Os Reis levam a Seplag e JB sossega a todos

Por Jozailto Lima
03 abr 2017, 23h16

O longo impasse entre o governador Jackson Barreto, a família Reis, a Secretaria de Estado da Saúde e a nomeação de Rosman Pereira para a Fundação Hospital de Saúde – FHS – termina às 15h30 desta quarta-feira, com a posse dele como titular da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão do Governo de Sergipe – Seplag – em lugar de João Augusto Gama da Silva, que esteve no posto por três anos e meio.

O governador Jackson Barreto atuou com extrema rapidez e eficácia para aplacar qualquer indício de mal estar com a renúncia de Rosman à Presidência da FHS ocorrida na segunda-feira, 27 de março, e já na sexta, 31, ele tinha chegado a uma conclusão de que deveria repassar à família Reis o comando da Seplag. O acordo foi fechado na noite naquela sexta com uma reunião com Rosman Pereira, Fábio, Sérgio, Goretti e Jerônimo Reis

A posse amanhã vai ser feita dentro de um “ritual de acomodação” que envolve até a presença cronometrada do secretário José Almeida Lima. A intenção é a de passar uma régua em todo o episódio e fazer ver ao Governo, à família Reis e à sociedade que não ficou nenhum rabicho de desconforto.

“E nós estamos de acordo: não ficou mesmo nenhum ressentimento de tudo o que ocorreu”, ajusta o deputado federal Fábio Reis, PMDB. Imprensados por uma determinação do MPF, todos chegaram à conclusão de que a FHS não seria o espaço ideal para a família Reis atuar.

A Seplag não é um supersônico, como seria a FHS se não estivesse garroteada pelo Ministério Público Federal. Esta Secretaria tem anatomia diferenciada, mas é um espaço, como dizem os Reis, onde eles podem prestar o tal do serviço de ajuda ao Estado.

Primeiro, quem a comanda estabelece uma interlocução diretamente com os mais de 60 mil servidores públicos estaduais em sua gama de serviços, necessidades e carências. Tem de lidar, diretamente, com nada menos do que 34 sindicatos dos trabalhadores públicos.

Depois, é da Seplag toda a infraestrutura de Ceacs – Centros de Atendimento ao Cidadão -, tendo inclusive uma ação itinerante que leva os serviços a todos os municípios, em estruturas de escolas públicas, de acordo com a pauta dos prefeitos municipais.

Para além disso, é da competência desta Secretaria a elaboração do orçamento anual do Estado, que fica a cargo do técnico Guilherme Rebouças, e está voltando da Secretaria de Estado da Fazenda para ela o Departamento de Captação de Recursos e Projetos de todo o Estado, uma atividade que, por si só, equivale a quase uma Secretaria de Estado.

Aos 42 anos, Graduado em Administração de Empresas, com especialidade em Recursos Humanos e Gestão de Crise, servidor de carreira do próprio Estado através da Secretaria de Justiça, Rosman Pereira com sua escolha empresta ao Estado e aos políticos do seu grupo a impressão de ser a pessoa certa no lugar certo.

Não soa destoante. De fevereiro de 2015 até 13 de março deste ano, ele esteve na Presidência da Codise, onde teria feito um trabalho de bastante autonomia. “Eu conheço, inclusive, a Seplag. Já trabalhei nela nas gestões de Jeferson Passos, Zezinho Sobral e na de João Augusto Gama. Fui coordenador dos Ceacs”, diz Rosman.

O esforço de Jackson Barreto para mostrar que deste episódio entre SES e FHS, envolvendo a família Reis não ficou nenhuma espécie de sequela, enfim, resultou exitoso. “O governador demonstrou que nos quer dentro do Governo com uma margem considerável de prestígio”, diz o deputado federal Fábio Reis.

GAMA ESTÁ CURIOSO COM A CULTURA, MAS…
O empresário João Augusto Gama deixa a Seplag para Rosman e assume a Secretaria de Estado da Cultura em substituição a Neu Fontes. Garante que não sente nenhum ressentimento por esta mudança. Ele sabe das necessidades de Jackson em acomodar a imensa massa de aliados. “Cultura é uma área que, modéstia à parte, tem tudo a ver comigo”, diz. Na juventude, Gama teve ligação com o teatro sergipano, é um sujeito que gosta muito da cultura, lê muito e tem apreço pela área. Ele admite, no entanto, que está ansioso com a dinâmica do setor. “Estou curioso para saber o que eu posso fazer”, avisa. No cumprimento desta curiosidade, Gama admite que não vai abrir mão de Neu Fontes, que faz um bom trabalho como secretário. Os dois são amigos de almoços semanais. “Eu vou precisar muito de Neu”, diz Gama.

