YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author bc92de88786c313d
Jozailto Lima

É jornalista há 36 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

Sérgio Reis está “maduro, preparado e pronto” para mudar destino de Lagarto, diz Jerônimo
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
060418787cc540c7

Jerônimo Reis: Sérgio não seria um prefeito de pinta-meio fio e muro de colégio

O ex-deputado federal e estadual e ex-prefeito de Lagarto, Jerônimo Reis, disse nesta sexta-feira, 22, que “é irreversível” a pré-candidatura do ex-deputado federal Sérgio Reis, MDB, seu filho, ao Governo Municipal lagartense este ano.

Mais do que ser irreversível, Jerônimo Reis afirma que Sérgio está “maduro, preparado e pronto” para assumir a terceira maior cidade sergipana, que ele vê administrativamente batendo cabeça nos últimos 12 anos, e mudá-la de rumo e de destino no aspecto desenvolvimentista.

“O candidato será Sérgio, e isso é irreversível. A contar do fato de que ele já começou a fazer um trabalho de pré-aquecimento desde o ano passado. Ele vem trabalhando, e está bem. Eu diria, como fala o caboclo, que a comunidade lagartense e os partidos do seu entorno já homologaram o nome dele”, diz Jerônimo Reis.

Jerônimo Reis ostenta maturidade do filho para o comando de Lagarto, a maior cidade genuinamente do interior de Sergipe se não se considerar Nossa Senhora do Socorro como uma delas. “Com certeza, Sérgio Reis está maduro, preparado, pronto e consciente para essa nova Lagarto que Sergipe e os lagartenses precisam. E ele vem a cada dia se aperfeiçoando mais em gestão pública. Não apenas uma gestão política, mas pública. Embora ele tenha esses dois lados. A família Reis está toda integrada e unida em torno da pré-candidatura dele. Está 101% unida”, diz Jerônimo Reis. A dúvida aqui seria a tia e deputada estadual Goretti Reis, mas dizem que já pitaram o cachimbo da paz.

Como ex-vice-prefeito e ex-prefeito de uma Lagarto dos anos 90, Jerônimo Reis tem queixas do modo como o município tem sido administrado ultimamente. “Lagarto está há 12 anos sem um gestor de pulso. Um gestor ativo. Um gestor que tenha noção do que seja uma cidade de 110 mil habitantes. Os gestores daqui nos últimos 12 anos se especializaram em pintar meio-fio e muro de escola”, diz.

Para Jerônimo, uma vez eleito prefeito, o filho iria na contramão dessa tradição recente. “Sérgio Reis seria um gestor totalmente diferente disso. Sérgio tem grandes virtudes. Hoje ele é uma pessoa amadurecida. É um homem que já foi deputado federal, já vivenciou a gestão de Lagarto como secretário de Obras durante a minha gestão de prefeito, já foi secretário de Agricultura do Estado, nos últimos quatro anos tem estado em Brasília juntamente com o deputado Fábio Reis convivendo com os grandes da política brasileira e tem noção de como conseguir recursos públicos para dar uma melhorada na nossa cidade”, teoriza Jerônimo.

“Porque hoje tem que se pensar Lagarto para o desenvolvimento. Uma cidade com 110 mil habitantes, com uma Universidade Federal com curso de Medicina, a tendência dela é desenvolver na área empresarial, no próprio setor da medicina, com clínicas e hospitais chegando, mas a infraestrutura proporcionada pelos governantes é zero. Não é pouca não: é zero”, radicaliza Jerônimo.

Para apontar que a família Reis “está 101% unida” no projeto de Sérgio, Jerônimo Reis entende a comunidade vai encampar o pré-candidato sem restrições. “Eu vou estar na linha de frente. Sérgio obviamente é uma pessoa minha. É como se fosse eu o candidato. É mesmo que fosse eu que estivesse na disputa”, diz.

Para Jerônimo, terá ainda como mola propulsora do projeto o envolvimento do deputado federal Fábio Reis, MDB, seu outro filho. “Fábio ajudará muito. O conceito de Fábio Reis perante a comunidade lagartense está altíssimo em decorrência do trabalho que ele vem fazendo, da quantidade de obras que carreia para Lagarto e de ajuda que gera para a comunidade. Hoje ele é um político que tem peso no município”, diz o Reis pai.

“Entre Sérgio Reis e Fábio Reis há coisa de pouca diferença em termos populares. Fábio pelo mandato e pela ajuda que tem dado ao município, está mais presente. Mas as pessoas verão que os dois estão juntos desde Brasília fazendo o bem de Lagarto. Tudo ajuda. Ajuda um partido a mais, um cabo eleitoral a mais”, afirma Jerônimo.