Aparte
Henri Clay não perde foco com críticas: “Tenho que discutir os problemas de Sergipe e do Brasil”
1ba505e0285d7f2e

Henri Clay Andrade: sem desvio de foco

O presidente licenciando da OAB/SE e pré-candidato ao Senado pelo PPL, Henri Clay Andrade, sente o baque que seus adversários da Ordem desferem contra a sua pessoa pública, mas admite com segurança que não vai desviar o foco da pré-campanha de senador para atender as demandas da pré-campanha pela eleição da OAB. 

Na edição de segunda-feira desta Coluna Aparte, o ex- presidente Carlos Augusto Monteiro Nascimento anunciou sua pretensão de disputar novamente o comando da Ordem e deu uma justificativa dura: “Quero voltar à Ordem para botá-la no lugar em que eu a deixei. Fazer com que a Ordem esteja em ordem, porque a Ordem hoje está uma verdadeira desordem. Está um verdadeiro “krauss””, disse, em trocadilho entre as palavras caos e Krauss, do vice- presidente Inácio Krauss, hoje no exercício da Presidência com “a licença de Henri Clay” para disputar o Senado.

Henri Clay Andrade percebe, sente, mas promete que vai manter a linha de equilíbrio. “Eu estou em outra. Agora o meu foco é outro. Eu sou um pré-candidato a senador. Não estou em campanha de OAB. Eu vou debater é com os candidatos a senadores”, diz Henri Clay.

“Não sou orientado por ninguém”, diz, eliminando possibilidade de orientação de marketing. E prossegue: “Eu penso comigo mesmo que tenho que discutir os problemas do Estado de Sergipe e do Brasil. O que eu tinha de fazer pela Ordem, fiz na hora certa”, reforça.

“Eu fui convocado pela classe da advocacia para ser candidato a senador para representar toda a sociedade. No mais, a classe está vendo o que ele (Carlos Augusto) está fazendo, tentando me puxar para baixo. Ele está a serviço de algum concorrente meu”, diz.

Para Henri Clay, o entendimento é de que seria positivo “para a classe de advogados ter um deles senador”. “Mas ele é de maior sabe o que faz”, diz.