Gama: fica com Neu

ITV QUER REORGANIZAR O PSDB
O presidente do Instituto Teotônio Vilela – ITV -, Herbert Pimenta, está animado com as atribuições da instituição. “Nossa principal meta será a de realizar estudos sobre o nosso Estado, que anda muito mal quando o assunto é gestão pública. Infelizmente, não tem uma área do Estado que seja digna de aplausos”, diz Herbert. O ITV é o braço não só de estudos, como de formação política do PSDB. “Também vamos ajudar o novo presidente do PSDB, Eduardo Amorim, a reorganizar o partido”, diz. Herbert é um jovem advogado, afirma que não pensa em candidatura imediatamente, como agora em 2018, mas não descarta projetos para o futuro.

EDUARDO AMORIM E AS COMISSÕES
O senador Eduardo Amorim, PSDB, tem uma atuação reconhecida nas Comissões do Senado Federal. Já obteve o reconhecimento da Revista Veja e por especialistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ – por ter atuado com perspicácia nas principais pautas. Em 2017, o parlamentar optou por concentrar o seu trabalho nas comissões de Direitos Humanos e Legislação Participativa – CDH -, Assuntos Sociais – CAS – e Agricultura e Reforma Agrária – CRA. Eduardo participa, ainda, das discussões da Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania – CCJ -, mas como suplente.

SAMUEL BARRETO E A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA
A SSP informou ontem que houve uma redução de 19,8% nos homicídios sergipanos neste primeiro trimestre de 2017. Segundo a SSP, no mês de março, os registros diminuíram de 111 ocorrências para 85 na comparação com 2016. Depois dos dados revelados, o deputado estadual Samuel Barreto, que é capitão a PM, tirou uma casquinha. “Vivemos em um momento da banalização da vida humana e ter resultados apontando a queda da violência é muito positivo. Isso mostra que estamos no caminho certo e que precisamos seguir em frente”, disse ele.

PROGRAMA MÃO AMIGA CITRICULTURA
Nesta terça, 4 de abril, o Programa Mão Amiga Citricultura vai contemplar a mais três municípios sergipanos – Lagarto, Riachão do Dantas e Umbaúba – e encerrar as capacitações desta edição do programa. O evento contará com a presença do governador Jackson Barreto. Os seminários estão sendo realizados em todos os 14 municípios com agricultores familiares beneficiários do Programa Mão Amiga Laranja. O primeiro município a realizá-lo foi Santa Luzia do Itanhi, em 9 de março. Na última terça, 28 de março, Cristinápolis recebeu a ação. Já na sexta, 31, foi a vez de Estância e Indiaroba. Anteriormente, as palestras foram realizadas em Itaporanga, Salgado, Boquim, Arauá, Pedrinhas, Tomar do Geru e Itabaianinha. Segundo o Governo do Estado, nos 14 municípios o total de beneficiários é de 4.448, e até o momento já foram investidos R$ 2.535.360,00 em três parcelas. Com a quarta parcela, ainda a ser paga, o valor total será de R$ 3.207.000,00.

JB: preocupação com citricultura

EMPRESÁRIOS PRESTAM SOLIDARIADE À MULTSERV
Cerca de 60 empresários sergipanos fizeram ontem pela manhã a um ato de solidariedade e de desagravo na porta da Multserv contra a ação de protesto das centrais sindicais feita na sexta, 31 de março, com pichações, arremesso de ovos e outros objetos contra a fachada da empresa e as paredes do Colégio Graccho Cardoso. O grupo Multserv reúne seis empresas de Fernando Carvalho e de Laércio Oliveira. Fernando disse que a inciativa do desagravo foi do Fórum Empresarial de Sergipe, que antes saíra com uma nota de repúdio. Na noite da sexta, Fernando caminhou entre os manifestantes e até cumprimentou Márcio Macedo, o tesoureiro nacional do PT, que participava do ato. “Ele ficou meio acabrunhado. E eu fiquei assustado com o tipo de selvageria. O que tem a ver uma empresa privada com aquilo tudo?”, questiona Fernando. A manifestação deve ter atendido a dois fatores: a Multserv é especializada em mão de obra terceirizada, e Laércio Oliveira, deputado federal, ter sido o relator do projeto de lei da terceirização. O Grupo Multiserv atua da Bahia a Paraíba, e no Norte, no Pará. Tem cerca de 5 mil funcionários sob seu raio de ação e fatura em média R$ 130 milhões por ano.

Fernando: alvo de solidariedade

UM TRECHO DA NOTA DO FÓRUM
Um trecho da nota do Fórum Empresarial de Sergipe. “Os setores produtivos de Sergipe se admitem ainda mais perplexos pelo fato de tais vândalos – alguns encapuzados – praticarem atos criminosos de depredação do patrimônio com a concordância de políticos participantes da “manifestação”, que nada fizeram para refrear o que se configura – repetimos – crime. Esse tipo de “manifestante” segue a cartilha de profissionais da desordem, a serviços de ideologias que, embora se autoproclamem “democráticas”, só fazem macular o exercício da democracia legítimo, pelo qual tantos lutaram. O Estado Democrático de Direito não se alinha ao crime. Assim, o Fórum Empresarial de Sergipe, representando seus membros, reafirma seu repúdio às ações criminosas – sejam de qualquer natureza, estejam em qualquer situação. No caso específico da empresa Multiserv, os empresários solicitam à Justiça e as autoridades competentes que adotem providências preventivas, evitando que se repitam tais ocorrências”.

