Edvaldo: “Só não discuto sucessão com Valadares”

Por Jozailto Lima e Tanuza Oliveira
07 ago 2017, 22h50

O prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, PCdoB, não gostou muito dos rumos que ganharam algumas palavras suas ditas num programa de rádio sobre a sucessão estadual do ano que vem.

Em entrevista ao JLPolítica na manhã de ontem, quando voltava de uma viagem particular a Alagoas, Edvaldo explicou que, na verdade, não fez qualquer aceno de união com a oposição visando 2018, com uma composição com o senador Eduardo Amorim, PSDB, ou com o deputado federal a André Moura, PSC.

Muito menos teria interposto quaisquer obstáculos em marchar com uma eventual candidatura de Belivaldo Chagas, PMDB. “Não falei nada disso”, avisou ele.

“O que disse foi que, embora o candidato, até então, seja Belivaldo Chagas, precisamos discutir o nome dele. E que o comandante do processo é o governador Jackson Barreto. Se o governador achar por bem abrir a discussão, vai abrir. E eu acho ótimo, porque, em política, quanto mais ampliar o debate, melhor”, esclarece Edvaldo.

“Me perguntaram se poderíamos discutir nomes como os de Eduardo Amorim e André Moura. Eu disse que o comandante do processo é o governador Jackson Barreto e que achava que na política tudo pode de ser discutido. Porque acho que quanto mais ampliar, melhor”, diz Edvaldo.

Edvaldo ressalta ao JLPolítica que, de fato, só não sentaria para planejar a sucessão com os Valadares – restrição que ele não fez durante a entrevista de rádio.

“O meu lado é onde estamos todos. Só não toparia sentar para discutir sucessão com Valadares, em virtude da discussão que tivemos durante a campanha para prefeito de Aracaju no ano passado”, diz ele.

Para Edvaldo, se ele e os Valadares se dessem as mãos no debate da sucessão de Governo a partir de agora não haveria compreensão pública. Não teria como render qualquer entendimento, pondera. “Não faz nem sentido”, completa. Mas tudo isso Edvaldo diz com a noção de quem entende “estar cedo falar em eleição, em composição de chapa”.

Apesar disso, garante que, particularmente, está satisfeito com o nome de Belivaldo, e aposta nele como opção do seu bloco. “É um bom nome: é vice-governador, já assumiu o Governo diversas vezes, mas a chapa majoritária precisa ser discutida”, reitera.

Edvaldo assegura que o conceito que tem de Belivaldo é o melhor possível. “É extraordinário”, diz. “Ele tem uma característica muito importante, que é a de ser leal, e mostrou isso quando rompeu com Valadares para ficar no nosso bloco. Ele mostrou lealdade não a pessoas isoladamente, mas a um projeto. E isso pra mim é importante”, complementa.

Ainda sobre Belivaldo, o prefeito de Aracaju define o vice-governador como alguém de capacidade agregadora muito grande. “Sempre foi uma pessoa que teve capacidade de fazer amigos. É um conciliador. Nesse sentido, é até muito parecido comigo”, compara.

“Mas insisto: não é momento ainda de discutir sucessão estadual. Pessoalmente, acredito nisso. Qualquer partido tem o direito de fazer (esse tipo de análise precoce), mas eu tenho que cuidar de Aracaju. Até pela situação que peguei o município”, ressalta.

Edvaldo está se referindo à dívida encontrada de R$ 540 milhões, da qual, segundo ele, R$ 180 já foram pagos. “E ainda temos mais de R$ 300 milhões de dívidas em médio prazo. A Prefeitura estava completamente desestruturada. Então não tem porque discutir eleição agora. É queimar etapa, gastar energia à toa”, reforça.

Edvaldo afirma que não acredita que haja gente demais disputando cargos majoritários de menos no bloco de JB. “Essa disputa por espaços é um direito legítimo de todos. Todo mundo tem o direito de colocar seu nome à disposição. É preciso discutir. O único que está livre disso é Jackson para senador, cujo nome eu apoio de olhos fechados”, diz.

Mesmo com Jackson negando espaços ao PCdoB no secretariado dele? “Sim. Não vou fazer tensionamento com esse fato. É muito pequeno. Solicitamos espaço. Pensamos, antes da indicação de Gama, na Secretaria de Cultura, quando ela estava vaga. É da minha natureza reivindicar participação, mas não mato nem morro por isso”, destaca. Mas o pedido do PCdoB continua ativo, viu, JB?

