LIMITAÇÕES

Reinaldo é contra aliança de André com JB

Por Jozailto Lima
02 jun 2017, 20h19

Mas não se espante: o velho cacique Reinaldo Moura aprova todos os movimentos do filho André Moura em direção a Jackson Barreto no campo da relação institucional entre o governador do Estado e o deputado federal.

Reinaldo Moura, no entanto, não referendaria um acordo que fizesse de André um candidato ao Governo de Sergipe apoiado pelo grupo de Jackson em detrimento dos grupos liderados pelos senadores Antônio Carlos Valadares e Eduardo Amorim.

“Se depender de mim, André não seria um candidato a govenador apoiado por Jackson Barreto”, avisa Reinaldo. Mas por que, pergunta esta coluna. “Porque precisaria ter um acordo com o grupo todo ao qual André está ligado”, responde ele.

“Esta resposta vale para Valadares e para Amorim. Para mim, só pode resultar positivamente (um apoio de JB) se os três estiverem juntos”, observa Moura.

“Da mesma forma que entendo que é ruim Valadares sozinho, sem André e sem Amorim. E Amorim sem Valadares e sem André também o será”, diz ex-deputado estadual.

“Eu defendo a incolumidade do grupo. A união total do grupo. São três vagas – governador, vice-governador e senador: sentam os três e decidem. Agora, isoladamente, não acredito em resultado positivo”, reforça Moura.

Mas, para além desta preservação da integridade do grupo de oposição, Reinaldo não esconde de ninguém que uma certa escassez de simpatia por Jackson Barreto no capítulo político.

“O senhor tem restrições veladas a Jackson Barreto?” “Eu não tenho veladas. Eu as tenho às claras. À relação do passado dele com a minha família”, diz Moura. Que relação é esta? “É uma relação péssima, de agressões gratuitas”.

“Agora, se você me perguntar seu sou contra as ações que André está fazendo ao lado do governador, enquanto líder do Governo no Congresso Nacional, aí é outra história. Aí eu sou totalmente a favor”, diz. Por que? “Por quem ganha é o Estado”, responde. Então está certo.

R$ 110 MILHÕES PARA O AEROPORTO
O Governo de Sergipe anunciou, ontem, as bases do projeto de ampliação do Aeroporto Santa Maria, num investimento R$ 110 milhões. Segundo o governador Jackson Barreto, PMDB, a licitação vai ficar pronta no dia 12 de junho para uma obra a começar em agosto. “O diretor da Infraero vem a Sergipe para anunciar R$ 110 milhões que serão investidos no aeroporto de Aracaju para torná-lo mais moderno e oferecer mais conforto a nossa população e visitantes. Desses, R$ 85 milhões serão para a reforma e ampliação do Terminal de Embarque e R$ 25 milhões para a conclusão das obras da pista de pouso, que já está com 80% dos serviços executados”, disse JB.

JB e André Moura durante o ato na manhã de ontem

ATENDERÁ NECESSIDADES ATÉ 2038
“A ideia inicial era a construção de um novo terminal, mas o projeto estava estimado em aproximadamente R$ 400 milhões. Diante da crise, optamos por um novo projeto, de menor custo, mas que atenderá as necessidades do povo sergipano e dos nossos visitantes até 2038”, disse JB. O anúncio foi feito com a participação do deputado federal e líder do Governo no Congresso, André Moura, PSC, e o diretor de Engenharia da Infraero, Rogério Barzelai, do superintendente do setor, Adelson Guimarães, do superintendente do Aeroporto de Aracaju, José Osman Oliveira Silva, do vice-governador Belivaldo Chagas e de Luciano Bispo, presidente da Assembleia Legislativa.

GAMA, PÉS NAS COSTAS E EDUARDO
O senador Eduardo Amorim, PSDB, e o único pré-candidato anunciado ao Governo de Sergipe para a eleição do ano que vem, ironizou a afirmação do presidente do PMDB sergipano, João Augusto Gama, de que Jackson Barreto se elege senador com facilidade. “Jackson se elege senador com os pés nas costas e faz o governador do Estado”, disse Gama em entrevisto JLPolítica do domingo passado. “Só se ele ganhar com um chute nas costelas do povo”, disse o senador. Para Eduardo Amorim, a frase de Gama reflete um certo cinismo político elevado a desdém por parte dos governistas.

