EFEITO JACKSON

Bispo: JB disputa Senado e mexe em toda sucessão

Por Jozaiilto Lima
31 maio 2017, 22h47

O deputado estadual e presidente da Alese, Luciano Bispo, PMDB, previu ontem que a entrada do governador Jackson Barreto na eleição como candidato ao Senado vai mexer profundamente no tabuleiro de toda a eleição, indo até ao aspecto proporcional. Na disputa pela Câmara e pela Assembleia.

Na visão de Luciano Bispo, sem Jackson na disputa pelo Senado, nomes fortes como Laércio Oliveira e Fábio Mitidieri possivelmente se aventurassem numa candidatura de senador, o que deixariam de cara duas vagas abertas para Câmara.

Para Luciano, a candidatura de JB ao Senado mexe até com a sua Itabaiana. Ele diz, por exemplo, que o prefeito Valmir de Francisquinho, seu adversário, “pensava” em candidatura de deputado federal para o filho Talysson Costa, mas “achando que JB não ir para o Senado”.

Indo, muda os planos para uma candidatura de deputado estadual do filho. “Valmir de Francisquinho agora está brigando com Maria Mendonça. Ele quer botar o filho para estadual”, diz.

Aliás, o deputado itabaianense fez para esta coluna mais duas observações de fundo político forte sobre a sucessão estadual:

1 – André Moura não tem a menor chance de ser candidato a governador pelo grupo de Jackson Barreto e disputará reeleição de federal;

2 – Não tem outro nome no contexto do Governo para a sucessão de governador que não seja o de Belivaldo Chagas.

Segundo Luciano Bispo, é uma “ideia inócua” imaginar-se que JB faça de André Moura o seu candidato ao Governo. “Isso não vinga. Não tem chance”, diz.

“André não é maluco de abrir uma candidatura de governador. Ele é candidato a reeleição de federal. Não quer correr o risco de perder o mandato. A chance de ser o candidato de Jackson é zero. É uma ideia inócua”, diz o parlamentar.

“Eu tenho certeza de que o candidato a governador de Jackson é Belivaldo Chagas”, diz Luciano. Por que? “Porque não vejo outro”, responde. Ah, e avisa: não passa pelo seu sonho compor como candidato a vice-governador.

Estância abriu ontem seu São João com promessa de muita tradição

ESTÂNCIA QUER VIVAS TRADIÇÃO E LUZ DO SÃO JOÃO
Com o Cortejo Cultural pelas ruas, a cidade de Estância abriu ontem, 31 de maio, o seu São João, que é quase a síntese do São João de Sergipe. E vai até o dia 29 de junho, em 30 dias de festa.

Em tempos de crise, a festa se adapta, mas não se deixa pulverizar no espaço. “Será um São João dentro da realidade que nós estamos vivenciando. Um São João de regaste da nossa cultura, das nossas tradições. Um São João do trio pé de serra, com bandas locais. Obviamente, com a preocupação de gastar pouco”, determina o prefeito Gilson Andrade.

Mas segundo Gilson, esse “gastar pouco” não vai reduzir a importância da festa. “O São João de Estância é maior e o melhor do Estado. É tanto que quando a mídia nacional anuncia o São João de Sergipe, liga exatamente ao estanciano. O foco são os nossos fogos. É o nosso barco de fogo”, sustenta o prefeito. Leia esta entrevista concedida por Gilson Andrade ontem a esta coluna.

Aparte – Prefeito, a crise ameaça a realização do São João de Estância este ano?
Gilson Andrade – Não. Apesar de todas as dificuldades que nós estamos enfrentando, de termos saído de um decreto emergencial no início do mês, iremos realizar, sim, um grande festejo junino aqui em Estância de hoje até o dia 29 de junho. Portanto, por 30 dias teremos festa.

