RENOVAÇÃO

Valadares Filho: novas lideranças existem, e respeitam as tradicionais

Por Jozailto Lima
30 maio 2017, 21h20

O deputado federal Valadares Filho, PSB, não considera “insuficiente” sua posição de liderança na política de Sergipe – em análise ontem, esta coluna disse que lhe falta mais musculatura política para o posto. A coluna fez uma análise que envolve as gerações antigas e as mais novas.

“Eu só gostaria que se observasse o histórico de um político com 35 anos que chegou aonde cheguei em tão pouco tempo, com três mandatos de deputado federal e duas eleições muito bem disputadas pela Prefeitura da Capital do meu Estado. Eu dei cara aos fatos políticos”, diz Valadares Filho.

“Eu disputei uma eleição de prefeito de Aracaju com 30 anos e outra com 35. Uma, com um político deste ciclo mais antigo, que foi João Alves, e outra com um ex-prefeito de sete anos de um mandato recente, que é o atual. Acho que a minha geração está, sim, dando as caras”, ponderou Valadares.

Com relação a suceder a geração antiga, Valadares Filho faz uma leitura respeitosa. “É natural que a renovação se dê a partir do momento em que as lideranças mais antigas saiam do cenário. Enquanto não saem, é comum que eles imponham a sua tradição. Eles, logicamente, têm mais história”, diz.

E diz mais: “No dia em que Jackson sair, no dia em que o senador Valadares sair, nós vamos, de uma maneira natural, ocupar estes espaços. Hoje, respeito o papel deles. São senhores de longo domínio e de autenticidade. Não os criminalizo por isso, jamais. Pelo contrário, bebo na fonte da sabedoria deles. Nem por isso eu acho que faltem novas lideranças políticas em Sergipe. Acho é que elas existem, mas respeitam um ciclo natural”, diz o parlamentar.

DEZ MIL ÁRVORES PARA UMA “DORES MAIS VERDE”
Médico, 29 anos, Thiago de Souza, o Dr Thiago, começa sua gestão como prefeito de Nossa Senhora das Dores com um projeto ousado: plantar em quatro anos 10 mil árvores na sede do município, que hoje tem cerca de 27 mil habitantes.

Pelo programa “Dores Mais Verde”, no próximo domingo Thiago, com apoio dos servidores municipais e de membros da sociedade, deve baixar ao solo as primeiras 200 mudas de ipê branco. “Será no domingo exatamente porque as pessoas estão de folga, têm mais disponibilidade para se envolver e fixar mais a ideia do projeto”, diz ele.

“Para mim, o verde é fundamental. Nós estamos vivendo um tempo em que cada vez mais se devastam a natureza. Isso muito me desagrada. E este é um momento de a gente parar o refletir o que foi feito e refazer os estragos. Eu entendo que vai na contramão quem Governa sem dar atenção às questões ambientais”, diz Thiago. Leia esta breve entrevista com ele.

Aparte – Qual o objetivo desse projeto?
Dr Thiago de Souza – O “Dores Mais Verde” tem o objetivo de transformar Nossa Senhora das Dores numa das cidades mais verdes do Estado de Sergipe. Ele tem o apoio de toda a sociedade organizada do município e da Prefeitura da Cidade. Nosso traçado é o de plantar 10 mil árvores.

Aparte – Em que período isso se dará?
DTS – Nosso planejamento nesse quantitativo é para os quatro anos. Nós estamos dando, inclusive, estímulo aos servidores para que venham juntos. Aos que quiserem participar deste projeto, que se inicia no domingo, 4 de junho, daremos um dia de folga. O que pretendemos, de fato, é envolvê-los e dar a entender para as demais pessoas que esta questão ambiental é um tema central do Governo – porque de fato o será. E por ser assim, deve ser levado como prioridade pelos servidores públicos.

Aparte – Dores é uma cidade minimamente, medianamente ou totalmente arborizada?
DTS – Eu diria que Nossa Senhora das Dores é hoje uma cidade medianamente arborizada. Mas sofremos muito o impacto do calor aqui, e esse projeto passa pela importância de deixá-la mais arejada, mais fresca. Para além disso, também fazê-la uma cidade mais bonita. Mais verde. Levamos em conta que enfrentamos quase oito meses do ano sob estiagem e sol, e acreditamos que as árvores darão sempre mais conforto para os habitantes.

