YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author bc92de88786c313d
Jozailto Lima

É jornalista há 36 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

Jeferson quer reeleição, mas se PSD lhe indicar pra vice, aceita
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
975fe3a1b059fb4c

Jeferson Andrade: grupo coeso e com novas filiações em vistas

O debate sobre a possibilidade de o PSD assumir um espaço generoso na chapa liderada pelo governador Jackson Barreto à sucessão ano que convence a outra ala deste partido, que é lidera pelo deputado estadual Jeferson Andrade.

Este parlamentar de segundo mandato, que sucedeu ao pai Ulices Andrade em 2010, desenvolve uma linha em sintonia com a defesa que tem sido feita pelos deputados Luiz Mitidieri e Fábio Mitidieri, de que o PSD se constitui num grupo forte e que não pode ficar fora da chapa majoritária.

Eles cercam até o alvo: querem a Vice-Governadoria na chapa que nascer dos governistas. E citam, entre tantos nomes a ocupar este espaço, o do próprio Jeferson, além dos de Luiz, Jorge Araújo e Bosco França.

“Não estou brigando por este espaço. Todo o foco do meu trabalho, em 100%, está voltado para a minha reeleição. Mas se os partidos da base se entenderam, chegarem à conclusão de que a Vice-Governadoria caberá ao PSD e internamente o PSD me indicar, eu aceito”, pondera Jeferson.

E para aceitar, Jeferson Andrade junta ao arsenal do PSD liderado pelos Mitidieri o portfólio do PSD, ou de lideranças avulsas e de outras siglas que lhe dão sustentação. E é algo vistoso: são cerca de 15 prefeitos, todos eles com seus respectivos vices. Sem contar os vereadores.

Neste pacote entram municípios pequenos, como Malhada dos Bois e Cedro de São João, médio como Riachuelo, e de bom porte, como Canindé e Cristinápolis.

“Eu sei que a gente tem um grupo coeso e virão novas e importantes filiações por aí”, diz Jeferson. Esta coesão lhe garantiu 33.726 votos em 2010, proporcionando-lhe o terceiro lugar entre os mais votados, e 33.898 – 172 a mais – em 2014, para a reeleição, agora como quinto.