Aparte – Que tipo de São João o senhor espera realizar?
GA – Será um São João dentro da realidade que nós estamos vivenciando. Um São João de regaste da nossa cultura, das nossas tradições. Um São João do trio pé de serra, com bandas locais. Sobretudo um São João com muito fogo e com muita luz, como é a tradição de Estância. Obviamente, com a preocupação de gastar pouco, porque só teremos dois dias com grandes bandas, com as chamadas bandas de âmbito nacional. Isso somente em 22 e 23.

Aparte – Sua gestão planeja investir quanto na realização da festa?
GS – Nosso planejamento passa por um investimento em torno de R$ 1,5 milhão.

Aparte – De onde o senhor espera que venha essa ajuda?
GA – Em busca de recursos, nós fomos na Caixa Econômica Federal, em Brasília, com o apoio, o prestígio e o compromisso do líder do Governo Congresso Nacional, deputado André Moura, e também do senador Eduardo Amorim. E estivemos no Ministério do Turismo. Estes dois órgãos estão nos patrocinando. Mas não posso deixar de reconhecer o apoio dos empresários locais, que têm nos ajudado muito.

Aparte – O que essa festa deixa de positivo para a economia, o turismo e o bem-estar do povo da cidade e do Estado?
GA – Olhe um sinal disso: no final da tarde desta quarta-feira, todos os hotéis de Estância estão com suas ocupações esgotadas. Quero dizer que o São João repercute de forma direta na nossa economia – contempla do salão de beleza às lojas de roupa, das lojas de calçadas aos pequenos comerciantes de fogos. Todas as lojas daqui hoje estão lotadas em função do início dos nossos festejos juninos.

Aparte – É possível imaginar São João em Sergipe sem o de Estância?
GA – Não é. O São João de Estância é maior e o melhor do Estado. É tanto, que quando a mídia nacional anuncia o São João de Sergipe, liga exatamente ao estanciano. O foco são os nossos fogos. É o nosso barco de fogo.

GOVERNO VETA LEI DA ENERGIA SOLAR
Nadou, nadou e morreu no praia: ontem o deputado estadual Luciano Pimentel, PSB, viu, por 10 a nove votos, ser mantido o veto do governador Jackson Barreto ao projeto de lei de sua autoria que estabelece diretrizes, bases e normas para uma política de desenvolvimento de energia solar e fotovoltaica no Estado. O projeto foi aprovado no mês de novembro do ano passado. O parlamentar tentou de todas as formas convencer aos seus colegas da necessidade de derrubar o veto. Mas não teve jeito.

SUPERADO POR OUTROS ESTADOS
Luciano Pimentel teceu um longo histórico, mostrando o comportamento dos Legislativos de Estados como Roraima, Piauí, Goiás, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Tocantins, Minas Gerais e Rio Grande do Norte, onde projetos de lei idênticos foram aprovados. “E, diferentemente do nosso Estado, todas foram sancionados pelos seus governadores”, disse Luciano Pimentel.

SERGIPE TEM O PIOR DESEMPENHO
“Senhores deputados, senhoras deputadas: venho lhes pedir que votemos contra esse veto. Que derrubemos esse veto, em nome da importância que esse projeto tem para o nosso Estado, que está bastante atrasado neste contexto de energias novas e limpas. Hoje na região Nordeste, o Estado de Sergipe é o que tem o pior desempenho na geração de energia solar fotovoltaica”, apelou o parlamentar. De nada valeu.

IVAN: ALMEIDA QUER ARRUMAR A CASA
O ex-prefeito de Estância, Ivan Leite, que acompanhou a visita do secretário de Estado da Saúde, José Almeida Lima, ao Hospital Regional Jessé Fontes, em sua cidade, viu tudo com otimismo. “No Hospital, o pessoal gostou do que viu. Ele visitou setor por setor para ver as necessidade, e veio acompanhado de pessoal técnico. Tudo indica que vai haver uma melhoria muito grande no hospital daqui. Almeida Lima e Rogério Carvalho, tem quem não goste, mas ambos são tratores para trabalhar e ninguém pode negar”, diz. Ivan até entende os que fazem cara feia para as ações do secretário de Saúde. “A disposição de fazer as coisas funcionarem é muito grande Almeida Lima. E, para isso, é preciso mexer com hábitos antigos. Culturas antigas. E toda vez que se mexe, principalmente na fase inicial, é complicado. É o colocar a cadeira em cima da mesa para arrumar a casa. Mas eu acredito na boa intenção dele. Ele quer arrumar”, diz Ivan.

