Aparte
De Edvaldo Nogueira para André Moura: “A cidade lhe é muito grata por tudo que você fez”
8568becb1f74d438

Edvaldo Nogueira: estou aqui para agradecer a André e dizer que esse trabalho que ele tem feito é muito importante (Foto: Márcio Dantas)

“Nós - eu e André - estamos inaugurando uma nova forma de fazer política, e eu quero aqui agradecer”. O prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, PC do B, surpreendeu o evento realizado pelo deputado federal André Moura, PSC, na tarde desta quinta-feira, 5, ao comparecer no Hotel Del Mar e fazer um discurso de agradecimento muito sincero pela parceria entre ambos.

“A cidade lhe é muito grata por tudo que você fez. E espero que o nosso exemplo na política se Sergipe vingue, que não fique apenas entre nós dois a ideia de que passada a eleição o cargo que cada um ocupar tem que servir ao Estado. E tenho certeza de que você continuará trabalhando para que nossa cidade cresça, para que Sergipe e o Brasil cresçam”, disse o prefeito.

Diante do exemplo de interação de figuras de cepas tão diferentes, a Coluna Aparte decupou na íntegra o discurso de Edvaldo Nogueira e ei-lo aqui. Quem faz política sem ódio, certamente vai compreender o gesto dele.

“Não podia deixar de estar aqui hoje, senão não seria eu, Edvaldo Nogueira, com esse jeito que penso e que me comporto na política e na vida pública. Vou repetir aqui uma história que para mim é muito importante repeti-la. Eu ganhei a eleição em 2016, no segundo turno, numa disputa disputada, dura, na qual o meu adversário tinha como vice o pastor Antônio, que está aqui ao meu lado. E que André Moura apoiou na eleição passada. Portanto, fomos adversários políticos na eleição passada.

Eu ganhei a eleição, sabia das dificuldades, sabia que tinha uma dívida imensa, sabia que havia muitos problemas e que não seria fácil enfrentá-los. Fiz um plano para isso. Mas percebi também que pelas próprias forças da Prefeitura eu conseguiria sair da crise, mas não realizaria as obras e os serviços que eu queria realizar, pelo menos nos dois primeiros anos.

Quando terminou a eleição, eu fui passar uma semana na Praia do Saco, porque perdi sete quilos e tive um problema de saúde, pequeno, que até num programa eleitoral eu quase desmaio. Diziam que eu ia morrer, que eu estava com câncer, que teria o mesmo fim de Marcelo Déda. Isso assustava o eleitorado. Eu fiquei muito magro mesmo. Mas eu fui comer para recuperar as energias. Passados os sete dias eu recuperei os sete quilos, peguei um avião e fui para Brasília visitar todos os deputados e senadores.

Liguei para o deputado André Moura, marquei uma audiência com ele. Cheguei lá, ele me recebeu, olhou assim pra mim, como quem diz: o que esse homem veio fazer aqui? Eu olhei assim pra ele, pensando: como é que esse homem vai me receber? Porque tínhamos feito uma disputa dura, difícil, pesada. E vocês viram que foi. Chegou no fim da campanha, o pau cantou. E eu disse: deputado, vim aqui porque preciso de sua ajuda. Sei que estivemos em lados opostos, diferentes, mas eu vim dizer que fui duro com vocês, assim como vocês foram comigo, mas eu já esqueci e queria que você esquecesse também. Desse jeito.

Ele olhou e eu continuei: para fazer os projetos que tenho, preciso de sua ajuda, porque o senhor é o líder do Governo - na época ele era líder da Câmara. Meus adversários diziam que eu não conseguiria recursos porque o meu partido era inimigo do partido do presidente, fizeram essa campanha durante o segundo turno inteiro. E nós marcamos uma reunião aqui em Aracaju. Eu mostrei todos os meus projetos e André Moura ajudou de maneira importantíssima.

Nós - eu e André - estamos inaugurando uma nova forma de fazer política, e eu quero aqui agradecer, como tenho feito. Dei uma ordem de serviço de R$ 20 milhões para as ruas da Atalaia e Coroa do Meio hoje de manhã, e os recursos foram conseguidos como empréstimo graças a ajuda do deputado André Moura.