Aparte – Sua gestão pensou em algum estímulo aos moradores que se relacionem bem com árvores, como desconto no IPTU, por exemplo?
DTS – Vejo que este tipo de incentivo já acontece em algumas cidades do sul do país, com até 10% de desconto para cada pessoa que plante e cuide de uma árvore, e nós estudamos algo parecido aqui, que deve passar pela Câmara Municipal em 2018.

Aparte – O projeto “Dores Mais Verde” contempla apenas a sede ou vai também aos povoados?
DTS – A princípio, a gente quer se concentrar no núcleo urbano da sede. Mesmo porque, nossos povoados têm uma cobertura vegetal e uma presença arbórea bem significativa.

Aparte – Independentemente de ser um prefeito, qual é a sua concepção do verde para uma cidade?
DT – Nós estamos vivendo um tempo em que cada vez mais se devastam a natureza. Isso muito me desagrada. Pra mim, o verde é fundamental, e este é um momento de a gente parar o refletir o que foi feito e refazer os estragos. Preocupa-me isso e o problema do lixo nas cidades. É preciso repensar os modelos de relacionamento, coleta e destino dos resíduos sólidos.

Aparte – Até que ponto esta campanha envolve a sociedade organizada, as entidades de classe, os sindicatos, igrejas de sua cidade?
DTS – Além dos servidores municipais que estamos chamando à parceria, contamos também com o GAD –  Grupo Ambientalista Dorense -, que é formado por jovens idealistas, conscientes e cheios de convicção para cuidar do meio ambiente. Temos ainda um grupo de professores e de outros cidadãos, que têm esse projeto de uma maneira independente e que agora vão contar com o apoio e o incentivo do poder público. Vamos usar a capilaridade desses projetos unidos ao da Prefeitura para que essas ideias ganhem impulso.

Aparte – O seu Governo tem uma Secretaria Municipal do Meio Ambiente?
DTS – Uma das primeiras iniciativas do nosso Governo foi a de criar a Secretaria do Meio Ambiente, exatamente para poder dar uma atenção maior a esta questão do meio ambiente. De modo que a execução é dela, mas envolvendo todas as Secretarias municipais. Eu entendo que vai na contramão quem Governa sem dar atenção às questões ambientais.

Thiago de Souza: “Nosso traçado é o de plantar 10 mil árvores”

JB REAGE À MUDANÇA EM INCENTIVO
Durante o Fórum Permanente dos Governadores do Brasil realizado ontem em Brasília, o governador Jackson Barreto, PMDB, defendeu o projeto de Lei sobre a convalidação dos incentivos fiscais aos Estados do Nordeste, alegando que o modelo atrai atividades industriais, gera emprego e renda e desenvolvimento para a região. A pauta deste assunto já foi negociada pelos 27 governadores quando ainda estava no Senado Federal mas agora, na voltou à Câmara Federal, o tema está sofrendo uma tentativa de alteração. JB considerou que se isso acontecer será “nocivo aos interesses dos Estados nordestinos”.

Jackson, na reunião em Brasília: incentivos são necessários pro Nordeste

JB REAGE À MUDANÇA EM INCENTIVO II
“É um tema sensível aos Estados nordestinos, pois da forma como está sendo conduzida pode gerar prejuízos imensos. Vamos lutar para que isso não aconteça da forma como está sendo encaminhada. É preciso neste momento de crise ter sensibilidade social com o Nordeste e cuidado para não agravar mais a crise e o desemprego. Os incentivos fiscais são instrumentos importantes para atrairmos empresas e empregos. Não podem tirar isso da gente”, disse Jackson Barreto. Além desse tema, os governadores discutem também a liberação de empréstimos internos ou externos, o alongamento e a carência das dívidas com o BNDES.

BELIVALDO X CANDIDATURA DO GENRO
O vice-governador Belivaldo Chagas, PMDB, nega peremptoriamente que esteja a fomentar uma eventual candidatura do genro, o advogado José Carlos Felizola, a deputado federal pelo PMDB. “Esqueçam isso: não existe projeto de Felizola em disputar mandato algum em 2018. Ponto e pronto: acabou. Isso elimina qualquer outra conjectura”, diz. “Não existe isso em hi-pó-te-se alguma”, reforça.

