Laércio: “Vivo os dias mais felizes da minha vida”

Por Jozailto Lima
31 mar 2017, 00h01

Sim, é isso mesmo. “Vivo os dias mais felizes da minha vida” é frase do deputado federal Laércio Oliveira, SD. Dita assim por ele, tem a intenção de afastar as teses que o colocam no centro de um inferno astral desde que aderiu ao grupo de governador Jackson Barreto, PMDB.

A tradução do “vivo os dias mais felizes da minha vida” é vastíssima, segundo a lente do próprio Laércio, e em nenhum momento ele consegue encaixar nela as teorias do caos. A ver:

1 – Tem tido, no Governo do Estado, mais condições de ajudar a resolver os problemas reais das pessoas;

2 – Consegue ter uma interlocução diária, justa e respeitável com Jackson Barreto, que foi quem lhe atraiu para o bloco;

3 – É bem tratado pelos secretários de Estado, diretores de órgãos públicos e seus assessores, ao lado de quem acha que pode fazer “muito mais e melhor pelas demandas do Estado, que são tantas”;

4 – Está vivendo muito bem com os colegas governistas na Câmara Federal e na Assembleia Legislativa. É isso mesmo?

“Eu ampliei muito o meu leque de relacionamento no bloco, e isso tem me dado muita satisfação. Estou empolgadíssimo”, diz. Será que Laércio Oliveira estaria alheio a eventuais perigos de frituras e vivendo num mundo encantado?

Ele parece bem dono dos seus convencimentos e convicções, e acha que não está sob risco nenhum. Mas não desconhece, por exemplo, o mau-humor do PRB.

“Quando os deputados Jairo de Glória e Jony Marcos, e o pastor Heleno Silva, dizem a um só tempo a mesma coisa sobre mim, alegando que cheguei agora e já quero sentar na janela, devo entender o combinado da ação entre eles para criar fatos, porque Heleno quer ser candidato ao Senado. É do jogo da política”, diz Laércio.

“Quando Fábio Mitidieri se irrita comigo porque fui falar com o senador Valadares, eu só devo reconhecer que entre eu e ele há um estilo infinitamente diferente. Eu falo com todo mundo. Por que eu vou brigar com o senador?”, questiona Laércio.

O parlamentar do Solidariedade, em sua visão de “dias felizes” não acolhe como verdadeira nem a história de que Fábio Reis, João Daniel, Fábio Mitidieri e Jony Marcos estão tramando a tomada da Coordenação da bancada de Sergipe no Congresso de seu controle.

“Eles já me disseram que isso não procede. Me afirmaram que a reunião desta quarta-feira não tinha nada ver com Coordenação da bancada. Era mesmo para discutir o problema do milho a ser distribuído pelo Governo Federal. E, depois, a Coordenação se toma é no voto”, avisa o deputado.

Para Laércio, talvez os que lhe veem num inferno astral estejam a querer dar passos por ele em um situação que, lógico, só cabe a ele mesmo decidir. “Meu projeto é o de concentrar ações para o cumprimento do meu mandato de deputado federal e pensar na reeleição”, diz.

“Não tenho nenhuma obsessão por campanha majoritária, que talvez incomode a alguns. Mas estou no grupo, quero contribuir para a sua unidade e se houver consenso por meu nome em qualquer posição na chapa majoritária estou à disposição”, diz ele. Do mesmo modo que à disposição estão os pregoeiros de que ele está mal onde se encontra.

FÁBIO E ANDRÉ BUSCAM RECURSOS
Ontem pela manhã o deputado federal Fábio Reis, PMDB, esteve no ministério do Planejamento ao lado do líder do Congresso, deputado André Moura, PSC. “A pedido do governador Jackson Barreto, solicitamos ao ministro Dyogo Oliveira a liberação de recursos para duas grandes obras: o viaduto que ligará Tancredo Neves a Coroa do Meio, em Aracaju, e a construção da sede da Justiça Federal em Lagarto”, disse Fábio. “Em Aracaju, teremos uma das maiores obras de mobilidade urbana dos últimos tempos, com uma melhoria substancial do fluxo do trânsito na capital sergipana. Em Lagarto, a Justiça estará mais perto da população e poderá oferecer serviço de melhor qualidade”, disse Fábio.

