YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author 4eb5c947b54eb69b
Jozailto Lima

É jornalista com 35 anos de experiência profissional. Antes do Cinform, trabalhou nos jornais Feira Hoje, Tribuna da Bahia, Jornal da Bahia, TV Subaé e Jornal de Sergipe.

Ana Lúcia Menezes: “Em 2018, uma nova etapa da mesma luta”
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
9f9d9e24742d19af

É deputada estadual pelo PT

[*] Ana Lúcia Vieira Menezes

Em 2002, quando pela primeira vez chegamos à Assembleia Legislativa, fomos respaldados pela expressiva obtenção de mais de 20 mil votos coroando uma relação política de grandes expectativas e de muita confiança com o povo sergipano.

Pedagoga formada pela UFS, dediquei toda minha vida profissional ao magistério. Ativista sindical de primeira hora, participei ativamente da fundação e do processo de consolidação do sindicato de nossa categoria, o Sintese, do qual fui dirigente por anos e que hoje possui a mais numerosa base de trabalhadores filiados em nosso Estado.

Entre os anos de 2000 e 2002, atendendo a um chamado partidário, juntei-me ao desafio da construção do governo de Marcelo Deda à frente da Prefeitura de Aracaju, ocupando a Secretaria Municipal da Educação.

Seguiram-se, àquela primeira conquista eleitoral, que consagrou nossa candidatura com o maior número de votos recebidos por um parlamentar estadual da história do PT de Sergipe, outros três mandatos na Alese, de forma consecutiva.

Mandatos que procurei obstinadamente exercer em sintonia com as demandas populares e sempre com a vigorosa participação de setores até então excluídos de uma representação efetiva em nossa Assembleia Legislativa. Um mandato verdadeiramente democrático e popular.

Nesses 15 anos de atuação parlamentar ininterrupta, acumulamos muitas conquistas e, como não poderia deixar de ser, algumas decepções, resultado de um permanente enfrentamento contra os setores que historicamente compreendem a política como balcão de negócios, como meio de garantia de privilégios para os poderosos, em detrimento da maioria ou mesmo como uma profissão, um “meio de vida”.

Nessa trajetória, muitas são as marcas deixadas por nosso mandato na história política de Sergipe e na vida cotidiana de nossa gente. Espero que a principal seja a marca da coerência. Uma coerência que me faz agora, nesse início de um novo ciclo, participar a todas e todos que acompanham o nosso trabalho a decisão de não disputar o processo eleitoral de 2018 na condição de candidata.

Se não me falta convicção da necessidade e da importância do espaço a ser ocupado em nossa Assembleia Legislativa, especialmente em uma conjuntura decisiva de embate e polarização, é preciso reconhecer que me faltam condições físicas e de saúde para assumir um novo ciclo de disputa eleitoral e de exercício parlamentar.

Em conformidade com a visão e a prática que construí ao longo de minha militância na vida pública, o Parlamento é um instrumento fundamental, mas apenas parte de uma disputa política que se processa em múltiplas frentes. Nesse sentido, jamais abandonarei a luta pela transformação social, por uma educação emancipadora, contra a exploração capitalista e a desigualdade.

E essa é uma escolha definitiva, um caminho coerente com minha opção de vida. No ano que se inicia, estaremos, como sempre, disputando ao lado de nossos companheiros todos os espaços públicos, nas ruas, nas manifestações, na Alese.

O companheiro de longa data (e de todas as horas) Iran Barbosa já é um quadro largamente reconhecido e respeitado pela sociedade sergipana, por sua trajetória de compromisso com os trabalhadores e com a população que mais necessita de políticas públicas.

Professor de História na rede pública, onde permanece lecionando, conhece de perto os problemas e demandas da população. Foi dirigente do Sintese por 12 anos e se destacou por sua liderança em momentos decisivos enfrentados pela classe trabalhadora.

Foi eleito por três vezes vereador de Aracaju, sendo o mais votado em duas oportunidades e, em outra, o segundo mais votado. Eleito deputado federal, ganhou destaque nacional e foi o único sergipano a compor a Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal.

Seu mandato constituiu-se como referência nacional para os trabalhadores e para os movimentos sociais. Um mandato coerente, democrático e popular. Iran Barbosa certamente continuará honrando a melhor tradição de combatividade e enchendo de orgulho o povo sergipano. O ano está apenas começando. Se muitos são os desafios, as formas de lutar são ilimitadas.

[*] É deputada Ana Lúcia Menezes pelo PT de Sergipe.