Aparte
Davi Alcolumbre diz que não há escolha entre saúde e economia
C7dd5d76d001f816

Davi Alcolumbre: "Só há um caminho: manter as pessoas com vida, e o Estado dar as condições para garantir a economia"

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, retornou às suas funções nessa terça-feira, 7, depois de 20 dias com o novo coronavírus. Recuperado da Covid-19, Davi manifestou apoio às medidas de isolamento social contra a disseminação do vírus e afirmou que é hora de proteger as pessoas.

"Não há uma escolha entre economia ou saúde. Só há um caminho: manter as pessoas com vida, e o Estado dar as condições para garantir a economia", declarou o presidente do Senado.

Davi relatou que passou por momentos difíceis com a doença, e advertiu que ela pode atingir a todos. A melhor prevenção, segundo ele, é seguir as recomendações de especialistas na Organização Mundial da Saúde (OMS) e no Ministério da Saúde.

Enquanto isso, o papel do Congresso durante a crise é garantir condições de vida aos brasileiros para que eles possam permanecer em suas casas.

"Neste momento, é fundamental deixar de lado a questão fiscal, para socorrer empresas e cuidar dos empregos. Esses passos sendo tomados pelo Parlamento, estamos unidos e comprometidos com os brasileiros", afirmou Davi Alcolumbre.

Um exemplo disso, citado por Davi, é a proposta aprovada na primeira sessão que presidiu em seu retorno: o PL 1.282/2020 institui um programa de apoio às micro e pequenas empresas, com linha de crédito especial.

TRABALHO

Depois da sessão, Davi agradeceu ao vice-presidente do Senado, Antonio Anastasia, que comandou os trabalhos na sua ausência, e ao 2º suplente da Mesa Diretora, senador Weverton, PDT-MA, que atuou como secretário.

Também cumprimentou os servidores da Casa que trabalharam para viabilizar o Sistema de Deliberação Remota - SDR -, que tem permitido a continuidade de votações durante a pandemia. "Fico muito feliz em ver que o exercício da democracia se mantém firme e pujante", afirmou Alcolumbre

PEC

Davi também comentou a PEC do Orçamento de Guerra (PEC 10/2020), que o Senado deve votar na próxima segunda-feira, 13. A proposta cria um instrumento para impedir que os gastos emergenciais contra a pandemia sejam misturados ao Orçamento da União. Para o presidente do Senado, a PEC dá segurança ao núcleo técnico do governo para tomar as medidas necessárias, como emitir novas dívidas para financiar os gastos com a crise.

Fonte: Agência Senado

Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado