YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author bc92de88786c313d
Jozailto Lima

É jornalista há 36 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

Teixeira Caminhões: pacto parcialmente desfeito com Miguel de Dr Marcos
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
C0629e32e3cfd7f6

Teixeira Caminhões: “O prefeito de Porto da Folha está jogando comigo"

O clima de desarmonia e instabilidade política entre o prefeito de Porto da Folha, Miguel de Dr Marcos, PR, e o empresário Teixeira Caminhões, PTB, papocou definitivamente, e os dois não devem marchar juntos na sucessão municipal do ano que vem - 2020.

“O prefeito de Porto da Folha está jogando comigo. Sendo falso comigo. Está sendo covarde, e olha que fiz tudo para esse cara: ele estava em quinto lugar, o peguei pela mão e fiz dele prefeito”, refugou esta semana Teixeira Caminhões, em declarações exclusivas para esta Coluna Aparte.

Como se vê, Miguel de Loureiro Feitosa Neto, o prefeito, e o empresário Teixeira Caminhões - ele nunca usa o primeiro nome, Geraldo - vinham de um mesmo berço, de um único projeto político.

Aracajuano, fundeado mais fortemente como empresário em Itabaiana, mas dono de uma potente emissora de rádio na cidade de Porto da Folha - a Rio FM -, Teixeira calculou a possibilidade de ir à eleição de 2020 unido a Miguel, indicando a esposa Cris Teixeira como candidata a vice-prefeita.

Mas Teixeira admite que Miguel desbotou na relação de confiança no projeto futuro. “Eu disse a ele que eu indicando a vice, eu o apoiarei. Mas ele não está querendo isso. Estive querendo botar minha mulher para ser vice dele, e sinto que ele quer me dar um drible. Tem vários nomes para vice, e fica enganando a um e a outro. Jogando. Ele quer botar uma pessoa dele como vice, para em 2024 já sucedê-lo. Está sendo um cara ingrato comigo”, diz Teixeira. 

“Está havendo esse impasse entre nós - e veja que o atual vice dele, Chico do Minador, não pode ir à reeleição, porque já está em segundo mandato de vice. Se ele fizer isso (der o drible), eu serei o candidato a prefeito e minha mulher fica de fora. Quem vai sou eu. Se não deixar eu indicar a vice, o candidato a prefeito do nosso grupo serei eu. Irei contra ele”, avisa.

Para Teixeira, politicamente Miguel lhe deve o grande favor do apoiamento passado recente. “Miguel deveria dar graças a Deus que eu o ajudei a se eleger. Fiz de um tudo por ele. Eu acho que a eleição dele em 2016 dependeu primeiramente de Deus, segundo do povo e terceiro, de mim. Sou amigo dele e sempre estive disposto a não concorrer com ele”, constata Teixeira.

Mas na lógica de Teixeira, o cristal dessa relação se quebrou na eleição do ano passado, sobretudo no desempenho dos candidatos ao Senado, que já foram diferentes para ambos: Teixeira foi de Antonio Carlos Valadares, indicando a esposa Cris como candidata a primeira suplente, e Miguel foi de André Moura.

“Eu entendo que o que ele (Miguel) quer é não me deixar crescer. O medo dele é porque minha mulher e o nosso candidato a senador, o Valadares, ficaram em primeiro lugar, e André, o candidato dele, em quinto em Porto da Folha”, diz o empresário.

Essas queixas todas de Teixeira já vêm envolvidas em alguns gestos práticos. “É tanto que no último sábado houve uma reunião da oposição em Porto da Folha e eu estava presente. Lá, a oposição é liderada por Pedro Lomanto, que vem a ser um primo meu e faz um programa na nossa emissora, e tem o ex-prefeito Manoel de Rosinha”, informa ele.

“Tinha mais de 50 pessoas. Mas eu ainda não sou da oposição. Fui para essa reunião apenas porque fui um convidado. Soube que Manoel de Rosinha é o candidato da oposição, mas, com todo respeito que eu lhe tenho, não vou me sujeitar a ser vice dele”, avisa.

Teixeira Caminhões alega que tem, inclusive, uma boa infraestrutura partidária lhe dando suporte para 2020. “Eu tenho lá o PRB, através do Pastor Heleno; tenho o PTB, que é ao qual estou filiado; tenho o PSB e o PDT. Vou continuar no PTB e vou botar minha mulher para ser presidente do PRB. Outra coisa: o prefeito está no PR, comandado por Edivan Amorim, que é meu amigo, mas está querendo ir para o PSD de Fábio Mitidieri. Se isso acontecer, Edivan me passa o PR”, diz ele.