Aparte
Opinião - O fim do isolamento em Sergipe
37d5877a173ef52e

[*] Antonio Samarone

Por que Aracaju estava sendo poupada da pandemia? Venho há dias tentando responder pelo olhar da saúde pública. O que estava nos salvando (por enquanto) e até quando?

Na verdade, começamos o isolamento social cedo, e estamos terminando muito cedo.

O primeiro caso do coronavírus em Sergipe foi diagnosticado em 14 de março de 2020. O decreto de isolamento social saiu em 16 de março de2020, dois dias após, quando Sergipe tinha cinco casos confirmados. A doença estava chegando.

Dizem que foi a pressa do prefeito Edvaldo Nogueira. Não sei, já havia cobrança social pelo isolamento. Na verdade, faltavam dados. Foi tudo no escuro.

Em 13 de abril, um mês após o isolamento, Aracaju tinha apenas 45 casos confirmados. O isolamento mostrou-se eficaz. Mesmo existindo outras variáveis.

Em 20 de abril, a doença começou a crescer e passamos para 92 casos. Em 27 de abril, chegamos a 138 casos, com sete óbitos.

A previsão da Fiocruz para o dia 5 de maio, próxima segunda feira, é que se chegue a 231 casos confirmados só em Aracaju.

As avaliações epidemiológicas são muito prejudicadas em Aracaju pela insuficiência de testagens. Contudo, esses são os dados existentes. Entramos numa espiral de crescimento?

A pandemia começou a crescer em Aracaju. O isolamento social continua necessário. O Governo Belivaldo já está relaxando. Começou cedo e relaxou o isolamento antes da hora.

Por que a doença por aqui demorou a chegar?

Perguntei a um experiente sanitarista da antiga Sucam, acostumado a enfrentar da febre do rato ao calazar, da esquistossomose a doença chagas, da malária ao tracoma: meu amigo, como o senhor explica a mansidão da pandemia em Aracaju. Ele tinha a resposta na ponta da língua:

“Sergipe é uma doce província. O exagerado Joel Silveira dizia que éramos uma fazenda iluminada. Sergipe nunca teve turismo. Não temos nem carnaval. Vivemos isolados em nosso canto. Como essa doença foi trazida de fora, via área, por aqui demorou a chegar”.

“Os turistas passam direto de Salvador a Maceió. Só desce os que têm negócios ou parentes para visitar. Aracaju é uma terra do descanso. Os raros turistas são pacatos e cuidadosos, vêm de carro da Bahia”.

“Parece até que uma Secretaria de Turismo que existia, Belivaldo colocou em hibernação, como fizeram com a Nitrofértil e com as plataformas da Petrobras”.

Achei consistente a hipótese defendida pelo velho sanitarista sobre o atraso da peste em Aracaju. A nossa indigência turística, quase nos salva.

O Comitê Científico do Nordeste acha que a peste está chegando por via rodoviária. Os turistas contaminaram os primeiros, e esses vem contaminar a gente. A nossa contaminação já é de segunda mão, espero que o vírus chegue mais cansado.

A maior realização do Governo Belivaldo foram esses decretos de isolamento social. Mesmo fora de hora. Ele foi precavido!

Os prognósticos sobre Aracaju são precários pela qualidade das informações. Existe um consenso de que estamos voando no escuro. Claro: essa precariedade é nacional, segundo o próprio ministro da Saúde, mas em Sergipe ela se aproxima do exagero.

Não tenho evidências de que essa ocultação seja por razões políticas. Creio ser a velha incompetência. Sem maldades.

O prefeito Edvaldo tem dito que agora está trabalhando com a ciência. Torço para ser verdade.

Vamos continuar acompanhando o dia-a-dia.

[*] É médico sanitarista e professor da Universidade Federal de Sergipe.