REINALDO E ASCENÇÃO DO FILHO
O ex-deputado estadual por seis mandatos, Reinaldo Moura, pai do deputado federal André Moura, observa com atenção a movimentação e a ascensão política do filho e diz que se sente contemplado com o desempenho dele tanto no plano nacional quanto no local. “Eu acho que ele está acertando muito mais do que está errando”, diz Reinaldo aos 73 anos, conselheiro aposentado do TCE e suplente de deputado estadual. No campo dos acertos, por exemplo, Reinaldo coloca até as interlocuções recentes com o governador Jackson Barreto. “Andar junto com Jackson em questões de Brasília é andar junto dos interesses de Sergipe. Na condição de líder do Governo no Congresso Nacional e Jackson de governador, eu acho que eles estão no caminho certo. Agora, uma unidade política partidária de ambos, eu não apoio”, disse Moura.

ANDRÉ MOURA MIROU OS PASSOS DO PAI
Os espaços que André Moura construiu com apenas dois mandatos de deputado federal de 2010 para cá apresentam uma semelhança muito forte com os caminhos traçados pelo pai Reinaldo Moura durante os seis mandatos na Assembleia Legislativa. Ali, Reinaldo presidiu o Legislativo, foi líder de Governo e articulou como poucos parlamentares sergipanos. O pai, portanto, foi uma escola para o filho. Aliás, André começou a vida pública nos anos 90 em funções burocráticas da Alese à sombra dos mandatos do pai. No meio daquela década, ele deu sinais de que deveria disputar um mandato eletivo. “Ele viveu nisso. Eu só poderia fazer dele vereador de Aracaju ou prefeito de Pirambu. Ele optou por disputar a Prefeitura”, relembra Reinaldo. Hoje, pai e filho tem uma boa interlocução política. Mas o Reinaldo age com ponderações. É pouco invasivo. Segundo Reinaldo, se ele sair dando conselhos a todo instante em coisas simples, quando chegar uma situação de maior significação a interlocução pode estar truncada. “Deixo-o à vontade e cuido dele à distância”, diz Reinaldo.

LUTA CONTRA REFORMAS DE TEMER
Unidade é a palavra de ordem do Dia Nacional de Luta Rumo à Greve Geral, convocado pelas centrais sindicais, a Frente Brasil Popular e o Povo Sem Medo. Em Sergipe, a luta contra os projetos do Governo Temer, que são considerados lesivos à classe trabalhadora, unificaram a CTB-SE, CUT-SE, UGT-SE e Conlutas, os sindicatos filiados às centrais, a Frente Sergipana Brasil Popular e os movimentos sociais. Juntos, eles farão uma manifestação no Centro comercial de Aracaju. A concentração será na Praça General Valadão, hoje, 31, a partir das 15 horas, seguida de um ato público e uma caminhada.

LUTA CONTRA REFORMAS DE TEMER
“Vamos dizer não ao desmonte da Previdência Social, não à reforma trabalhista e não à terceirização irrestrita”, afirma Edival Góes, presidente da CTB-SE. “Enquanto o governo Temer insistir em retirar direitos e conquistas dos trabalhadores e mantiver essa política lesiva ao povo brasileiro, nós não sairemos das ruas”, alerta o dirigente sindical. As entidades passaram a semana organizando o processo de mobilização de suas bases, convocando trabalhadoras e trabalhadores urbanos e rurais a participarem do protesto, que será o primeiro rumo à greve geral que está sendo convocada para o dia 28 de abril.

CAI CPI E MAIORIA SE CONSOLIDA
A rejeição por maioria absoluta dos vereadores da proposta de CPI do Lixo mostra a consolidação da base governista de Edvaldo Nogueira na Câmara de Aracaju. Até mesmo dois dos nove vereadores que haviam assinado o pedido de abertura da comissão mudaram de posição e votaram contra na sessão de ontem, quinta-feira (30). Fábio Meireles (PPS) e Vinicius Porto (DEM) foram os parlamentares que mudaram de voto.

“CPI SERIA PALANQUE”
Para o líder do governo no parlamento municipal, vereador Antonio Bittencourt, a criação de uma CPI neste momento atenderia apenas ao interesse político-eleitoral da oposição, não tendo utilidade objetiva, uma vez que o Ministério Público, a Polícia Civil e a Justiça já estão investigando o caso. “A CPI do Lixo seria, simplesmente, um instrumento de palanque eleitoral para satisfazer interesses externos e internos de pessoas que perderam a eleição e ainda não se deram conta disso, torcendo na perspectiva de enfraquecer a gestão”, diz Bittencourt. O líder da oposição, vereador Elber Batalha, PSB, que foi autor da proposta, nada fala. Mete a cabeça na areia e deixa o traseiro exposto.

