Aparte
Vereadores comemoram contrato entre Prefeitura e Caixa para moradia nas Mangabeiras
E9f2e455eaabf658

Parlamentares de Aracaju participam de evento que oficializou a contratação de crédito

A assinatura do convênio entre  a Prefeitura de Aracaju e a Caixa Econômica Federal, possibilitando o empréstimo de 117 milhões de reais para construção de 1.102 casas no Conjunto das Mangabeiras, no bairro 17 de Março, foi o assunto mais destacado na sessão desta quinta-feira, 8, na Câmara de Vereadores.

O entendimento dos parlamentares é que a iniciativa da administração municipal, possibilitada pela aprovação na Casa legislativa, se configura como um ato histórico, que impactará diretamente na vida de milhares de aracajuanos em situação de vulnerabilidade social.

O evento que oficializou a contratação de crédito ocorreu na manhã dessa quarta-feira, 7, contando com a presença da maioria dos vereadores, que comemoram junto aos moradores beneficiados o início da execução do projeto. A medida levará moradia digna, saneamento básico e infraestrutura para aproximadamente 4.000 pessoas, mudando radicalmente a realidade delas. 

O reconhecimento do benefício que o empréstimo trará motivou diversos vereadores a discursar durante o pequeno expediente na Câmara. "A assinatura do convênio demonstra o compromisso do prefeito Edvaldo Nogueira, assim como dos pares que defenderam a matéria no parlamento, com as regiões mais pobres da cidade, com a garantia de uma vida melhor para os mais humildes", ressaltou o líder da situação, Vinícius Porto, DEM. 

Na mesma linha, o vereador Camilo Feitosa, PT, afirmou em seu pronunciamento que a luta dos moradores, e dos parlamentares que se colocaram ao lado deles, foi finalmente reconhecida, em uma conquista que deve ser celebrada por todos. 

Houve tempo ainda para o pronunciamento do vereador Jason Neto, PDT. "Estou muito feliz ao contribuir para essa conquista. Agora é necessário acompanhar de perto todo o processo, com intuito de que as casas sejam entregues o mais rápido possível", garantiu. 

A obra deve durar dois anos e começará pelos serviços de esgotamento, drenagem, terraplanagem, para só depois ser iniciada a construção das casas.