Aparte
Opinião- "Justiça parcial x Justiça seletiva"
C0e2f06c98d6a5a8

[*] Hebert Pereira

Nesses episódios de prisões de políticos, nunca se viram tantos ataques às instituições policiais, ao Ministério Público e até ao Judiciário.

Os políticos investigados e seus serviçais se encarregam logo de orquestrar as ofensivas para tentar desqualificar a atuação dos órgãos que os acusam, apontados parcialmente de suposta perseguição a autoridades a serviço de grupos políticos adversários.

Mas, uma coisa que tem me intrigado é que, mesmo diante da robustez das provas apresentadas para acusar, ainda assim, tentam desqualificar a atuação dos órgãos acusatórios, sustentando, não a parcialidade, mas  a seletividade nas investigações e acusações.

Ou seja, nem se preocupam em admitir tacitamente seus erros. A maior preocupação é de dizer que os adversários também erraram e não são investigados ou punidos, para tentar configurar que a atuação dos acusadores é ilegítima.

Nesse caso, será que é? Daí a importância de distinguir a "justiça parcial" da "justiça seletiva".

Pois a "justiça parcial" é injustiça. Na medida em que ocorrem investigações e julgamentos eivados de parcialidade, isto é, com a distorção da verdade para acusar mesmo que sem provas, ou para absolver, quando estas são abundantes.

Já a "justiça seletiva" é justiça pela metade, incompleta. Mas, no que se aproveita, é justiça. E isso ocorre quando há uma omissão deliberada de órgãos de investigação e acusação diante dos mal feitos de uns, enquanto há uma forte repressão aos mal feitos de outros.

Diante disso, restam claras duas visões acerca da indagação feita há pouco. Para os políticos sem ética e seus serviçais, a "justiça parcial" e a "justiça seletiva" sempre são abomináveis quando lhes prejudicam. Mas adoráveis quando lhes beneficiam.

E para os cidadãos e políticos éticos a "justiça parcial" é sempre reprovável.  Enquanto a "justiça seletiva" é legítima no que se aproveita, mas defendem a sua completude, para se tornar "justiça plena, ao invés de preferirem a total impunidade e injustiça, a pretexto de igualdade de tratamento aos que cometem crimes.

[*] É advogado e militante do Rede Sustentabilidade.