Chega de Lula, de Lava Jato e desta ópera-bufa!

Por Jozailto Lima
10 maio 2017, 23h06

Esta novela entre Luiz Inácio Lula da Silva, o Ministério Público Federal e o Judiciário brasileiro está se encaminhando para uma ópera-bufa, apesar do muito de trágico que há nela e dos prejuízos para o povo brasileiro.

Ontem, o Brasil foi exposto a mais uma pirotecnia desse caudilho que um dia construiu um PT que anunciava salvar o Brasil, eliminar a pobreza e levar a nação ao primeiro dos mundos.

Pelo que se articulou nas últimas duas semanas, Curitiba era pra ser cenário de uma batalha campal pelo santo nome dele. Uma batalha na qual, na tora e na cara dura, a militância petista salvaria Lula das garras do perverso e do aloprado, que é no que a agora “direitada” do PT quer converter o juiz Sérgio Moro.

Mas no que resultou o depoimento de Lula? Em nada? E a que serviram as ruas de Curitiba? Também a quase nada, exceto a uma manifestaçãozinha do MST, da CUT de sempre e de alguns gatos pingados endeusadores do eterno caudilho patrimonialista.

Os gatos pingados que são os mesmos que deram plantões na porta da Papuda, pedindo a liberação de Zé Dirceu. Apesar do eufemismo populista da defesa de Lula, que saiu da audiência celebrando uma “comprovada inocência de Lula”, na nota cínica do advogado Cristiano Zanin.

“O balanço sobre esta colheita é zero. Quando se vai ao registro de imóveis o proprietário (do tríplex) é a construtora OAS. Quando se vai ao condomínio, também. Quando se vai aos autos o apartamento 164-1A é de propriedade da construtora”, gargalhou o advogado José Roberto Batocchio.

Claro: em depoimento, estava o personagem mais escapista e mentiroso da história da literatura política nacional. Pelos trechos revelados em vídeos, o depoimento de Lula não foi um milímetro além das bravatas que ele tem feito em sonolentas entrevistas coletivas concedidas quando se sente acuado.

Ali, em depoimento ao juiz Moro, a culpa pelo aquisição “jabazada” de um triplex à OAS virou, na versão do eterno Lula que não assume nada, uma culpa da companheira morta, a dona Marisa Letícia. Deu-se a “colheita zero”.

Aliás, armar circo para ouvir Luiz Inácio Lula da Silva é expor o Judiciário ao ridículo. É pedir para chegar a lugar nenhum. Ele é regido pela mentira como se ela fosse a essência do seu ser. Há meios no judiciário e há digitais suficientes nas ações praticadas por ele e pelo PT para dar um basta nessa ópera-bufa.

O Brasil não pode é ser arremessado ladeira abaixo, como está aí, com 14 milhões de desempregados, sem futuro, apenas por receio do suposto poderio popular que tenha um tresloucado caudilho que deu início a tudo isso ainda no primeiro mandato, quando inventou o Mensalão.

Sem que os insanos venham de Jair Bolsonaro e de lembranças do poderio dos militares em punho, é preciso que a sociedade brasileira organizada se toque de que o destino de uma nação não pode estar a reboque de um caudilho de gestos e atos duvidosos. Com extremo respeito à democracia, chega de Lula, de Lava Jato e desta ópera-bufa!

BENEDITO, A POLÍTICA E O MILHARAL
Para Benedito Figueiredo, secretário de Estado de Governo, a política é como um plantio de milho. Exige cuidado com as etapas. Passa por diversas fases: no caso do milho, é preciso arar a terra, plantar, tratar, até finalmente dar a espiga e a colheita. “Na política atual, a primeira das fases é a legislação eleitoral, que deve ser votada em outubro desse ano e definirá como se dará o financiamento, por exemplo”, pontua. Mas não é só isso.

MUITA COISA ANTES DE 2018
“Haverá coligação? Lista fechada? Quem decide a lista fechada? Os caciques ou a convenção? Até dia 3 de outubro, tem que definir também quem se filiará. Em abril, os candidatos que exercem cargos majoritários, como Jackson Barreto, terão que renunciar, e junto a essa renúncia, vem a definição de modificações na chapa”, explica. E continua: “Até julho, ocorrem as convenções partidárias que escolherão os candidatos majoritários. Ou seja, existe uma série de questões a ser decidida antes de se falar em 2018. Na verdade, se precipitaram, porque a eleição é em outubro de 2018”, ressalta.

