YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author bc92de88786c313d
Jozailto Lima

É jornalista há 36 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

Padre Inaldo diz que Socorro fecha 2018 com balanço positivo, obras e dentro da LRF
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
771358c681a75c2a

Padre Inaldo: "Esperamos muito mais para 2019"

A segunda maior cidade sergipana, Nossa Senhora do Socorro, vai terminar o seu segundo ano da gestão do atual prefeito Padre Inaldo Luis da Silva, PCdoB, com as contas equilibradas, dentro dos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal, com um saldo positivo de obras e sonhando com um 2019 e um 2020 bem melhores.

A síntese desse condição foi revelada na manhã desta quinta-feira,13, pelo próprio prefeito Padre Inaldo Luis da Silva durante um café da manhã e uma visita a uma grande obra de moradia popular na cidade, um conjunto de mil unidades feito pela Construtora JFilhos. 

“O balanço é positivo, mesmo diante das dificuldades, da problemática em que nós pegamos a Prefeitura, com uma dívida de R$ 211 milhões, mas conseguimos negociar com a Receita Federal, com vários fornecedores e demos andamento a todo o processo do nosso município”, diz Inaldo Luis.

Segundo Inaldo, o projeto de mil moradias realizado pelo Minha Casa Minha Vida, numa prospecção direta da JFilhos junto ao Ministério das Cidades em parceria com a Prefeitura, é um enorme alento diante de um déficit de 6 mil unidades de habitações populares para Socorro. 

“Se Deus quiser, no Natal de 2019 as famílias terão acesso aos seus imóveis”, garantiu o empresário e diretor da JFilhos, Evislan Souza. “A Prefeitura vem sempre lutando para estar em dia com a folha de pagamento. Ontem mesmo pagamos o 13º. Mas damos também prioridade a pagar a todos os fornecedores”, diz o prefeito.

Aparte - Qual o balanço desses dois anos de gestão? 
Padre Inaldo Luis da Silva -
Olha, o balanço é positivo, mesmo diante das dificuldades, da problemática em que nós pegamos a Prefeitura, com uma dívida de R$ 211milhões, mas conseguimos negociar com a Receita Federal, com vários fornecedores e demos andamento a todo o processo do nosso município.

Aparte – Mas as coisas andaram?
PI –
Sim. Mesmo com isso, conseguimos dar um reajuste aos servidores públicos. O ano passado, de 7%. Agora em 2018, de 5%. Conseguimos pagar o piso dos professores e conseguimos vários projetos: construímos quatro creches e entregamos à população; compramos sete ambulâncias com recursos próprios, dez carros para servir melhor à comunidade e dar conforto aos servidores da saúde. Fizemos três praças, uma no Fernando Collor, uma no João Alves, no mutirão, e outra no Santa Cecília. Entregar dois ginásios de esportes, ampliamos e reformamos vários postos de saúde, construímos uma Unidade de Pronto Atendimento que vamos entregar à população no próximo ano, no conjunto Jardins que vai contemplar toda aquela região - conjunto Jardins, Parque dos Faróis, Guajará, Palestina. Enfim, de forma que estamos muito felizes, e hoje aqui mostrando para a sociedade essas mil casas, realizando o sonho da casa própria para mil famílias. 

677c4ee8cdfe123aConjuntos residenciais Vila Formosa I e Cidade das Flores I: moradia e desenvolvimento

Aparte - O senhor já conseguiu ver diferença de 2017 para 2018 do ponto de vista de tocar o município? 
PI –
Sim. Em 2018 foi mais tranquilo, porque conseguimos várias parcerias, já estávamos conhecendo a máquina de forma que facilitou para que a gente conseguisse esses benefícios.
 
Aparte - O que o senhor espera para 2019? 
PI -
Esperamos muito mais para 2019. Temos vários projetos que estão encaminhados para serem realizados e vamos lutar juntos. Estamos na esperança de que esse novo presidente olhe para os municípios com carinho e abra as portas de Brasília para que os benefícios cheguem para a população de um modo geral.

Aparte - O que significam esses dois conjuntos com as mil unidades habitacionais pra Socorro, em face do déficit habitacional da cidade? 
PI –
Essas mil casas significam o desenvolvimento. Significam um grande avanço diante desse déficit. Socorro tem hoje um déficit de mais 6 mil unidades, e conseguir mil de imediato vale muito. Há muitas pessoas que sofrem por não terem onde morar, ou moram de aluguel e agora vão realizar o sonho da casa própria. Nisso eu agradeço muito aos executivos da Construtora JFilhos, principalmente ao Evislan Souza, que nos ajudou a conseguir essas unidades, em duas etapas diferentes mas realizadas de uma só vez. Antes mesmo de a gente tomar posse em 2017, ele já tinha, logo depois das eleições de 2016, sugestão desse projeto. E esperamos mais. 

41c6821044a81d03Diretor da Construtora JFilhos , Evislan Souza, fala sobre o projeto habitacional

Aparte - O senhor acredita que o programa Minha Casa Minha Vida tem futuro nesses dois anos que lhe restam à frente da gestão municipal, 2019 e 2020?
PI –
Sim. Tem futuro sim. Creio que esse programa pode trazer mais benefícios para Socorro, para a sua população. É através desse programa que as pessoas mais simples, mais humildes, realizam o seu sonho e conseguem vivenciar uma nova realidade. Um novo projeto com a família.

Aparte - A sua gestão encerra 2018 dentro da Lei de Responsabilidade Fiscal?
PI –
Encerraremos, sim. Fizemos vários reajustes buscando trazer novos recursos para que o limite prudencial e o encaixe naquilo que é determinado em lei. 

Aparte - A Prefeitura está em dia com os fornecedores?
PI -
A Prefeitura vem sempre lutando para estar em dia com a folha de pagamento. Ontem mesmo pagamos o 13º. Mas damos também prioridade a pagar a todos os fornecedores, que têm sido grandes parceiros. Naquele mês que aperta mais, que temos mais dificuldades, conversamos e eles compreendem. Se você conversar com os fornecedores, respeitá-los, vê neles aquela satisfação. A prova disso é que antigamente tinha muita desistência nas licitações, mas hoje ninguém desiste. As pessoas buscam servir, justamente porque o pagamento está sendo em dia. 

Aparte - Há dívida de longo prazo a ser cumprida?
PI –
Há, sim, dívida de longo prazo com a Receita Federal. São de 120 meses e de R$ 5 milhões mensais.