YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author 4eb5c947b54eb69b
Jozailto Lima

É jornalista com 35 anos de experiência profissional. Antes do Cinform, trabalhou nos jornais Feira Hoje, Tribuna da Bahia, Jornal da Bahia, TV Subaé e Jornal de Sergipe.

Alexandre Figueiredo: “Que sejam muitos os que pensam em mudar o Congresso Nacional”
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
2a04566fb8838ec1

Alexandre Figueiredo: "o primeiro passo é renovar sua estrutura política"

 [*] Alexandre Figueiredo

O Brasil chegou ao fundo do poço. A maioria dos nomes que está hoje lá no Congresso Nacional não representa os desejos e nem as necessidades do povo brasileiro. A população não se sente representada, e de fato não está. É no que acredito.

No meu entendimento, para o Brasil voltar a crescer e superar a maior crise moral, política e econômica da sua história, é preciso mudar radicalmente essa realidade. E o primeiro passo é renovar sua estrutura política.

Isso só vai acontecer quando o país mudar as pessoas e seu estilo de fazer política. É a partir deste núcleo, o político, que se tomam as mais importantes decisões. Há quase 30 anos, o grande tribuno Ulysses Guimarães já previu: “Está achando ruim essa composição do Congresso? Então espera a próxima: será pior. E pior, e pior…”. O velho líder foi mais que profético.

Então, chegou a hora de termos a coragem de romper esse paradigma profetizado por aquele grande estadista, e eu encaro esse desafio. Sou filho do ex-deputado federal, ex-vice-governador de Sergipe e atual secretário de Estado de Governo, Benedito Figueiredo, e da procuradora de Justiça do Ministério Público aposentada Creuza Figueiredo.

Apesar de herdar esse sobrenome, venho construindo minha própria história. Eu tenho mais de 20 anos de formação jurídica. Estou secretário da Controladoria-Geral de Aracaju há um ano, além de ser dirigente partidário e de estar à frente da Fundação Ulysses Guimarães - FUG/SE -, por meio da qual estamos realizando um trabalho de base nas universidades, igrejas, associações, escolas públicas e nas comunidades, principalmente as mais carentes.

Creio na mudança e, para que ela se opere, defendo duas principais bandeiras: educação e cultura. O que muito bem pode ser confirmado pelos números da Fundação que dirijo. Cerca de 80% dos municípios sergipanos já foram alcançados, com 16 mil alunos capacitados e devidamente certificados pelo Ministério da Educação em parceria com renomadas universidades do país.

Pela Fundação Ulysses Guimarães, também somos pioneiro e único no Brasil na realização de um grande projeto cultural alicerçado no voluntariado que leva solidariedade através da música, com o projeto Vozes Solidárias, que deu origem ao Coral Ulysses Guimarães do Brasil. Necessitamos de um país com alma mais sonora e sensível.

A defesa que faço de que a população precisa mudar o Congresso Nacional e outras esferas da política deve começar por mudanças sociais, na base, como estas que a FUG/SE ajuda a empreender aqui e em outros Estados brasileiros. Mas essas mudanças só se operam e concretizam no íntimo e na consciência de cada indivíduo. Espero que em outubro próximo sejam muitos os comprometidos com a perspectiva de novos paradigmas e de novos rumos.

[*] É advogado, secretário da Controladoria-Geral do Município de Aracaju e pré-candidato à Câmara Federal.