Benedito Figueiredo: território complicado e novas as regras

LAÉRCIO DEFENDE REFORMA TRIBUTÁRIA
O governo federal iniciou essa semana a montagem de um grupo de trabalho que será responsável por apresentar uma proposta de Reforma Tributária, com representantes dos Ministérios da Fazenda, Planejamento e Casa Civil. A ideia inicial é apresentar proposta no segundo semestre de 2017, após a tramitação da reforma da Previdência.
O deputado federal Laércio Oliveira falou em reunião, ontem, com presidentes das Confederações da Indústria, Comércio, Transporte, Financeira e da Agricultura que pretende acompanhar de perto esse grupo de trabalho para defender temas importantes, como a isenção total de tributos de toda a cadeia alimentar, medicamentos e livros.

Laércio Oliveira: e o apoio às Confederações

E SERÁ CONTRA AUMENTO DO PIS/COFINS
Laércio Oliveira também será contra o aumento do PIS/Cofins para o setor de serviços, que pode gerar a demissão de 2 milhões de pessoas. “A proposta de Reforma Tributária é antiga. Praticamente todos os governos desde a redemocratização discutiram ou aprovaram, em alguma medida, propostas nessa linha. No início do governo Temer foi definida uma agenda de reformas que envolvem mudanças nas regras trabalhistas, previdenciárias e tributárias. Esta seria a ordem de tramitação e discussão de propostas e o objetivo do governo seria finalizá-las até o início do período eleitoral de 2018”, informou Laércio. O parlamentar acrescentou que o deputado Luiz Carlos Hauly, especialista no assunto, foi escalado como responsável por elaborar uma proposta.

QUEM GANHAR GOVERNO, FAZ SENADORES
O ex-deputado federal Heleno Silva, PRB, está entre os governistas que acreditam que “Jackson Barreto é candidato ao Senado” ano que vem. “Ele vai passar o governo para Belivaldo Chagas. E acho que quem ganhar o governo elege os dois senadores. Está é minha visão”, afirma, sem fechar questão sobre quem, enfim, “ganhará o Governo”. “O PRB aceita indicar o segundo nome na chapa”, reforça Heleno. Isso está dentro do planejamento deles, de ocupar espaços com candidatura de vice-governador ou de senador.
André Graça está construindo um Parlamento forte em Estância

Heleno Silva: quem ganhar o governo elege os dois senadores?

ESTÂNCIA: CÂMARA X COMUNIDADE
A Câmara Municipal de Estância encontrou um modo próprio de se aproximar mais da comunidade e o fez através da Escola do Legislativo. Atualmente, estão em andamento cursos de Informática Básica, Redação Oficial, Gestão e Tecnologia de Documentos para 116 alunos estancianos. O próximo dia 18 começará o curso de Dicção e Oratória, em parceria com a Fundação Ulysses Guimarães. Aí serão ofertadas mais 100 vagas. Todas estas ações, e mais outras da gestão do Legislativo, estão disponíveis no Portal da Transparência, exibido no site da própria Câmara. “O nosso desejo é fazer uma gestão transparente, colocando à disposição do contribuinte todas as informações que dizem respeito às contas da Câmara”, diz o presidente André Graça, PSL.

“ESTA CRISE VAI PASSAR”
O empresário José Augusto Vieira, do Grupo Maratá, é um grande observador das cenas política e econômica do país. Mas, discreto e gerador de quase seis mil empregos, ele prefere não emitir conceitos e nem entrar em bola dividia. “Eu confio no Brasil, no povo brasileiro, e sei que toda esta crise vai passar”, diz José Augusto. Abrir novos negócios agora, no entanto, não está nos planos dele. “É preciso muita vigilância para manter os negócios ativos abertos”, diz.

