Aparte
Prefeito de Areia Branca três vezes, Sousa pensa no quarto mandato
Bd47de6d5af6e4bb

Ex-prefeito de Areia Branca, Ascendino de Sousa, 63 anos, está pensando seriamente em retornar à política areia-branquense, mais especificamente à Prefeitura Municipal. Ele foi gestor de lá por três mandatos - 1989 a 1992, 1997 a 2000, e 2005 a 2008 -, sendo que não foi reeleito nenhuma vez.

“Reeleição é complicado, difícil. Mas fui prefeito por 12 anos e fiz o meu trabalho. E hoje estou sentindo que as pessoas estão querendo Sousa de volta. Estou me sentido cobrado. Há uma tendência muito forte para eu entrar na eleição”, assegura o ex-prefeito.

Ao mesmo tempo em que se balança para disputar o pleito eleitoral, Sousa afirma que não faz muita questão de voltar a gerir a Prefeitura de Areia Branca. “Não é uma boa coisa está se metendo em política depois de 12 anos fora”, diz.

Mas, mesmo não fazendo muita questão, Sousa informa que fará uma pesquisa quantitativa e qualitativa para saber, de forma categórica, como o seu nome está sendo visto pela população de Areia Branca. “Eu preciso ter consciência e fazer pesquisa. Depois do resultado, eu defino algo”, afirma.  

Outro ponto que precisa ser definido logo por Sousa é o partido ao qual se filiar. Até o momento, ele está sem sigla. “Até março, eu definirei o partido. O meu último foi o PSD”, diz. Ele explica por quais motivos saiu da sigla do governador Belivaldo Chagas.

“Veja bem: quando chegou à época da eleição (passada), Belivaldo me chamou e queria ter também o apoio dos meus adversários. Aí, eu disse que não tinha problema não, podia ficar com eles. Não briguei e não sai com raiva, mas também procurei o meu rumo”, esclarece Sousa.

Se seguir o rumo da eleição, Sousa vai encarar nas urnas muito provavelmente o atual prefeito de Areia Branca, Alan de Agripino, PSC, que vai para reeleição neste ano. O ex-prefeito dá sua opinião com relação à gestão do atual gestor.

“A gestão do Alan não está boa. Quando sai da Prefeitura em 2004, eu já tinha entrado com processo contra a Petrobras com relação aos royalties, porque antes era tudo de Riachuelo. Não consegui a vitória naquele período. Ai, Acácia, minha esposa, foi prefeita (2014 a 2016), mas nada ainda. Quando faltavam dois meses para ela sair, ganhamos o processo. Hoje a Prefeitura recebe uma renda extra de mais R$ 600 mil todo o mês”, relata Sousa. Ou seja, para o ex-prefeito, Alan de Agripino não sabe aproveitar bem o dinheiro a mais que recebe.