Aparte
Gama considera “passional” análise do senador Valadares sobre resultado da eleição
72d9f6b858422137

João Augusto Gama: Belivaldo ganhou sem ter um opositor

“Os Valadares perderam porque não tiveram candidato”. Terna assim, feito uma mão de pilão, é a análise que o secretário de Estado da Cultura de Sergipe, João Augusto Gama, MDB, faz do artigo O fator Lula-Haddad e as eleições para os governos de Sergipe e demais Estados do Nordeste, escrito pelo senador Antonio Calos Valadares, PSB, e publicado nesta Coluna ontem, segunda, 5.

Como prenuncia o título, no caudaloso artigo Valadares tenta esvaziar qualquer mérito pessoal de Belivaldo Chagas na vitória que obteve ao Governo de Sergipe. Justiça precisa ser feita: Gama dizia que Belivaldo seria governador reeleito desde quando ele pontuava abaixo de 10% nas pesquisas.

“Análise passional. Valadares não analisou o seu candidato. Pouco tempo de televisão, poucos recursos etc, não justificam a sua grande derrota”, fustiga Gama.

“Vejam a vitória do delegado Alessandro Vieira em Sergipe e a de Jair Bolsonaro no Brasil. Ambos sem tempo de televisão. Os Valadares perderam porque não tiveram candidato”, afirma ele.

“Em nenhum momento da campanha Valadares Filho passou firmeza e competência. Vazio, repetia sem segurança o que lhe mandavam. Na verdade, Belivado não teve opositor”, completa.

Mesmo sem reeleição, o senador Antonio Calos Valadares é um político que desperta múltiplos sentimentos em suas práticas e ideias. Por exemplo: centenas de leitores desta Coluna questionaram qual foi mesmo objetivo dele com o artigo O fator Lula-Haddad e as eleições para os governos de Sergipe e demais Estados do Nordeste.

Para muitos, não foi meramente para reconhecer o peso eleitoral de Lula e muito menos de Haddad. E nem foi só para depreciar qualquer traço de liderança própria do reeleito Belivaldo Chagas.

Para esses muitos observadores, o “raposo velho” do Valadares quis mesmo foi acenar para o PT de Sergipe, que partiu pra cima de Edvaldo Nogueira, e dizer-lhe: “Olha, estamos aqui. De asa meio quebrada, mas estamos aqui. A qualquer necessidade, em 2020 nós juntaremos os nossos panos de b e vamos nessa”. Procede. Afinal, a vida vai continuar.