Eduardo Amorim: está mangando é do povo

GAMA, PÉS NAS COSTAS E EDUARDO II
“A partir daquela frase dos pés nas costas, dizendo que ganham eleição sem querer caminhar e nem fazer esforço algum, alguém me disse que Gama estava mangando da oposição. Eu disse que não via assim. Ele está mangando é do povo. Está dizendo ao povo: “olha, mesmo com muito sofrimento, sem saúde pública, sem oncologia, sem ortopedia, sem segurança, mesmo com Sergipe sendo o Estado mais violento do país, mesmo com a educação estando num caos, mesmo sem aumento para os servidores públicos, o povo vai esquecer de tudo vai votar nele (JB) de novo. É uma forma de dizer que o povo tem a memória curta. Enfim, é uma maneira de mangar do povo. Um modo de dizer: “olha, eu não vou fazer nada. Não vou trabalhar, não vou me preocupar com projeto nenhum”. Mas se esquecem que o povo está vendo tudo e vai dar a resposta”, disse o senador.

OBRA UNE JB E VALMIR DE FRANCISQUINHO
Eles são dois opositores clássicos. Dois bicudos que não se beijam politicamente. Mas ambos conscientes dos papeis que lhes cabem – um, de governar o Estado; o outro, de administrar Itabaiana. E foi assim que o governador Jackson Barreto e o prefeito Valmir de Francisquinho se reuniram na última quinta-feira em Aracaju. Na pauta, uma big obra para a cidade de Itabaiana a ser feita pelo Governo do Estado: a construção do Centro de Abastecimento – Ceasa. A obra está orçada em R$ 30 milhões. Ela vai ser feita por uma construtora sergipana, que já venceu a licitação.

JB e Valmir: tratativas em favor de Itabaiana

UM PREFEITO SOB RISCO DE CASSAÇÃO
O prefeito de Areia Branca, Alan de Agripino, PSC, enfrenta na Justiça um processo judicial por acusação de compra de votos e na cidade há uma expectativa de que ele possa ser cassado. Na última quinta-feira, Alan teve uma das últimas audiências no Fórum de Laranjeiras, onde todas as testemunhas arroladas depuseram contra ele na condição de réu. O processo é movido por um dos quatro candidatos da última eleição, o Renato da Eletrônica, do PV, que teve apenas 27 votos. Segundo Renato, o processo patrocinado pele PV pede ao TRE/SE a cassação do diploma do atual prefeito e do vice. Na cidade, Alan de Agripino é acuado de fazer uma farra de nepotismo, empregando uma série de parentes, inclusive o tio Agrepino Andelino, que foi cassado do mandato de prefeito iniciado em 2013. Por determinação judicial, Agrepino é proibido de ter relação com o poder público, mas estaria nomeado secretário de Alan.

ROGÉRIO CARVALHO É O ENTREVISTADO
Na entrevista do JLPolítica deste domingo, você vai conhecer um novo Rogério Carvalho. Mais equilibrado e mais sereno, o presidente estadual do PT responde com precisão quase cirúrgica a perguntas como “O senhor sente-se inseguro no projeto pessoal de disputar o Senado imprensado por dois tiranossauros da política de Sergipe, como Jackson e Valadares, que eventualmente correrão atrás do mesmo pódio?”, ou “O senhor acha que Lula ainda corre risco de ser interditado politicamente por prisão, por algo judicialmente?”, ou ainda, “Qual é o seu conceito para o modo como o secretário Almeida Lima encarou a Fundação Hospitalar de Saúde de Sergipe, criada em sua gestão?”. Está imperdível.

Rogério Carvalho: visão mais leve e mais madura das coisas

OPERAÇÃO “TEM QUE TIRAR ESSE CARA” – O QUE LEVARÁ TEMER A SUCUMBIR FATALMENTE

[*] Henri Clay Andrade

Desde a divulgação da conversa criminosa entre Joesley Batista e o presidente Michel Temer no Palácio Jaburu, o governo anda trôpego, atabalhoado e emitindo claros sinais de insensatez política.

As aparições do presidente Temer para explicar o colóquio com o dono da JBS foram desastrosas: confessou a existência do encontro oficioso no Palácio Jaburu e da conversa marginal que estarreceu o país e ainda levantou uma celeuma estéril sobre duvidosas edições das gravações.

Movido pela pequenez e o incentivo dos áulicos que nutrem a psicótica atração fatal pelo poder, compulsivamente o presidente Temer tem dado passos cambaleantes e erráticos em direção ao precipício político.