INJETANDO R$ 88 MILHÕES 
Nesta sexta-feira, 31, pelo terceiro mês seguido, Edvaldo Nogueira está pagando os salários de todos os servidores, incluindo os inativos e os comissionados, dentro do mês. Este quadro deixou de ser corriqueiro nos últimos 17 meses da gestão do ex-prefeito João Alves Filho, quando os atrasos passaram a ser constantes. Com o pagamento de hoje, R$ 88 milhões estarão sendo injetados na economia local.

ETC&TAL
@ Ainda nesta cantilena de que o PMDB nacional quer tomar o PMDB de Sergipe, há o comentário de que estariam na mesma mira as executivas estaduais de Tocantins e do Paraná.

@ Tem algo estranho na disputa entre Eduardo Amorim e André Moura pelo suposto convite para comandar o PMDB de Sergipe, segundo a executiva nacional.

@ O senador diz que foi convidado pela Executiva, mas que rejeitou e indicou André Moura para a missão.

@ Por sua vez, os aliados de André garantem que se deu o contrário. O deputado teria sido convidado, não aceitou e indicou Eduardo.

@ Houve até quem aconselhasse André a não entrar nessa. Motivos: ele não seria feliz politicamente no PMDB e ainda perderia o mando e a simpatia do PSC, de onde goza de relativo prestígio.

@ Por esta guerra de vaidades, possivelmente o PMDB não saia mesmo das mãos de JB, que canta de galo.

@ Belivaldo Chagas acha que não é problema grave para JB voltar atrás e admitir que disputará o Senado em 2018. Em 2014, JB disse que aquela era a sua última eleição.

@ “Nesta atividade, os políticos não são donos das suas decisões. E de fato há uma convocação insistente para que ele dispute o Senado”, diz Belivaldo.

@ Belivaldo lembra de um exemplo que vem de Simão Dias. O então deputado Abel Jacó disputava eleições dizendo que era sempre a última. Mas depois de eleito, voltava de casa em casa agradecendo e dizendo que os “amiguinhos” estavam lhe convidando a disputar mais uma.

@ O prefeito Edvaldo Nogueira convidou Maria Avilete Ramalho para a Presidência do Aracaju-Previdência. Avilete é economista e funcionária do Banese há 35 anos.

@ Juízes sergipanos já receberam mais de R$ 100 milhões de auxílio moradia. Esta informação foi divulgada ontem pelo Sindijus-SE.

@ É um valor muito alto, se for levado em conta que apenas 152 magistrados atuam no Poder Judiciário de Sergipe.

@ Engula essa: somente no mês de janeiro deste ano, a Previdência de Sergipe fechou com um déficit de R$ 104 milhões. Esta informação foi a passado a coluna Aparte por Belivaldo Chagas.

@ O prefeito de Graccho Cardoso, Cassinho da Quixabeira, disse ao presidente do PSB, Valadares Filho, que mesmo indo para a base do governador Jackson Barreto, não desconhecerá a importância do partido na sua vida.

@ Ironia: o PSDB de Sergipe vai ocupar a casa de número 4444 na rua Frei Paulo, como sua sede estadual. O presidente, Eduardo Amorim brinca com a situação: “Não tinha no lado ímpar a casa 4545”.

@ Eduardo Amorim assumiu a Presidência do partido sem festa alguma. A turma nacional, composta por Alckmin e Aécio, que passaria por aqui dia 24 deste mês, cortou caminho. Eduardo pensa em fazer um evento para o início de maio.

@ O ex-secretário de Segurança Pública Kércio Pinto saudou com entusiasmo os 20% que Assembleia Legislativa de Sergipe vai destinar a segurança pública dos municípios em suas emendas impositivas.

@ Kércio se refere aos R$ 1,5 milhão das emendas que cada um dos 24 deputados estaduais terá direto a distribuir entre os municípios: 40% para saúde, 40% para educação e 20% para a segurança pública.

@ Kércio manifestou sua opinião via inbox do face depois de assistir no portal JLPolítica ao vídeo deste colunista sobre o tema.

@ Que bom para a decência pública ver tantos conselheiros do TCE do Rio presos. Por trapaças com o dinheiro público.