Fábio Henrique: ampliando o poder de atração de Sergipe


COMITIVA DO TURISMO EM RIBEIRÃO PRETO

No último fim de semana, uma comitiva sergipana esteve em São Paulo para uma feira de turismo. O evento aconteceu no interior do Estado, na cidade de Ribeirão Preto, e contou com a participação de Fábio Henrique, secretário de Estado do Turismo; Daniela Mesquita, presidente da ABIH Sergipe; Alan Barreto, diretor de Turismo, servidores da Emsetur e vários hoteleiros e receptivos. Segundo Fábio Henrique, como é voltada para agentes de viagens, a feira pretende trazer muito retorno para Sergipe, já que aquela região do interior do Estado de São Paulo é a segunda maior emissora de turistas para Sergipe – perde apenas para a Bahia. “Com a capacitação, eles vão vender melhor o destino Sergipe”, acredita Fábio.

Iokanaan Santana: audiência com Fábio Mitidieri

IOKANAAN TEM AGENDA EM ARACAJU
O prefeito Iokanaan Santana, PSB, esteve em Aracaju nesta segunda-feira, 7. Ele se reuniu com o deputado federal Fábio Mitidieri, a fim de traçar estratégias para sair na frente contra algumas críticas que começam a aparecer no município com relação ao esporte e ao patrimônio imóvel da cidade. O prefeito também pretendia se reunir com o governador Jackson Barreto. “Mas não se trata de acerto político”, disse o prefeito. E se trata de que, então? “De procurar saber se o Governo dará atenção ao município em detrimento da questão partidária”, diz Iokanaan.

Antônio Bittencourt: gato e rato com Emília Corrêa


BITTENCOURT E OS MAUS EXEMPLOS?

A coluna vê como, no mínimo, incoerentes as atitudes do vereador Antônio Bittencourt, PCdoB, líder do Governo na Câmara. Ele é professor e ex-coordenador de Direitos Humanos da Secretaria de Estado da Inclusão, da Mulher e dos Direitos Humanos, de onde saiu no ano passado, quando se candidatou. No entanto, vive envolto em acusações de machismo por parte da vereadora Emília Corrêa. Esse tipo de postura já é inapropriada para qualquer pessoa, imagine para alguém que tinha a função de primar pelos direitos humanos e de quem, como vereador, deve prezar pelo cumprimento às leis… Mas Bittencourt prefere achar que sua prática não tem nada de machista e que Emília Corrêa é que se faz de vítima. Será?

Almeida Lima: sob a mira do prefeito Negão


MAIS UMA MORTE NAS COSTAS DO SISTEMA

O prefeito de Carira, Negão, anunciou que processará a Secretaria de Estado da Saúde pela morte de um adolescente de 16 anos em decorrência da falta de ambulância para o transferi-lo para Aracaju. O jovem acabou morrendo no hospital do município. Almeida Lima, o secretário de Saúde, certamente não esperava por essa. Mas em se tratando de saúde, esperar é um verbo que não deve fazer parte do vocabulário. E, admita-se, Almeida Lima vem esperando demais para fazer o que prometeu, que era mudar a cara da saúde pública em Sergipe.

Clovis Barbosa: reparando danos na imagem de Valadares


CLOVIS VOLTA ATRÁS E SALVA VALADARES

Em nota bastante repercutida neste final de semana, o presidente do Tribunal de Contas de Sergipe, Clovis Barbosa, excluiu o senador Antônio Carlos Valadares, PSB, da relação dos culpados pelo rombo da Previdência de Sergipe, onde o havia colocado na semana passada, durante uma entrevista. “Gostaria de reparar uma injustiça que cometi contra o senador Valadares. Em entrevista ao radialista Gilmar Carvalho na última sexta-feira, ao ser inquirido sobre os responsáveis pela crise da previdência no Estado de Sergipe, afirmei que eram os ex-governadores João Alves, Valadares e Albano”, diz a nota.

CLOVIS VOLTA ATRÁS E SALVA VALADARES II
E Clovis afirma mais: “Na verdade, a lei que excluiu o Estado do recolhimento da parte patronal foi aprovada no segundo governo de João Alves, se estendendo por quase 16 anos (4 anos de João, 8 anos de Albano e mais 4 anos de João). Peço desculpas ao senador, pois, pensava que essa lei teria sido aprovada ainda no primeiro governo de João”, finaliza o texto. Vavazão fez questão de enviar a nota para toda a imprensa e em grupos de whatsapp. Certo ele.