Belivaldo Chagas: não existe projeto de Felizola

BELIVALDO X CANDIDATURA DO GENRO II
A “outra conjectura” seria a de que Belivaldo estaria projetando ficar “governador” ano que vem, com a saída de Jackson Barreto para a disputa de uma vaga ao Senado e não concorrer ao Governo do Estado. Antes que a coluna lhe colocasse isso, ele foi logo atalhando: “Primeiro, pensar um eventual projeto de Felizola seria o mesmo que dizer que já estou decidido que não serei candidato a nada”, disse. Sim, seria isso mesmo. Mas não avançou nas suas intenções futuras. Apenas reiterou as negativas no entorno do genro.

LEGISLAÇÃO ATÉ PROIBIRIA
Belivaldo Chagas falou à coluna Aparte por telefone por volta das 19h de ontem. Uns 20 minutos depois, já estava na casa do genro Felizola. Disse que foi lá xepar uma sopa, que ele gaba de ser “a melhor de Sergipe”, feita pela filha Priscila. Ali, depois de conversar com Felizola, apresentou uma tese: mesmo que houvesse pretensão do genro em disputar algo, jamais poderia se ele fosse o govenador de março a dezembro. A legislação não permitiria. “Se já fosse deputado, poderia disputar a reeleição. Jamais um primeiro mandato”, disse Belivaldo. “Estão querendo me separar de Priscila, é?”, questionou em tom de brincadeira Felizola.

José Carlos Felizola: a legislação não permitiria

CHANCES DE MICHEL TEMER NÃO CAIR
O prefeito de Poço Verde, Iggor Oliveira, PSC, não acredita muito na possibilidade de o presidente Michel Temer não concluir o seu mandato, que iria até 31 de dezembro do ano que vem. “A meu ver, hoje Temer só cairia por renúncia”, diz o prefeito. Iggor não acredita nas três outras hipóteses: 1 – na cassação pelo TSE no começo de junho. 2 –Por um julgamento criminal transitado em julgado, o que provavelmente não aconteceria em 1 ano e meio e, 3 – Por crime de responsabilidade, que lhe levasse ao impeachment. “Mas a instabilidade é muito grande. Os municípios vinham num crescente. A economia estava melhorando. E aquele problema deixou todo mundo instável. Está todo mundo com medo do que pode acontecer”, diz.

Iggor Oliveira: Temer fica, apesar da instabilidade

TEMER DEPORÁ À PF POR ESCRITO
Com o título “Fachin autoriza que Temer preste depoimento por escrito à PF”, a Folhaonline publicou ontem à tarde a seguinte notícia: “O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), autorizou que o presidente Michel Temer preste depoimento por escrito no inquérito decorrente da delação da JBS. Temer deverá responder às perguntas que serão formuladas pela Polícia Federal. Ao autorizar a PF a tomar o depoimento do presidente, Fachin afirma que Temer pode responder as questões por escrito “em razão da excepcionalidade de investigação “em face do Presidente da República, lembrando-se que o próprio Ministério Público Federal não se opôs ao procedimento”.O presidente terá 24 horas para responder as perguntas formuladas pela autoridade policial, a contar do prazo de entrega das questões. E a PF terá, de acordo com Fachin, dez dias para concluir as investigações.Na semana passada, a defesa de Temer pediu para que um eventual interrogatório fosse feito por escrito. Para o procurador-geral, o presidente fez uma “confissão” sobre ter participado de uma conversa na qual foram tratados possíveis crimes de corrupção de agentes públicos e pede para tomar o depoimento do presidente”.

 
ETC@TAL
@ Gama foi criticado por dizer em entrevista ao JLPolítica que se JB for candidato ao Senado “se elege com os pés nas costas”, e ainda fará o governador.

@ Os críticos dele acharam-no soberbo. Triunfalista de véspera. Mas Belivaldo Chagas, que poderia ser “esse governador” a ainda ser feito, lhe sai em defesa: “Não vi assim não. Foi apenas uma força de expressão”.

@ Pelo twitter, o senador Eduardo Amorim informou que o Brasil poderá ter evento nacional destinado à prevenção do suicídio.

@ Pelo menos 800 mil pessoas se matam por ano no mundo. Uma a cada 40 segundos. É mais do que as mortes por guerras e homicídios, somadas”, evidenciou.

@ O senador tucano esteve em audiência ontem no Ministério da Educação com o presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares – Ebserh -, Kléber Morais. Foi em busca de solução para a interdição do Hospital Regional de Lagarto.

@ Ele pediu ao presidente da Ebserh que venha a Sergipe conversar com o Governo do Estado.

@ Kléber Morias garantiu que já está tomando as medidas adequadas e que irá pessoalmente ao município para evitar problemas.