação é dele. A elas: “1 – O Sergipe ser campeão. 2 – O Confiança também. 3 – O Itabaiana perder o título. 4 – Valadares jantar com JB. 5 – Samuel deixar de visitar JB toda semana. 6 – Assembleia com 24 deputados. 7 – CPI do Lixo funcionar. 8 – Amorim desistir de ser candidato a governador. 9 – André Moura fazer aliança política com JB. 10 – Machado encontrar um partido. 11 – Encontrar Edvaldo Nogueira. 12 – Albano se declarar. 13 – João Alves de Brasília retornar e 14 – Gama deixar de mandar”.

Reinaldo Moura: reino dos impossíveis

 

ETC @ TAL
@ A deputada Sílvia Fontes está mesmo encafifada com a sua relação com o presidente da Alese, Luciano Bispo, no tocante à pauta da ida de Almeida àquela Casa, sugerida por ela.

@ “Sinceramente, às vezes não entendo o porquê das mudanças nos eventos. Geralmente acontece em datas que estão marcados eventos indicados ou requeridos por mim. Mas, deve ser apenas uma infeliz coincidência na escolha do nosso querido presidente, Luciano Bispo”, diz.

@ O advogado do empresário José Antônio Torres Neto, da Torre, Evânio Moura, assegura que o cateterismo feito em seu cliente anteontem não apresentou grandes problemas no coração.

@ Mas algo preocupa a Evânio e à família do custodiado: “Ele continua sob forte tensão de pressão arterial”, diz Evânio.

@ O prefeito de uma grande cidade de Sergipe garante, do alto do seu desconfiômetro: André Moura está armando pra cima de Eduardo Amorim e, na hora certa – ou seja, na boca da sucessão – vai lhe passar a perna. Será?

@ O vereador Dodge, de Monte Alegre, acha que o marido da prefeita Nena de Luciano, o Luciano de Nena – é assim mesmo -, está trabalhando para botar muita coisa a se perder na política dali.

@ A bancada federal de Sergipe se reuniu ontem para discutir o pedido de 23 prefeitos do Estado que enfrentam a seca. Os prefeitos reivindicam recursos via emendas impositivas, para enfrentar a dura estiagem.

@ O coordenador da bancada de Sergipe, Laércio Oliveira, apresentou os impedimentos do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão ao atendimento da solicitação. As emendas impositivas indicadas em outubro passado foram para a Codevasf e a Prefeitura de Aracaju.

@ “A criação de um novo beneficiário para o recebimento de parte dos recursos se constituiria na criação de uma terceira emenda impositiva, o que é vedado”,  explicou o parlamentar.

@ A bancada de Sergipe também indicou emendas coletivas para Itabaiana, São Cristóvão, Estância, Lagarto, Nossa Senhora do Socorro.

@ E ainda para a construção do hospital do Câncer e a manutenção das unidades de saúde, para a Universidade Federal de Sergipe e para a reforma do Aeroporto de Aracaju.