ESTADO: USO DE IMAGEM QUESTIONADA
O suplente de vereador Hebert Pereira, Rede, ajuizou uma ação popular contra o Estado de Sergipe, pedindo a suspensão do uso da logomarca da gestão do governador Jackson Barreto na publicidade institucional. Segundo Hebert, os símbolos oficiais que identificam Sergipe são o brasão e a bandeira. “E estes estão sendo ilegalmente substituídos na comunicação institucional do Estado por uma marca criada pelo governador Jackson Barreto para a sua promoção pessoal e do seu partido, o PMDB, através do uso de cores idênticas”, diz Hebert.

Hebert Pereira: briga dura contra o Estado, em favor do brasão


ESTADO: USO DE IMAGEM QUESTIONADA II

Na última quinta, 3, a juíza Christina Machado, da 18ª Vara da Fazenda Pública, rejeitou o pedido liminar de suspensão imediata do uso da logomarca e deu o primeiro impulso no processo, mandando intimar o Estado de Sergipe para se manifestar acerca da ação. “Apesar da rejeição do nosso pedido de suspensão imediata do uso dessa marca, temos a confiança de que, ao final, o processo seja julgado procedente, pois a publicidade institucional do governo tem que ser impessoal e não pode, nem indiretamente, conter cores, desenhos ou slogans que possibilitem a promoção pessoal do governante e do seu partido”, afirma Hebert.

Ivan Leite: novas eleições agora é algo inconstitucional


ESTÂNCIA INAUGURA PRAÇA DA JUVENTUDE

Na tarde desta segunda-feira, 7, a juventude estanciana recebeu da Prefeitura uma Praça Esportiva, obra iniciada na gestão do ex-prefeito Ivan Leite e concluída na de Gilson Andrade. Ela foi feita com um investimento superior a R$ 700 mil, provenientes do Ministério das Cidades, por meio de emenda parlamentar do então deputado federal Albano Franco. O empreendimento leva o nome de Praça da Juventude e Turismo Carlos Henrique Alves Silveira e fica no bairro Santa Cruz.

LULA NÃO MERECE
HOMENAGENS DE SERGIPE

 [*]Geraldo Soares Barreto

Como cidadão e como sergipano, ando chocado e envergonhado com as homenagens que serão prestadas a Lula em Lagarto, Estância e não sei mais aonde.

Geraldo Soares Barreto: será pelos 14 milhões de desempregados?

Qual o motivo? Será pelo cinismo, pela capacidade de mentir, passando por bonzinho depois de montar uma estrutura de roubo que destruiu o país, levando-nos a 14 milhões de desempregados?

Será por que conseguiu destruir a Petrobras, os Correios, a saúde e a educação do País? Ou será por que montou um grupo de seguidores que destruiu a economia de alguns Estados como Sergipe, Rio de Janeiro e outros, onde salários não são pagos, prestadores de serviços não recebem?

Será que esta admiração por Lula é pelo fato de ele apoiar, defender e incentivar regimes ditatoriais, violentos e comunistas, como os de Cuba e agora o da Venezuela?

Além de lastimável e de nos exigir compaixão pelos nossos irmãos venezuelanos, a ação de Maduro acabou com a farsa: Lula, o PT e todos os seus apoiadores e seguidores são comprometidos com sistemas de Governo ditatoriais e consequentemente violentos, desde que os beneficiem com poder e dinheiro.

[*] É engenheiro
agrônomo e pecuarista.


 ETC & TAL
@ O prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, esteve em Alagoas no fim de semana. Ele foi acompanhar a mulher, Danusa Silva, numa prova de triátlon – modalidade na qual ela compete.

@ “Foram 1.900 metros nadando, 25 km correndo e 90 km de bike”, diz Edvaldo, orgulhoso. “Fui como staff, como suporte”, brinca.

@ Por falar em correr, a Prefeitura de Aracaju, através da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito – SMTT -, criou quatro novas linhas de ônibus.

@ São elas: a 902 – Conjunto Maria do Carmo/ Loteamento Carajás, 408.2 Paraíso Sul/DIA, 412 – Circular/DIA e a 603 – Orlinha/Mercado.

@ Da professora Wilma Ramos, que, além da língua portuguesa, também se liga em política – isso depois de ler a Reportagem Especial do JLPolítica sobre o empobrecimento de Sergipe: “Jackson Barreto destruiu Sergipe e ninguém faz nada”.

@ Do jornalista Carlos Magno, ainda sobre a Reportagem Especial. desta semana, que traz uma análise da economia sergipana a partir do Anuário Socioeconômico de Sergipe de 2017:

@ “Muito boa a reportagem, e quem melhor resume as causas dessa situação é o deputado Georgeo Passos. Foi mesmo uma década perdida sob a égide petista”.