FINANCIAMENTO DE CAMPANHA

Valadares Filho acha que Aracaju poderá ter nova eleição de prefeito

Isso porque, para ele, "corrupção eleitoral em Aracaju foi decisiva para o resultado das eleições em 2016”

Por JLPolítica
20 abr 2017, 17h31

Por achar que “a corrupção eleitoral em Aracaju foi decisiva para o resultado das eleições em 2016”, o deputado federal Valadares Filho determinou aos advogados do Partido Socialista Brasileiro – PSB – que acompanhem de perto, junto à Procuradoria Eleitoral e ao Tribunal Regional Eleitoral, tudo o que for relacionado às investigações das eleições municipais de 2016 para a escolha do prefeito de Aracaju.
Há fortes indícios de que as eleições tenham sido fraudadas sob a influência do poder econômico e da corrupção eleitoral, de acordo com o que foi apurado até agora em inquérito aberto pela Delegacia de Crimes Tributários e Administrativos da SSP. “Em face da gravidade das denúncias, estamos analisando com os nossos advogados a possibilidade jurídica de ingressarmos com um pedido de nulidade das eleições junto ao Tribunal Regional Eleitoral”, disse Valadares Filho.
Os fatos que a Polícia Civil divulgou nesta quinta-feira não são surpresa, segundo ele. “Inclusive, o derrame de dinheiro para mudar o resultado das eleições nos bairros da periferia foi objeto de denúncia à Polícia Federal pelo presidente municipal do partido, Elber Batalha, com o apoio do senador Valadares e de membros da coordenação de minha campanha”, disse o parlamentar.
Valadares Filho acha lamentável, também, que um dos grandes motivos que levaram às mudanças na Secretaria de Segurança Pública – SSP – tenha sido a descoberta das práticas que Edvaldo Nogueira adotou durante o processo eleitoral.
“O governador Jackson Barreto, ao mudar a cúpula dirigente da SSP, inaugurou mais um capítulo trágico na história de Sergipe que é o de inibir o combate à corrupção”, disse Valadares Filho. Desde o início deste ano, o deputado Valadares vem alertando à sociedade sobre as relações promíscuas do prefeito eleito com a empresa Torre. E ele volta a enfatizar: “Essa é a prática atrasada do PCdoB para financiar campanhas eleitorais”.