YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author bc92de88786c313d
Jozailto Lima

É jornalista há 36 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

Adilson Júnior rompido com Marcos Santana tem candidatura num mato sem cachorro?
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
Fa26454d4c3890e5

Adilson Júnior: atitude precipitada?

Há alguma coisa de precipitação na decisão do vice-prefeito de São Cristóvão, Adilson Júnior, PDT, de romper definitivamente com o prefeito Marcos Santana, MDB, e partir para uma candidatura solo à sucessão da Prefeitura da velha capital de Sergipe.

A Coluna Aparte apurou que antes dessa atitude, Adilson Júnior ficou de manter uma conversa com um aliado dos dois e depois trazer uma decisão para Marcos Santana.

Mas, mesmo antes dessa conversa se materializar, Adilsão abandonou o colega de gestão, entregando os cargos que dispunha no governo municipal e se declarando pré-candidato a prefeito.

Esta Coluna também apurou, juntamente a uma fonte da política sancristovense, que Marcos Santana se sentiu surpreendido com a atitude de Adilson. Segundo essa fonte, Marcos e seu vice têm um relacionamento aberto e republicano.

Tradução disso: sem margens para coisas erradas ou desconfianças pesadas. Ao ponto de Marcos nem descartar, diz essa fonte, a possibilidade de, lá na frente, eles se reatarem na manutenção da mesma chapa de 2016. Em política, até o impossível é possível.

Por outro lado, através de outra fonte da política de São Cristóvão, a Coluna Aparte foi informada de que o prefeito Marcos Santana sonha com um perfil mais neutro possível para um seu, ou sua, futuro ou futura, pré-candidato ou pré-candidata a vice.

De acordo com essa mesma fonte, de olho no peso da questão de gênero, Marcos Santana teria preferencialmente uma aqueda para que esse futuro nome seja no feminino. Ou seja: uma mulher. Isso aí serão outros quinhentos lá para o mês de maio ou junho.

E, por finalmente, o que se diz em São Cristóvão é que, sozinho, Adilson Júnior não tem lá muito futuro na disputa pelo poder central da cidade. Sua candidatura futura, portanto, o colocaria numa espécie de mato sem cachorro.