Aparte
Valadares Filho: “Não vou jamais lavar as mãos no processo sucessório de 2020”
D9e82aadfe7ec90f

Valadares Filho: dever de ofício de não se omitir em Aracaju

O ex-deputado federal e presidente estadual do PSB de Sergipe, Valadares Filho, observa como promissora a intenção do seu partido de abrir frentes de boas candidaturas a grandes prefeituras brasileiras no ano que vem.

E neste contexto, Valadares Filho garante que seu nome tem lugar especial: vai para a terceira eleição de prefeito da capital dos sergipanos em 2020. Ele a disputou em 2012 e em 2016.

“A minha responsabilidade para com Aracaju é muito grande: eu obtive 48% dos votos aracajuanos em duas eleições seguidas. Consequentemente, não vou jamais lavar as mãos no processo sucessório de 2020”, diz o ex-deputado.

As duas eleições referidas por Valadares Filho são as de prefeito em 2016, quando perde para Edvaldo Nogueira, PCdoB, num segundo turno, e de governador, em 2018, quando tombou frente a Belivaldo Chagas, PSD, identicamente num segundo turno.

“Eu não penso numa possibilidade de não vir a ser candidato a prefeito de Aracaju ano que vem. A candidatura é uma construção, e eu vou fazer ao meu estilo. Vou fazer primeiro dialogando com a sociedade, e depois com os aliados. Vou tentar uma aliança sólida, coerente, programática”, diz.

“Eu estarei na linha de frente desse processo, trabalhando mais uma candidatura, e não vou, em hipótese alguma, ficar omisso em relação às mentiras de Edvaldo Nogueira. Porque o Governo de Edvaldo é um Governo da mentira. É um governo que não cuida dos aracajuanos”, diz.

“É um governo que não cumpriu a promessa de resolver o aumento do IPTU, que não conseguiu licitar transportes públicos, que não conseguiu equacionar os problemas da saúde pública, e temos uma infraestrutura dos bairros periféricos de Aracaju muito aquém da que poderíamos alcançar. Eu tenho a responsabilidade de apresentar todas as denúncias contra esse Governo que quer enganar a população. Se eu fosse omisso diante de tudo isso mostraria o meu não-compromisso com Aracaju”, avisa.

Valadares Filho pontua uma série de possibilidades de candidaturas do PSB em capitais. “Em 2020, o PSB se prepara para ter candidaturas nas grandes cidades brasileiras, a começar pelas capitais. Nós teremos a pré-candidata Lídice da Mata à Prefeitura de Salvador, ou o presidente do Bahia, Guilherme Bellintani. Com este, existe um diálogo para que se filie, e se ele fizer isso, Lídice não seria candidata”, avisa.

“Em Maceió, Alagoas, existe a possibilidade do deputado federal JHC vir a disputar a Prefeitura. Em Recife, pensamos em João Campos, deputado federal, filho do ex-governador Eduardo Campos. Em João Pessoa, o ex-governador Ricardo Coutinho, que comanda o processo por lá, está discutindo três nomes. Em Natal, no Rio Grande do Norte, nós teremos o deputado federal Rafael Motta. Em Fortaleza, existe a possibilidade do governador Camilo Santana se filiar ao PSB, e coordenar a sucessão municipal dali já com o grupo dele no nosso partido - e lá, não tem o nome ainda por causa desse diálogo em construção”, diz Valadares.

“Em São Luis, no Maranhão, o PSB tem uma aliança com o governador Flávio Dino, do PCdoB, de modo que não temos ainda um candidato. Em Teresina, no Piauí, há a possibilidade de coligação com os partidos mais à esquerda, como o PDT e o próprio PT, e também não temos nome ainda. No Sudeste, nós vamos com a candidatura de Márcio França à Prefeitura de São Paulo. No Rio de Janeiro, teremos Alessandro Molon. E em Belo Horizonte, Minas Gerais, a candidatura de Júlio Delgado. Em Vitória, no Espírito Santo, o governador Renato Casagrande, que é do PSB, trabalha a ideia de uma candidatura própria à Prefeitura, mas não tem um nome ainda definido”, diz o ex-deputado.

“No Sul, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Beto Albuquerque se coloca como pré-candidato, mas não tem uma definição ainda. Em Curitiba, no Paraná, o deputado federal Luciano Ducci se coloca como pré-candidato e é um nome importante, porque já foi inclusive prefeito daquela capital. Fora disso, vamos ter um candidato muito bom em Goiânia, Goiás. Nós temos a prefeita de Rio Branco, no Acre, Socorro Neri, e ela vai tentar a reeleição. E em Porto Velho, Rondônia, o deputado federal Mauro Nazif, que já foi prefeito, disputará a Prefeitura”, afirma Valadares Filho.