REIVINDICAÇÃO

Sepuma realiza ato em frente à Câmara de Vereadores

Em sinal de insatisfação, os servidores atearam fogo em bonecos e levaram também um caixão para o ato

Por Portal Infonet
31 maio 2017, 11h00

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Aracaju (Sepuma) realizou um ato nesta terça-feira, 30, em frente à Câmara de Vereadores, reivindicando reajustes salariais e pagamento de férias que não teriam sido cumpridos pela Prefeitura de Aracaju, além de protestar também contra o número de cargos comissionados no município.

Em sinal de insatisfação, os servidores atearam fogo em bonecos e levaram também um caixão para o ato. “Como podemos conviver com o servidor sendo ultrajado em seus direitos, com discurso de debilidade financeira, com a gestão gastando de forma acintosa do contribuinte, com os poucos privilegiados?”, afirma o presidente da Sepuma, Nivaldo Fernando.

O sindicato é composto por trabalhadores operacionais do município, como coveiros, crecheiras, vigilantes, motoristas e agentes administrativos. O representante da categoria fez ainda acusações sobre os valores e os perfis de alguns dos servidores de cargo comissionado. “No primeiro quadrimestre do ano, foram gastos R$18 milhões com CC. O prefeito tem feito mimos e dengos à família do secretário da Fazenda Jefferson Passos, que recebe mais de 50 mil por mês, ocupando cargos na Secretaria de Saúde, SMTT, Fundat e Emsurb. Enquanto isso, nossa categoria fica desassistida”, protesta.

A Prefeitura de Aracaju enviou nota informando que continua honrando com o compromisso firmado com todos os servidores municipais desde o início da gestão. Em cinco meses, realizou o pagamento de sete folhas salariais, sendo duas deixadas em aberto pela gestão anterior. Divulgou o calendário de pagamento do 13º salário e desde o final de abril os servidores começaram a receber a primeira parcela. Ainda sobre remuneração do servidor, a Prefeitura é conhecedora do pleito do reajuste salarial, mas aponta que está sendo analisado de acordo com a saúde financeira do munícipio. Como estabelece a Lei todo e qualquer reajuste requer análise do impacto financeiro.

O pagamento das horas-extras, contestado pelo Sindicato dos Servidores Municipais (Sepuma), não procede. O pedido do sindicato foi feito diretamente à Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplog), e analisado pela Procuradoria Geral do Município e foi ratificado que a gestão municipal realiza o pagamento de acordo com a lei. Toda hora-extra deve ser paga com base no vencimento do servidor e não da remuneração total, conforme lei vigente do município.

Em 2016, sem os encargos, o pagamento de hora-extra foi de R$ 11 milhões. Em comparação aos meses de março e abril de 2016, no mesmo período de 2017, houve a economia de R$ 448.116,41. A equipe da Seplog logo no início da gestão realizou uma auditoria na folha salarial e pôde constatar o erro que acontecia. Desde então, foi modificada a forma de pagamento. Ainda seguindo o compromisso estabelecido por Edvaldo Nogueira quando assumiu a Prefeitura de Aracaju, está economizando. Comparando o primeiro quadrimeste de 2016 ao de 2017, foi economizado mais de R$8,5 milhões em cargos comissionados.