Aparte
Gilmar Carvalho admite, sim, ficar fora do rádio; quer “mais vida” e “mais política”
3459a70652050768

Gilmar Carvalho: planejando melhor a carreira (Foto: Maria Odília/Alese)

O radialista e deputado estadual Gilmar Carvalho, PSC, voltou atrás em sua concepção de que não deixaria o rádio sergipano e disse na manhã desta quinta-feira, 9, com exclusividade a esta Coluna Aparte, que admite, sim, ficar de fora dele por algum tempo a partir deste ano.

Esse tema esteve em foco aqui na Coluna Aparte por duas notas - numa delas, Gilmar negou a informação de que deixaria o radiojornalismo e disse que estava discutindo três convites para atuar no radiofonia sergipana.

Mas, segundo Gilmar, ele repensou melhor e acha que a sua atividade de comunicador pode ser circunscrita, sem perdas e nem danos, ao Programa Cidade Alerta, que mantém na TV Atalaia, às 18h, deixando o rádio em repouso e dedicar-se mais, como consequência, ao seu mandato.

Segundo Gilmar Carvalho, que está com 57 anos, exercer as três atividades de uma só vez - o rádio, a TV e o mandato - é algo desumano, e ele quer mais qualidade de vida pessoal e no mandato. Para se estar no ar com um programa de rádio bem pautado às 6h das manhãs de segunda a sexta, qualquer radialista precisa despertar às 3h das madrugadas.

Isso é extenuante e sacrificante. Segundo Gilmar, numa conversa informal um médico em São Paulo lhe perguntou se não poderia começar o programa uma hora mais tarde. Ele negou essa possibilidade. E o médico teria lhe dito na lata: “Então trabalhe mais e morra mais cedo”. Isso lhe tocou e a frase ajudou a refletir melhor.

A direção da TV Atalaia teria, pondera Gilmar Carvalho, lhe dito que os índices de audiência do Cidade Alerta estão num patamar muitíssimo bom, o que lhe facilita a parte comercial e a visibilidade que ele necessita como político e homem público.

Como efeito da decisão de cuidar mais do mandato e da carreira política, Gilmar Carvalho começa a pensar melhormente na hipótese de disputar uma Prefeitura em 2020.

E nesta quarta-feira mesmo, numa entrevista a Rosalvo Nogueira e Paulo Souza na Jovem Pan, ele já falava na possibilidade de disputar um mandato de prefeito na Grande Aracaju - incluindo, sim, a Capital. Isso, sem dúvida, é consequência da boa votação de 34.160 votos que ele obteve ano passado - destes, 14.128 entre os aracajuanos, o que fez dele o mais votado da capital, ganhando do petista Iran Barbosa, que ficou com 14.099.

“Tenho procurado estudar formas e maneiras de como resolver os graves problemas dos municípios, porque não é só ser candidato. E se chegarmos à conclusão de que temos a condição de administrar a capital, serei candidato. Mas tenho recebido apelos quando vou a Socorro e a Barra. Uma coisa é certa: serei candidato a prefeito”, disse ele à dupla Rosalvo e Paulo.

De fato, Gilmar politicamente profissionalizou-se mais - num bom sentido - e hoje tem até uma estrutura de comunicação social que antes ele sempre subestimava. Talvez por achar que se autobastasse. Não seria por isso que Gilmar perdeu três eleições seguidas de deputado estadual - 2006, 2010 e 2014?