YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author bc92de88786c313d
Jozailto Lima

É jornalista há 36 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

Belivaldo Chagas aceita demissão de Ademário e indica gestor público para Sefaz 
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
4b97b862c927d435

Belivaldo Chagas: Ademário cumpriu o traçado

Conforme informou o Portal JLPolítica na nota Sefaz não confirma pedido de demissão do secretário Ademário Alves, postada às 11h42 desta sexta-feira, 8, o secretário de Estado da Fazenda pediu mesmo para deixar o comando da Secretaria, e o governador Belivaldo Chagas, PSD, aceitou. Para o lugar dele, indicou um gestor público de carreira.

A confirmação do pedido de exoneração foi feita às 18h53 pelo próprio governador Belivaldo Chagas, num comunicado pelo tuiter. “Informo que o executivo Ademário Alves, que vinha respondendo pela Secretaria de Estado da Fazenda, foi deslocado para a Superintendência-Executiva da Secretaria Geral de Governo, onde irá atuar no acompanhamento da aplicação financeira do planejamento estratégico, que está sendo elaborado pelo governo para os próximos quatro anos”, escreveu Belivaldo.

“Ademário cumpriu com dedicação e comprometimento a sua missão à frente da Sefaz ao encontrar soluções que ajudaram no cumprimento das aplicações financeiras constitucionais do Governo no exercício de 2018. No seu lugar, assume interinamente o gestor público Marcos Vinicius Nascimento, que atualmente ocupa o cargo de superintendente Especial da Sefaz”, disse Chagas. Ademário veio do BNB trazido especialmente por Belivaldo tão logo virou governador efetivo em abril do ano passado.

Mas a decisão de Ademário Alves de deixar a Sefaz não foi tomada nesta sexta-feira. Desde antes do Carnaval, ele havia comunicado esta intenção a Belivaldo Chagas. O governador tentou dissuadi-lo, não obteve sucesso e nesta sexta-feira acolheu o pedido.

Segundo o secretário de Estado de Comunicação, José Sales Meto, o Marcos Vinícius é um dos executivos de carreira entrados no Estado pelo concurso público promovido pelo ex-governador Albano Franco na década de 1990 e um quadro eminentemente técnico. “Ele é um quadro especializado em finanças públicas. É gestor público. E tem conhecimento prático das finanças da Sefaz. É um homem de números, planilhas. É um cara que entende as particularidades das finanças públicas, que não é uma atividade para qualquer um. Ele conhece as regras, as leis e todo o emaranhado dessa área. Assim como o Ademário, mas ninguém poderia forçá-lo a permanecer”, afirma Sales.