YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author 4eb5c947b54eb69b
Jozailto Lima

É jornalista com 35 anos de experiência profissional. Antes do Cinform, trabalhou nos jornais Feira Hoje, Tribuna da Bahia, Jornal da Bahia, TV Subaé e Jornal de Sergipe.

Para comandar o MPE, Belivaldo escolhe Eduardo D’ávila. Machado havia sido o mais votado
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
01f24418b66bad42

Eduardo D’ávila: o menos que terminou com mais

O promotor de Justiça Manoel Cabral Machado Neto, 41 anos, não vai ser o procurador-geral do Ministério Público do Estado de Sergipe, apesar de numa eleição direta da categoria no dia 22 do mês passado, ele ter sido o mais votado.

Machado Neto ganhou para o procurador de Justiça Eduardo D’ávila, 56 anos. Foi uma eleição de 104 votos a 58 votos, com os membros do MPE podendo votar nos dois ao mesmo tempo.

Na tarde desta quinta, 1º de novembro, o governador Belivaldo Chagas, de posse da lista dúplice com o nome deles, preferiu nomear procurador-geral Eduardo D’ávila.

A possibilidade de o governador lançar mão desta prerrogativa foi anunciada em nota desta Coluna, na qual Belivaldo Chagas dizia que não tinha compromisso em seguir a linha do mais votado. A nomeação feita pelo governador deve chegar ao Diário Oficial na próxima segunda-feira, dia 5.

Entre os dois candidatos, a possibilidade de que o governador se valesse do livre direito de escolher a quem ele bem entendesse, foi discutida pelos dos candidatos no dia mesmo da eleição aqui neste espaço.

“O governador tem a prerrogativa de nomear quem esteja na lista. Se não me nomear, eu vou compreender”, disse Machado, como se estivesse antevendo a decisão neste sentido.

Eduardo, por sua vez, admitiu que “em hipótese nenhuma” ficaria cabreiro se fosse nomeado, mesmo tendo sido o menos votado. “A regra constitucional permite que ele (o governador) escolha um dentro de três de uma lista tríplice. Se for lista dúplice, dentre os dois dela. O governador tem liberdade para isso. Não é impositivo”, disse Eduardo.

Por uma coincidência, o governador Belivaldo Chagas terminou escolhendo o candidato para quem o atual procurador-geral, o promotor de Justiça Rony Almeida, fez campanha.

Manoel Cabral Machado Neto emite nota em tom de decepção contra Belivaldo Chagas, Eduardo D'Ávila e Rony Almeida. Leia:

B15d0a9821593e56Machado Neto: registro de profunda decepção

Na data de hoje o Governador Belivaldo Chagas nomeou o Dr Eduardo D’Ávila para chefiar o MP/SE no próximo biênio. 

Desejo ao Dr Eduardo bom êxito.

Agradeço a todos pelos votos e apoio.

Registro minha profunda decepção pelo desrespeito à vontade esmagadora dos membros, já que 
tivemos praticamente o dobro dos votos do nosso adversário e, na história do MP/SE, sempre foi nomeado o candidato mais votado. 

Lamento ainda que o Procurador-Geral de Justiça Dr Rony e o Dr Eduardo tenham abandonado o compromisso histórico de apoiar o mais votado, seja na condição de ex-Presidentes da ASMP, seja na de candidatos que, juntamente comigo, assumiram esse compromisso por escrito.

A busca de apoios externos para que não prevalecesse a tradição histórica de escolha do mais votado também foi mais uma triste página da história do nosso Ministério Público.

Continuarei agindo de forma transparente e democrática, com respeito à vontade da classe.

Manoel Cabral Machado Neto