YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author 4eb5c947b54eb69b
Jozailto Lima

É jornalista com 35 anos de experiência profissional. Antes do Cinform, trabalhou nos jornais Feira Hoje, Tribuna da Bahia, Jornal da Bahia, TV Subaé e Jornal de Sergipe.

Bé: Justiça determina que prefeito de Riachão do Dantas reponha estátua do Bode Bito
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
0966ecf8a52747b1

Bode Bito: de volta ao pedestal da fama caprina

A partir de uma ação promovida pelo Ministério Público do Estado de Sergipe - MPE -, o Poder Judiciário de Sergipe determinou, na tarde desta quinta-feira, que a Prefeitura de Riachão do Dantas, no Centro-Sul do Estado, “promova a recolocação da estátua do Bode Bito ao local de origem”. Ou seja, no pedestal que a ostentava na entrada da cidade. Para isso, o Executivo tem cinco dias.

O Bode Bito foi uma figura folclórica que marcou, afetiva e culturalmente, a comunidade de Riachão do Dantas e ganhou fama em Sergipe e no Brasil afora com seus modos quase humanizados de se relacionar com a comunidade e com os visitantes.

Animal de estimação de um sitiante cravado à beira da cidade, o Bode Bito era do tipo que entrava em igrejas, acompanha cortejos fúnebres e prestava a atenção em tudo quanto fosse concentração da humana gente riachãoense e turística. Havia até quem defendesse que Bito tinha, também, algo de humano.

Com a morte de Bito, o ex-prefeito Laelson Menezes erigiu a estátua à memória desse caprino querido e idolatrado. Aparentemente, nada de anormal. Mas o atual prefeito, Pedro Santos Oliveira, o Pedro da Lagoa, PT, que está no posto como interino exatamente pelo afastamento da prefeita Gerana Costa, esposa de Laelson, achou por bem banir a imagem de Bito da comunidade. Do pedestal da rodovia que passa na beira da cidade, ligando Lagarto a Tobias Barreto.

Para Pedro da Lagoa - e para mais alguns medalhões do bom comportamento da cidade -, o lado folclórico do culto a Bito estava ridicularizando o município de Riachão, depreciando os humanos do lugar. Convenha-se: isso não passa de uma bobagem, de um preconceito exacerbado.

Sendo assim, a decisão da juíza Érica Magri Milani é mais do que acertada. É justa. Como o é em caráter liminar, a magistrada Érica Milani determinou uma audiência de conciliação para o dia 23 de janeiro de 2018, às 11h, no Fórum da Comarca, com a presença do prefeito Pedro da Lagoa para discutir finalmente a questão.

A determinação de Érica Magri Milani, por ser justa, é demasiada razoável. Que, para além de uma decisão liminar, ela confirme-se em definitivo. Afinal, nem só de gente se faz estátua. E que mal há que um bode em estátua simbolize a alegria de um lugar? Leia agora a íntegra da decisão liminar.