YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author 4eb5c947b54eb69b
Jozailto Lima

É jornalista com 35 anos de experiência profissional. Antes do Cinform, trabalhou nos jornais Feira Hoje, Tribuna da Bahia, Jornal da Bahia, TV Subaé e Jornal de Sergipe.

Márcio Macedo: “O único resultado justo para o dia 24 é absolvição de Lula”
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
9741361d4330b01d

Márcio Macedo: só haverá justiça se Lula foi inocentado

Para o PT, só existe um resultado válido para o julgamento da apelação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo no qual foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, cuja definição vai sair no dia 24 deste mês pela quarta turma do Tribunal Regional Federal de Porto Alegre.

“O único resultado justo para sair de lá em respeito à legislação brasileira e ao estado democrático de direito é a absolvição de Lula”, diz a esta coluna o vice-presidente nacional do PT, o sergipano Márcio Macedo. A sessão de julgamento de Lula ocorrerá 196 dias após a sentença de primeira instância, proferida em 12 de julho pelo juiz Sergio Moro - que o condenou a nove anos e seis meses de prisão.

É isso que vai ser confirmado ou negado. Para além do mel da absolvição, Márcio Macedo quer permissão para candidatura presidencial de Lula a qualquer preço. “Estou defendendo, e essa corrente já tem maioria na Executiva hoje, que no dia 25 a Executiva Nacional, independentemente do resultado do dia 24, lance a pré-candidatura de Lula à Presidência da República”, diz Márcio.

Aparte - O que o senhor acha que dará no dia 24 na esfera de Lula?
Márcio Macedo -
É algo imprevisível. Nós queremos que dê o respeito à democracia e ao estado democrático de direito. Não se pode condenar um homem sem crime.

Aparte - O que significa respeitar o estado democrático de direito?
MM -
Significa que o único resultado justo para sair de lá em respeito à legislação brasileira e ao estado democrático de direito é a absolvição de Lula.

Aparte – O senhor e o PT sentem que tem clima para isso?
MM –
Nós esperamos que haja justiça. Se a constituição e o estado democrático de direito forem respeitados, não tem outra alternativa além da absolvição dele, já que não há crime. A condenação sem crime é um estupro ao estado democrático de direito.

Aparte - Mas entre o que o que o senhor idealiza e o que o senhor imagina que dará, acha que pode vir o que?
MM -
Cabeça de juiz você não pode nunca precisar, não é? Eu poso falar que não há crime, que o processo é injusto e que para respeitar a democracia e a constituição só com a absolvição dele. Esse seria o caminho legal. Mas se isso será respeitado, isso é uma incógnita. Todos estamos na expectativa.

Aparte - Qual é o procedimento do PT em suas diversas instâncias nesses 15 dias, de hoje até o dia 24?
MM -
O PT tem um calendário de mobilização junto aos movimentos populares-sociais e os demais partidos de esquerda, com atividades em diversos Estados: dias 10 e 11 na Bahia - ato na Lavagem do Bonfim pelo direito de Lula ser candidato; dia 13, é o lançamento no país inteiro do comitê pela democracia e do direito de ele ser candidato; aulas de juristas no dia 22; abaixo-assinado internacional e nacional de intelectuais, artistas; também no dia 22 vai haver uma aula pública lá no julgamento do processo da Lava Jato e uma caminhada em Curitiba no dia 24. Afinal, tem mobilização no país inteiro.

JLPolítica - O PT trabalha uma janela nova, uma saída, para o caso de inviabilizarem Lula como pré-candidato?
MM -
Não trabalhamos com isso não. Inclusive, estou defendendo, e essa corrente já tem maioria na Executiva hoje, que no dia 25 a Executiva Nacional, independentemente do resultado do dia 24, lance a pré-candidatura de Lula à Presidência da República. Essa deverá ser a iniciativa do partido dele, que será apresentada aos movimentos.