Aparte
OPINIÃO - Eu não voto em Jair Bolsonaro
9eae9f0ae36706dd

[*] Lúcio Flávio M. Rocha

E recomendo que você também não vote. Minha intenção com este texto não é apenas a de que você compreenda a minha escolha, mas que você também reflita sobre a sua.

Esta eleição certamente marcará a nossa história para sempre. Seremos privilegiados por podermos ter feito parte dela.

Vem daí a responsabilidade quanto ao nosso voto. Quem me conhece na intimidade, sabe que eu repudio a idolatria a pessoas, heróis e salvadoras da pátria. Meu único “ídolo” é Cristo. 

Mas, mesmo pensando desta forma, preciso fazer um ato de justiça. O fato é: muita gente não suporta o Jair Bolsonaro por ele ter falado um monte de “bobagens” algum dia em sua vida. 

Sim, de fato isto não é apenas uma opinião: ele falou mesmo no passado muita coisa que um parlamentar não deveria falar publicamente e ele mesmo reconhece e se arrepende disto.

Mas uma coisa precisamos admitir: eu não posso ser egoísta ou infantil a tal ponto de achar que devo escolher o presidente do meu país como se escolhesse a uma namorada (ou namorado) ou uma pessoa do meu convívio. 

Não é porque a voz dele me irrita ou porque algo que ele tenha falado no passado me magoou que devo condená-lo eternamente. Isto não é crime! Trata-se apenas da falta de afinidade ou simpatia. Seria uma forma de escolha de voto muito simplória e até egocêntrica. 

Bolsonaro não será um presidente de apenas uma pessoa, apenas meu ou seu, mas de toda uma nação, de um país gigante, continental. 

Por isso, por entender que não devemos fazer da política um projeto personalista, de pessoas, mas de estado ou nação, é que eu digo: não vote em Bolsonaro. Porque ele não será apenas uma simples pessoa. Ele representará a sua pátria.
 
Pensando assim, recomendo que você vote no Brasil. Escolha votar por todos, ao invés de votar pela sua conveniência individual ou pessoal, pela sua simpatia ou afinidade. O voto em Bolsonaro não é apenas um simplesmente voto nele. 

Há um imenso simbolismo nisto. É um voto contra a corrupção. É um voto a favor da pátria, das leis, da honra. É um voto a favor da verdade e um cala a boca na mentira. É um voto que diz “não” à gastança do dinheiro público, por não ter ele utilizado um centavo do fundão. É um voto a favor da lava jato. É um voto a favor da segurança pública. 

O voto em Bolsonaro não é apenas um voto: é um grande recado. Pouco importa se você gosta dele ou do que ele faz. Guarde a sua raiva. Ela passará algum dia, pois você não dormirá na mesma cama que ele. O que ele simbolicamente representa, fala muito mais alto do que a pessoa que o candidato de fato o é.

Na verdade, não só fala, como grita: é o povo quem tem o verdadeiro poder. Não é mais a imprensa, não é mais o tempo de TV, não é mais o dinheiro que definem uma eleição.
Por tudo isso, quero te lembrar que votar no PT, que teve recentemente quatro mandatos presidenciáveis sucessivos, que fez os nomes dos dois últimos presidentes do país, em mais de uma década de Governo, nos deixou a herança da pior recessão da história, com desemprego e inflação altíssimos, maior índice de falência de empresas, Petrobras endividada, com a gasolina mais cara do mundo e o maior esquema de corrupção já visto no planeta.

 Votar no PT é a certeza de apostar na tragédia que já foi demasiadamente testada e reprovada. Não há mais dúvidas disso. É não se preocupar com o fato de que corremos o risco de virarmos uma Venezuela, pelo simples fato de “não simpatizar com a cara” do tal candidato. Por uma simples birra. É não se importar com o crime e a violência que assolam o país. É atestar que o crime compensa.

Enquanto que o PT é a certeza da tragédia, Jair Bolsonaro tem pelo menos a vantagem da dúvida. Não é tão difícil perceber isso!
 
Por isso, quero convidar você a deixar de lado a sua raiva ou antipatia ao candidato, guardar tudo em uma gaveta, e pensar por um novo ponto de vista: você tem certeza que marcará a sua história votando novamente em um partido que fez tanto mal ao País? 

Reflita. Se nenhum dos argumentos anteriores lhe forem convincentes, pelo menos use da sua consciência para entender que uma das melhores ferramentas da democracia é mesmo a alternância de poder. Não há nenhuma justificativa democrática razoável para se permitir que um único partido mantenha-se no poder máximo do país por tanto tempo - 20 anos. 

Por mais que você ame esse partido, votar nele neste momento não seria nada democrático.
Lembre-se: na urna, serão apenas você, Deus e a sua consciência!

Veja como você quer marcar a sua participação neste momento histórico para o nosso futuro e imagine se os seus netos se orgulharão ao saber disso.
 
[*] É publicitário, empresário e coordena o Movimento Brasil200 em Sergipe.