A FORÇA DO PODER ONLINE
Ontem, às 17h18, o JLPolítica soltou um pequeno banner anunciando a entrevista do prefeito de Estância, Gilson Andrade, a ser postada no próximo domingo, 15. “Gilson Andrade – uma nova Estância em duas frentes: no turismo e na indústria”, dizia o texto. A comunicação foi disparada para 899 pessoas que compõem 10 listas de transmissão do JLPolítica. Às 17h18, portanto apenas uma hora depois, 103 pessoas haviam se manifestado, sempre em positividade ao texto, referendando o conteúdo que virá do prefeito. Um exemplo vem de Maria das Graças de Lima, uma itabaianense bacharel em Administração em Recursos Humanos. “Não tenho dúvidas em relação ao político, porque Estância está abandonada há anos. As praças dão vergonha, e entra prefeito e sai prefeito e ninguém faz nada. Eu fico triste de sentir o descaso quando chego em Estância. Ela foi a primeira cidade em que morei em Sergipe. Uma boa parte da minha infância foi lá. Era gostosa de morar. Se o prefeito Gilson Andrade diz que vai dar atenção ao desenvolvimento turístico ao industrial, que bom”, diz Maria das Graças.

MARIA DO CARMO, MULHERES E PESQUISAS
“O Senado debateu bem recentemente a importância da participação das mulheres na ciência e eu estou convencida de que elas são fundamentais e fazem toda a diferença nesse cenário”, disse ontem a senadora Maria do Carmo Alves no Senado, ao destacar o protagonismo das mulheres brasileiras nas áreas de pesquisa, desenvolvimento e inovação. Maria ressaltou que esse crescimento da inserção do gênero na área de pesquisa, desenvolvimento e inovação não lhe causa nenhuma surpresa, considerando que todas as pesquisas apontam que as mulheres são maioria nas instituições de nível superior e maioria, também, entre os que concluem os cursos universitários. “Infelizmente, entre os bolsistas de iniciação científica, no entanto, há uma dura disparidade na distribuição, mas tendemos a avançar”, disse ela.

Carmo Alves: mulheres no poder da pesquisas

ERRAR SEM PERDER A TERNURA
Na secção “Contraponto”, da coluna Painel da Folha de S. Paulo de ontem, com o título de “Errar sem perder a ternura”, esta historieta que é a cara daquela outra do “morreu pra você filho ingrato, porque para mim permanece vivo”. Leia
“Na noite do último dia 20 de abril, o presidente Michel Temer desembarcou em São Paulo para ter uma conversa com o dono do SBT, Silvio Santos. Queria pedir ajuda para falar sobre a reforma da Previdência.
Percorreu o bairro do Morumbi, chegou ao endereço, parou e entrou. Deu de cara com o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, de quem é amigo. Pouco depois, viu que a mulher do empresário, que fazia aniversário, e o restante da família também estavam no local.
— Não podia deixar de passar para dar um abraço — disse. Dias depois, telefonou a Skaf e confessou: havia descido no endereço errado”.

ETC&TAL
@ Na manhã de ontem, 10, o presidente da Câmara de Estância, André Graça, participou de reunião com o superintendente do Incra em Aracaju, juntamente com o prefeito Gilson Andrade. Eles discutiram a viabilidade de recurso para a construção de um mercado da agricultura em Estância.

@ O plenário da Câmara de Estância teve de ser ampliado para comportar o aumento de três vereadores. Eles foram de 12 para 15.

@ Jackson Barreto está concentrando muito sua agenda de governador no interior do Estado. Ontem ele esteve em Poço Redondo e Canindé.

@ O Governo tem assinado Termo de Adesão ao Fundo Garantia Safra, entregado títulos de regularização fundiária a agricultores familiares e distribuído material forrageiro para os pequenos produtores no enfrentamento à seca.

@ Em Poço Redondo, foram beneficiados 702 produtores rurais, que receberam 604,2 toneladas de silagem de milho, e em Canindé, onde teve início a distribuição de 307,9 toneladas de material forrageiro a 368 produtores rurais.

@ Hoje, Jackson desdobra esta ação sobre os municípios de Porto da Folha e Monte Alegre. Ele entregará títulos de regularização fundiária a agricultores familiares e distribuirá material forrageiro para os pequenos produtores.

@ Só em material forrageiro, foram R$ 804.223,04 investidos para beneficiar 1.166 produtores com 1.073,9 toneladas de silagem de milho nos dois municípios.