POLÍTICA AUTOMOBILÍSTICA: SÓ COM EMPREGO!
O que fazer para que o mercado de automóveis dê uma guinada? Com a palavra o gerente de Vendas da Serigy Veículos, Cezar Vasconcelos, uma das empresas do Grupo Saman – Cezar é engenheiro químico e tem 22 anos só neste grupo. “Creio que um conjunto de medidas: primeiro, uma reorganização política. Um direcionamento melhor da política no Brasil, que está caótica. Isso, consequentemente, pode trazer uma certa estabilidade da economia. O que precisa é isso. Hoje, o desemprego é bastante elevado. Temos 13,5 milhões de pessoas desempregadas, e isso afeta diretamente a classe B, que é a que normalmente trabalha em empresas privadas, de família. Isso traz um prejuízo muito grande, porque as pessoas não querem fazer dívida de longo prazo. E para ter dívida a longo prazo, que pudesse viabilizar esse processo de melhora do mercado automobilístico, necessitaríamos de melhores condições de financiamento, com taxas mais reduzidas que fomentassem o financiamento. Como nós não temos um programa de renovação de frota, a maneira mais prática é facilitando os financiamentos, reduzindo as taxas. Então, é esperar essa estabilidade, essa certa garantia de continuidade da nossa economia, para que as pessoas possam voltar a investir. A gente nota que os carros que estão classificados como Classe A não tiveram uma queda abrupta. Eles continuam em evidência. Por que? Porque essas pessoas são concursadas, empresárias, médicas, então esse nicho de mercado não foi muito afetado. Claro que como toda a economia, com certeza, também foi afetado, mas não muito. Ressalta-se também que as montadoras, mesmo nesse momento de recessão e crise lançaram produtos, tiveram uma tendência maior de fazer negócios, porque o novo atrai. As pessoas acabam trocando seus produtos e fazendo investimentos. Isso é bom, porque movimenta toda a cadeia, pois quando se fala em automóveis, fala-se em uma cadeia muito extensa, que envolve autopeças, pneus, seminovos. Enfim, empregos”.

ETC & TAL
@ O empresário Francisco Franco Barreto, da FFB, olha com a apreensão para a crise econômica que verga o Brasil ao meio. Apreensão e uma certa convicção de que não pode piorar mais do que isso.

@ “O mar seca e enche no tempo certo, mas tem a preamar que inverte o ciclo. Tenho certeza que o Brasil está na preamar. Queira Deus que esteja de saída. O país não aguenta mais”, diz. Diante do quadro instável, a FFB não tem nenhum lançamento imobiliário este ano. Espera, de olho bem aberto, o vendaval passar.

@ Esta coluna sempre achou José Simão um gênio. Com humor, ele diz coisas mais sérias do que determinados editorialistas medalhões. Isto, por exemplo: “Aécio aceitou propina em Nova York porque não admite corrupção no Brasil”.

@ Rosman Pereira está de licença da condição de servidor da Secretaria de Estado da Justiça. Há um ano, para um pedido de cinco. Sem remuneração.

@ Apanhado: o ex-vereador Agamenon Sobral prestava depoimento ontem pela manhã na segunda fase da Operação Indenizar-SE quando foi surpreendido por um oficial de justiça com duas intimações para que forneça o endereço correto e se apresente ao Judiciário para se defender de acusações.

@ Uma das intimações atende a processo movido pela delegada Danielle Garcia, coordenadora do Deotap, por crimes contra a honra. Pelas barbáries que Agamenon cometeu no mandato, já deveria era estar condenado.

@ Hoje, das 12h às 21h30, o Iate Clube de Aracaju realiza a eleição para a escolha do seu comodoro.

@ Zeca Silva votou em Venâncio Fonseca em 2014 e vai repetir em 2018. “É um amigo pessoal, de família”, justifica.

@ Fala do senador Amorim, em entrevista de rádios ontem: “Prezo pela política com letras garrafais. Balanço a bandeira do quanto melhor, melhor. Meu mandato prega transparência e compromisso com o povo sergipano, e assim levarei por toda minha trajetória”.

@O deputado estadual Jairo Santana, PRB, apresentou requerimento pedindo ao DER para reacender a demarcação da faixa asfáltica horizontal em toda a extensão da Rota do Sertão e do município de Feira Nova, além das rodovias que ligam Cumbe, Graccho Cardoso e Nossa Senhora das Dores.