PALESTRA

Em debate na OAB, Kitty Lima defende reforma política

Além da reforma do sistema político, a parlamentar aponta ainda a necessidade da população ocupar a política, os debates e espaços de contribuição

Por Assessoria do Parlamentar
23 maio 2017, 12h47

Atenta ao que acontece na política local e nacional, a vereadora Kitty Lima (REDE), participou na segunda-feira, 22, no plenário da OAB/SE, da palestra ‘A Urgência da Reforma Política’, ministrada pelo advogado especialista em Direito Eleitoral e Partidário Márlon Reis, um dos idealizadores e redatores da ‘Lei da Ficha Limpa’.

Para a vereadora, o atual sistema eleitoral brasileiro precisa ser substituído, uma vez que ele já teria sido concebido com a finalidade de distorcer a realidade para o eleitor. “Precisamos urgentemente de um sistema igualitário que venha a atender corretamente, e de maneira justa, o anseio da população por uma política descente. O que Marlon trouxe em sua palestra foi uma reflexão bastante pontual e importante diante do que vemos hoje em nosso sistema político”, disse a vereadora em uma breve análise sobre a palestra.

Ainda de acordo com a vereadora, “votar nulo ou apenas não votar, durante as eleições, só contribui para que esse sistema falido e corrupto se perpetue. Precisamos entender a importância de se adotar uma nova postura e demonstrar isso nas urnas, votando de forma consciente. Mas antes de tudo precisamos reformular a nossa estrutura política, vamos brigar por isso”, reforçou Kitty Lima.

Além da reforma do sistema político, a parlamentar aponta ainda a necessidade da população ocupar a política, os debates e espaços de contribuição. “A população precisa viver a democracia de forma intensa. Temos que mudar a ideia de que o voto é apenas delegar responsabilidades, mas sim ter a consciência de que ele é um exercício cívico e que devemos exercê-lo para além do dia da eleição”, lembrou Kitty, lamentando ainda a grande barreira que muitas vezes é imposta pela classe política à população.

“Muitos políticos, infelizmente, dificultam a participação popular e desmobilizam a população em viver em democracia, por isso precisamos eleger políticos abertos a viver a democracia de forma intensa”, afirmou a vereadora.