Não bastassem a estupidez do decreto que convocou as Forças Armadas para as ruas da capital do Brasil, por 15 longos dias, e a obcecada insistência em manter a tramitação das pretensas reformas trabalhista e previdenciária no Congresso Nacional aos trancos, agora Temer, abruptamente, enxota o então ministro da Justiça, Osmar Serraglio, para empossar Torquato Jardim, com a indisfarçável intenção de operar uma antirrepublicana intervenção na Polícia Federal.

Em conversa também gravada entre Joesley Batista e Aécio Neves, ambos reclamavam da inoperância do ministro da Justiça, Osmar Serraglio, face aos inquéritos em andamento da Polícia Federal que apuram práticas de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Também lamentavam a perda da oportunidade de exonerar o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, em decorrência da criticada Operação Carne Fraca. Daiello exerce o cargo desde 2011 e tem conduzido as principais operações que desnudaram os bastidores e abalaram as estruturas do poder. Ambos, Aécio e Joesley, reclamavam em tom apelativo: “Tem que tirar esse cara”!

O presidente Temer – diretamente afetado pela investigação da Polícia Federal, que inclusive o interrogará em breve – agora pretende, ao que tudo parece, implementar a trama engendrada nos bastidores do Palácio Jaburu. De Jardim brota a audácia de intervir na Polícia Federal e insultar, mais uma vez, a paciência do povo brasileiro. É a operação “Tem que tirar esse cara” nas ruas da capital do Brasil com os tanques de guerra simbolizados pela caneta que empossa, nomeia, exonera, decreta e escreve a história do seu lastimável governo.

Essa aventura de intervenção e de controle da Polícia Federal será mais uma desventura do governo. Tirar esse cara, o diretor-geral Leandro Daiello, no atual contexto, consiste em um grave atentado à autonomia das investigações sobre fatos criminosos que indiciam Temer e os seus mais próximos asseclas. É um evidente desvio de finalidade administrativa, porque afronta o interesse público e ofende os valores éticos e os princípios fundamentais da República e da democracia. E isso pode até vir a configurar crime de obstrução da Justiça.

Só um surto de sensatez do presidente Michel Temer evitará um horroroso e ainda mais traumático final do seu governo. Neste momento, a sua renúncia seria um ato de bom senso e de grandeza pelo Brasil. Apegado ao cargo e com esses sucessivos descalabros, Temer fatalmente sucumbirá à legítima operação perpetrada pelo povo que, em tom imperativo, brada nas ruas: “Tem que tirar esse cara”!

[*] Presidente da seccional de Sergipe da Ordem dos Advogados do Brasil. Originalmente, este artigo foi publicado pelo site Congressemfoco.

Henri Clay: Temer sucumbirá à legítima operação do povo

 

ETC@TAL
@ Depois de reformado, o Aeroporto de Santa Maria vai poder receber 4 milhões de passageiros por ano. Atualmente, a capacidade é de 2,64 milhões.

@ Ontem, o deputado Fábio Reis, PMDB, entregou em Nossa Senhora Aparecida equipamentos para a UBS do povoado Lagoa do Veado e três veículos para a Secretaria Municipal da Saúde. Em companhia da prefeita de Vera Sousa.

@ Os veículos e equipamentos foram adquiridos através das emendas parlamentares de Fábio. Ao todo, são quase R$ 2 milhões de recursos destinados pelo parlamentar ao município do Médio Sertão.

@ Do secretário nacional de Finanças e Planejamento do PT, Márcio Macêdo: “Temos pautas que unem o partido: Diretas Já e Fora Temer”.

@ “E não vamos aceitar participar de nenhum colégio eleitoral que exclua o povo da escolha de um novo presidente. Se isso acontecer, o PT não vai participar e ainda vai denunciar”, disse Márcio. Precisa dizer que é contra as eleições indiretas.

@ Toma: “A Procuradoria-Geral da República denunciou nesta sexta (2) o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) ao STF (Supremo Tribunal Federal) por corrupção passiva e obstrução à Justiça por fatos apontados por delatores da JBS” – pela Folha de S. Paulo.

@ O jornalista Joedson Teles não responde mais, desde a quinta-feira, pela Secom de Japaratuba. O novo secretário é Elder Santos.

@ Elder é jornalista profissional, repórter fotográfico, comanda o portal Folha de Sergipe e já foi assessor de parlamentar de André Moura.