Ivan Leite: o pessoal gostou do que viu

HIPÓTESE DE O PSDB DEIXAR TEMER
Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o “PSDB sai do governo se Temer for cassado no TSE e recorrer”. Veja de que forma o jornal tratou o assunto. “O PSDB não terá como ficar ao lado de Michel Temer (PMDB) caso o presidente recorra de uma eventual cassação no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ou faça uso de medidas protelatórias no julgamento enquanto a crise política segue aguda. Na avaliação dos tucanos, qualquer um dos cenários ameaça a retomada econômica – e, consequentemente, as chances eleitorais governistas em 2018. De seu lado, Temer cobra do PSDB lealdade, já que o partido passou a semana passada dedicado a elaborar cenários com e sem seus aliados para disputar a eleição indireta decorrente da eventual queda do presidente”.

FHC: reforço da preocupação com a economia

HIPÓTESE DE O PSDB DEIXAR TEMER II
“Esse foi o tom geral da conversa entre Temer e o patrono do tucanato, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em um hotel paulistano na noite de segunda (29). Estiveram presentes também Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) e o senador Tasso Jereissati (CE), presidente interino do PSDB e principal nome do partido para compor chapa, na cabeça ou na vice, no caso de uma eleição indireta. A discussão não incluiu, obviamente, novos passos na Lava Jato, como a perda nesta terça (30) do foro privilegiado de Rodrigo Rocha Loures, homem de confiança de Temer acusado de receber propina em seu nome. FHC reforçou sua preocupação com a economia, que acabou ancorada na expectativa criada pelo próprio Planalto de que a aprovação de reformas como a da Previdência seria vital para garantir a saída da recessão”.

ETC&TAL
@ Luciano Bispo estima entre três e quatro meses o tempo que vai levar para que uma comissão lhe informe como e quando será o concurso e quantos serão os contratados pela Alese.

@ “Ainda não tem noção de quantos serão. O que me chama a atenção que é um Poder que nunca fez concurso antes”, diz Luciano.

@ A Embrapa Tabuleiros Costeiros – Aracaju, SE – está entre as Unidades da Embrapa com maior número de projetos de pesquisa aprovados na última chamada do competitivo Sistema Embrapa de Gestão – SEG.

@ Dos 14 projetos submetidos, foram aprovados 11 – uma taxa de sucesso de 80%, bem acima da média de 50% das 46 Unidades da empresa no Brasil. A pesquisa agropecuária em Sergipe está bem na fita.

@ Jackson Barreto garantiu ontem R$ 30 milhões para sistemas de abastecimento de água. Recursos virão da Caixa e vão beneficiar 40 mil pessoas em todo o Estado, com ênfase nos municípios do Alto Sertão.

@ “O financiamento é para todo o Estado, mas a prioridade são os municípios do Alto Sertão. Saímos animados do encontro. Assim que a caixa liberar, iniciaremos a licitação para começarmos a implantação no segundo semestre”, diz o diretor da Deso, Carlos Melo.

@ Durante audiência com Gilberto Occhi, Jackson Barreto foi informado de que a Caixa Econômica destinará R$ 200 mil, por meio de patrocínio, para o Arraiá do Povo.

@ A propósito de renovação dos quadros políticos de Sergipe, tema tratado aqui nas duas últimas colunas, o leitor Adalberto Vasconcelos Andrade escreve o seguinte:

@ “Valadares Filho e Fábio Henrique serão os futuros comandantes da capital e do Estado de Sergipe”.

@ E prossegue: “É só uma questão de tempo. E não vai demorar. Depois dos 70 anos, a velha guarda já esta à procura do pijama”, amplia o leitor.