Aparte
De Gustinho Ribeiro para Fábio Reis: “Deputado, pare de fazer terrorismo com o povo de Lagarto”
08189489efd8509c

Gustinho Ribeiro: “Ameaçar a população não é papel de pessoa séria. Fábio só está mesmo é atrapalhando”

Em constantes entrevistas em uma emissora de rádio aliada sua em Lagarto, o deputado federal Fábio Reis, MDB, tem atacado a Prefeitura de Lagarto sobre renovação da concessão dos serviços de coleta de esgoto e fornecimento de água junto com Deso. O deputado do MDB atribui a isso, inclusive, riscos de falta de água na cidade, aos debates que a Prefeitura vem realizando com o Governo do Estado sobre a questão.

Na manhã do último sábado, 1º, chegou uma resposta às falas de Fábio Reis. Ela veio de uma fonte de tríplice calibre: o deputado estadual, deputado federal eleito e esposo da prefeita em exercício Hilda Ribeiro, Gustinho Ribeiro, SD. E de forma dura.

“Deputado, procure seu lugar. Coisa feia ficar fazendo terrorismo com a população lagartense, dizendo que vai faltar água se a Prefeitura não assinar a renovação. Essa atitude demonstra que quer se cacifar para disputar a Prefeitura em 2020 e que também quer barganhar com o governo em busca de cargos na companhia de abastecimento”, disse Gustinho Ribeiro, sem rodeios.

Mas Gustinho Ribeiro foi mais além. “Fábio está em Brasília há três mandatos, mas tudo o que ele quer é chegar à prefeitura lagartense, como parte de um plano de seu irmão, Sérgio Reis, para comandar uma das prefeituras mais fortes economicamente do Estado”, avisou Gustinho. “Mas o povo de Lagarto está vacinado contra esse tipo de interesse pessoal”.

Gustinho Ribeiro aproveita para tranquilizar os lagartenses. “Valmir Monteiro e o governador Belivaldo já vinham conversando para resolver essa questão entre as duas instâncias executivas, que é o espaço para esse tipo de discussão. E a agora prefeita em exercício Hilda Ribeiro manterá essa mesma postura, continuará esse diálogo, pois é isso o que deve ser feito por pessoas públicas sérias”, disse Gustinho.

“O deputado Fábio, em nenhum momento tem poder para decidir sobre esse assunto, que será definido pelos governos municipal e estadual. Ameaçar a população, dizendo que faltará água porque a prefeitura não assinou uma concessão não é o papel de uma pessoa séria e que se preocupa com a o bem estar do povo. Fábio só está mesmo é atrapalhando as negociações com essa postura”, disse Gustinho.

“E a prefeitura tem três opções nessa questão. A primeira é abrir licitação para que empresas privadas também possam concorrer e quem vencer a concorrência prestar os serviços de abastecimento e esgotamento. A segunda é instalar uma companhia municipal, como já existe em Capela, em Estância, e fazer a gestão através de equipe qualificada da própria prefeitura”, disse ele.

“E, por fim, assinar o convênio com a Deso. Em todas essas possibilidades, a decisão só acontecerá quando for definido o melhor para a cidade, uma vez que a Deso tem falhado na execução de seus serviços, deixando a cidade esburacada com suas últimas obras. Assim, a decisão passa, obrigatoriamente, por aquilo que for melhor para a nossa população”, afirmou Gustinho Ribeiro.