YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author 4eb5c947b54eb69b
Jozailto Lima

É jornalista com 35 anos de experiência profissional. Antes do Cinform, trabalhou nos jornais Feira Hoje, Tribuna da Bahia, Jornal da Bahia, TV Subaé e Jornal de Sergipe.

Enquanto classe política briga, Estado paga a fatura do atraso
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
6e331fe3c5e4f133

Antônio Carlos Valadares: foi ele o sucedido?

De fevereiro até ontem, a Coordenação Política da bancada de Sergipe no Congresso Nacional vivenciou uma condição meio acéfala. Ou seja, sem cabeça. Sem que se soubesse ao certo quem exercia esse papel.

Afinal, neste período o coordenador era o deputado federal Laércio Oliveira, SD, ou era o senador Antonio Carlos Valadares, PSB? Houve, nesse intervalo, meio que uma duplicidade de achismo e uma nulidade no real: Laércio achava que era ele e Valadares, idem.

Todos viram como foi a briga (coisa horrenda) em fevereiro passado pelo mando desse espaço. O deputado achou que levou; o senador, metido a bom de pernadas, que nunca o perdeu.

Valadares ostentou documento da Comissão Mista do Orçamento, a quem a Coordenação deve obediência, que dizia que o modelo de eleição que teria consagrado Laércio coordenador não foi válido.

De modo que restou a pergunta: nesta quinta-feira, o deputado federal Pastor Jony Marcos sucedeu a Valadares ou a Laércio? Ou não foi isso?

Mas, embora Jony tenha obtido um quórum legal, tudo bem amarradinho, de novo o processo não foi pacífico. Tanto que Laércio Oliveira, sequer votou. E saiu chateado. Batendo portas. A lição que fica é a da desagregação da classe política local.

Uma desagregação que cingiu Sergipe antes de 2012 e que perdura até hoje. Perdura e gera prejuízos generalizados no casco do Estado, com atraso em seu avanço social, com desrespeito ao seu povo, ao seu futuro e com escassez de investimento público federal. Tudo por aí - BA, AL, PE, PI - avançou. Só Sergipe não.

Certamente, o episódio da escolha de Jony não vai influir sobre ânimos mais serenos. Vem aí um 2018 onde pedras brutas vão rolar, os interesses político-eleitorais estarão em inflamados e o Estado pagará a fatura do atraso.