E hoje eu fiz questão de, na hora do discurso, agradecer a André, mesmo sem ele estar lá, porque não preciso da presença dele para agradecer.

As pessoas acham que você só pode ajudar se estiver junto politicamente. Nós nunca conversamos sobre política. E a atitude dele perante a Prefeitura de Aracaju é louvável, difícil de encontrar na política de hoje. Ele podia ter me boicotado lá em Brasília, ter dificultado a minha vida, sem me dizer nada. Até dizendo que ia me ajudar, como muitos fizeram e fazem. Mas ele não fez isso. Pelo contrário: ele me ajudou e todos os recursos que nós conseguimos do Governo Federal agradeço a ele.

Eu tinha deixado, em 2012, um projeto de R$ 140 milhões aprovado para fazer a mobilidade urbana. Nós íamos perder, mas o deputado André me ajudou e reconquistamos o projeto; o projeto esteve aqui para assiná-lo e eu já dei ordem de serviço, vou mudar todos os semáforos, vou fazer quatro corredores de transportes, a maior revolução que nós vamos fazer no transporte coletivo e na mobilidade urbana na cidade de Aracaju, e tudo isso agradeço a André Moura.

Já levei André para ver as obras comigo, e ele fica encantado. Porque as obras mudam a vida das pessoas. Mais de R$ 310 milhões em obras e serviços foram liberados. O Forró Caju, que não fiz ano passado por falta de recursos – e foi a melhor coisa que decidi. Eu tenho a coragem de dizer não quando é preciso dizer não; de não fazer aquilo que não pode ser feito e de só fazer aquilo que a gente pode pagar.

 

Ano passado, em maio, eu fui para a TV falar que não teria Forró Caju, não botei a culpa em ninguém, não pedi para o meu secretário ir fazer. Eu mesmo fui. Esse ano, graças à ajuda, à colaboração do deputado André Moura, nós conseguimos R$ 3,8 milhões para a festa, o que possibilitou a realização de uma festa maravilhosa, com seis dias que fizeram a cidade respirar esse clima maravilhoso que é o clima do forró. 

Por isso, é que estou aqui hoje, para agradecer a André e para dizer que esse trabalho que ele tem feito é muito importante. Eu estou falando em nome da cidade de Aracaju, mas acompanho a libração de recursos para cidades do interior. Quero dizer também que tem algumas pessoas colocando na imprensa que os recursos liberados não virão. Os meus já saíram todos. Se não liberou para outro lugar, não sei, cada um fale por si, mas os meus estão todos em caixa e já estamos pagando. O que não veio é porque a gente não fez o projeto e não teve condições de liberar.

Temos obras até 2019, graças ao empenho e ao trabalho do deputado federal André Moura, por isso estou aqui. Eu vou encerrar lembrando da minha mãe, porque sempre me lembro muita dela - foi a pessoa mais importante da minha vida. Sempre falo muito dela, quero diminuir isso para que descanse melhor e fique só na minha lembrança, mas vou terminar dizendo o que aprendi com ela. Quando fui eleito vereador a primeira vez, ela me deu uma caneta de presente para assinar minha posse. Ela era parteira, muito humilde, e disse: vou lhe pedir três coisas. A primeira delas é que você não mude, eu achava que você não daria certo na política, mas acho que você vai crescer e quero que você permaneça a mesma pessoa, independentemente de onde você esteja. Segunda coisa: quanto mais você crescer, menos esqueça de onde você veio. Nunca esqueça.

Terceira coisa: se não puder fazer o bem, não faça o mal. Arranje um jeito. A última coisa quero dizer para você André, como ela dizia para mim: seja sempre grato a quem lhe ajudar. Eu vim aqui, por livre e espontânea vontade, para dizer que sou muito grato pelo que você fez pela cidade de Aracaju. A cidade lhe é muito grata por tudo que você fez. E espero que o nosso exemplo na política se Sergipe vingue, que não fique apenas entre nós dois, a ideia de que passada a eleição o cargo que cada um ocupar tem que servir ao Estado. E tenho certeza de que você continuará trabalhando para que nossa cidade cresça, para que Sergipe e o Brasil cresçam. Tenho certeza de que Deus reserva um futuro brilhante para você. Muito obrigado!”.