Aparte
Opinião - #VazaJato: Ilegalidades X imoralidades
3e3244c4cb12ede0

[*] David Leite

Estão fazendo uma confusão miserável... Fala-se até em desejar o fim da Lava Jato, como se quisessem dizer que seria o fim do combate ao mecanismo da corrupção! Ora bolas, se a Lava Jato tem erros - e parece ter até demais -, que sejam corrigidos.

E se houve ação desabonadora à moralidade da Justiça ou ao papel constitucional do Ministério Público Federal, que se punam os responsáveis na forma da lei.

O combate à corrupção, porém, não pode ser corrompido, como se os fins justificassem os meios, pois do contrário tudo estará melado, impregnado de sujeira.

O combate ao desvio de dinheiro público tem de ser vigoroso, diuturno e plenamente calçado na lei. Ou pode virar uma suposta perseguição política, como querem fazer crer os petistas com a narrativa do #LulaLivre.

Até agora, há muito, muito mais imoralidade do que ilegalidade nas conversas entre Sérgio Moro e as contrapartes do MPF na Lava Jato. Apurar com rigor é preciso.

A narrativa petista era a de que havia perseguição, contudo, até os mais fervorosos apoiadores do ex-presidente Lula da Silva têm consciência das patifarias praticadas por ele e corriola em nome de um projeto de poder - e os diálogos flagrados ilegalmente não absolvem petistas, aliados e empresários.

Aliás, com as mensagens surrupiadas dos celulares da turma da Lava Jato, a militância da esquerda tem, enfim, um prato cheio para reavivar as emoções da patuleia nestes tempos de pós-verdade, onde valem mais as versões do que propriamente os fatos jurídicos e políticos, por ora incontestáveis, a incriminar não apenas as lideranças do PT, frise-se.

Querem com elas reverter condenações, beneficiando uma penca de criminosos. À Justiça caberá decidir se houve excessos, porém o cometimento de crimes foi amplamente provado.

Por outro lado [e para encerrar este breve comentário], é preciso saber como e quando as conversas divulgadas pelo panfleto digital The Intercept Brazil foram clandestinamente interceptadas – ops! – e, mais importante, se por ordem de alguém descontente com o movimento tectônico provocado pela Lava Jato.

Afinal, isso também é questão fundamental, por mexer na segurança e privacidade de autoridades públicas, mesmo que não se concorde com os métodos usados por elas.

[*] É marquetólogo.