YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author bc92de88786c313d
Jozailto Lima

É jornalista há 36 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

Valmir de Francisquinho: “Se o grupo convergir para Adailton Sousa, não tenho nada contra”
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
E3856b0ddd40951c

Valmir de Francisquinho: “Temos que ouvir os vereadores, a população e os líderes comunitários”

O prefeito de Itabaiana, Valmir de Francisquinho, PR, disse nesta terça-feira, 26, que a partir de janeiro botará na rua a discussão de sua própria sucessão municipal e que, apesar de não decidir sozinho sobre o futuro candidato a prefeito, admitiu simpatias pelo nome do secretário-Chefe de Gabinete e ex-secretário de Administração e Gestão de Pessoas, Adailton Sousa, 53 nos, PR.

“Vejo Adailton Sousa com bons olhos. Ele é excelente. É um cara preparado, que já exerceu alguns cargos importantes na vida. Um cara com 54 anos e extremamente confiável, honesto, correto. No ano que vem a gente começa a discutir meu processo sucessório. Acho que em janeiro já começaremos”, disse o prefeito. Para Valmir, hoje sua preocupação pessoal estaria “100% voltada para a gestão”.

“Se o nosso grupo convergir para o nome dele, não tenho nada contra. Zero. A possibilidade de vir a ser Adailton o candidato vai depender da gente discutir em grupo. A verdade é que tenho um entendimento, mas levarei para a discussão de todo o agrupamento. Não vou decidir sozinho. Nem tenho esse direito”, disse Valmir.

Além do nome de Adailton Sousa, Valmir de Francisquinho cita o do ex-senador Eduardo Amorim, PSDB, como outro que o seu grupo tem à disposição para a sucessão municipal. “Eduardo Amorim é do nosso grupo. Extremamente do nosso grupo e extremamente amigo e leal. Um homem de bem e trabalhador. Nada tenho contra Eduardo Amorim e nem muito contra Adailton e outros nomes do agrupamento”, diz o prefeito. O problema básico de Eduardo Amorim é que ele é do PSDB, partido que na cidade é controlado pela deputada Maria Mendonça, “inimiga íntima” do prefeito e que pode dificultar qualquer processo em favor do senador.

Para Valmir de Francisquinho, que fora eleito prefeito de Itabaiana em 2012, reeleito em 2016, não podendo, portanto ir a mais uma eleição, a continuidade do seu projeto político exige uma discussão ampla, geral e irrestrita.

“Acho que temos que ouvir os vereadores, a população e os líderes comunitários para a gente poder definir um nome que dê continuidade ao trabalho, ao desenvolvimento e à responsabilidade administrativa que nosso Governo instaurou em Itabaiana. Coisas como pagar em dia e valorizar o servidor do município como sempre foi valorizado na nossa administração devem continuar”, diz ele. Na visão de Valmir, como Adailton esteve no contexto da gestão nestes sete anos, ele “tem o perfil” apropriado para levar em frente essa “continuidade”.

Adailton Sousa não parece alheio às movimentações da sucessão de Itabaiana. Há quatro meses, no dia 26 de julho, ele disse a esta Coluna Aparte que estaria pronto se fosse chamado à empreitada de uma candidatura e preparado para administrar, se for o eleito. Leia a nota “Adailton Sousa e a pré-candidatura a prefeito de Itabaiana: “Estou pronto, de pé e à ordem”.

“Eu tenho certeza de que estou preparado para ser prefeito de Itabaiana, mesmo porque conheço toda a administração pública municipal da cidade. Já são 10 anos dedicados à Itabaiana e não posso negar que tenho uma bagagem que me ajuda. Conheço bem o município em todos os seus 74 povoados. Ando lado a lado com o prefeito Valmir, sei das dificuldades de cada comunidade e de cada área da administração. Posso garantir que conheço bem o município e que conheço bem a gestão”, disse ele à época, com certa segurança.