Aparte
Rogério instaura a teoria dos “sis” e pede calma eleitoral
2775e4c07b2d8ff2

Rogério Carvalho: só o tempo para desatar o nó dos “sis”

O presidente do PT de Sergipe, Rogério Carvalho, parece desprovido de ansiedade diante do ano eleitoral de 2018, apesar de, previamente, já ter alvejado a intenção de disputar o Senado.

Em conversa com esta coluna, Rogério instaura a teoria dos “sis” e chama a atenção para os fatos a partir dela. “Além de estar cedo, há tantos “sis” aí no meio. Talvez esses “sis” precisem sair um pouco de “si” enquanto condicionantes”, diz.

Para Rogério, os dois “sis” mais preponderantes para o seu agrupamento começa por Lula: “Precisamos saber se Lula será candidato. E depois, se Jackson Barreto será candidato, e se se se e se Belivaldo Chagas vai ser mesmo o nome. Vamos depender de tantas variações. Agora é ter paciência e esperar”, diz Rogério.

Para Rogério, este momento entremeado de tantas condicionantes dificulta algumas decodificações básicas. “No meu modo de ver, não dá pra dizer nada sobre se Jackson Barreto vai ser ou não candidato a senador. Vai depender de tantas variáveis. Eu não consigo apostar, porque ele é muito imprevisível. Ele varia muito”, avisa.

Mas isso não significa uma cobrança de Rogério por uma decisão barreteana. “E o pior é que para ele é também muito difícil. Porque não tem como se posicionar com tantos “sis” que pra ele também estão colocados. São muitas condicionantes”, pondera.

“Eu acho que esse é o momento para gente fazer provocações. Fazer o debate político. Trazer alguma luz para as perspectivas futuras. Como é que a gente vai fazer o diferente? Para mim, o PT ter candidato, fazer parte da chapa, já é confortável. Mas vamos ver os debates como vão se dar. Vamos ver os “sis” como se desenvolverão” diz o petista.