Aparte
Tarantella: “Fui lá no Carro de Bois para quebrar a cara de Rodrigo Valadares de porrada”. Isso é baixaria!
38531fffacda7c4a

João Tarantella: arroubos arrogantes e destoantes que não servem a nada

Por uma série de convergências, muitas delas de mau gosto, a política brasileira está se convertendo numa arte perigosa, beligerante, meio nefasta. Quase fascista.

Que ninguém pense que esta Coluna Aparte, espaço democrático e aberto a todo tipo de ideologia e, logo, receptáculo das mais variadas opiniões - e algumas até absurdas -, concorda ou subscreve tudo que nela se inscreve.

Que ninguém pense que esta Coluna Aparte referenda ou aprova que se sacudam ovos goros sobre Jair Bolsonaro ou Luiz Inácio Lula da Silva apenas porque os que os atiram abominam esses dois personagens.

Não. Jamais. Por trás de todo homem público há um homem particular. Uno. E o indivíduo é ontologicamente sacro, merecedor e credor do respeito à sua integridade pessoal, moral e física. Combata-se as ideias dele. Não a ele, ainda mais ameaçando a sua integridade - portanto não a ele com agressões.

Que ninguém pense que esta Coluna Aparte acha politicamente exequível atos como os dos dissidentes do PSL que invadiram o Restaurante Carro de Bois na última quinta-feira, dia 15, e fizeram um barraco espetaculoso.

Este comentário acima é uma espécie de prefácio pro comentário que vai abaixo, no qual o membro do PSL João Tarantella afirma abertamente que sua intenção no episódio da quinta-feira era a de agredir fisicamente o deputado estadual Rodrigo Valadares, PTB, que estava recebendo de graça do PSL.

“Na verdade, eu fui lá no Carro de Bois para quebrar a cara de Rodrigo Valadares de porrada na presença do deputado federal do PSL, Julian Lemos, que é para essa turma começar a respeitar. Agora, isso não aconteceu porque ele foi rápido, ele deixou a comida pela metade e saiu mastigando um bocado. Vazou”, diz Tarantella, num áudio de 4m03seg mandado ao autor desta coluna às 16h43min do último domingo, 18.

Não, João Tarantella. Não é por aí. Indo por aí você sai da civilização e cai na calha da barbárie. Da intolerância atávica. Rodrigo Valadares pode ter mil defeitos. Mas o homem particular e uno que há nele merece todo o respeito do mundo.

Rodrigo Valadares não merece ter a cara quebrada por ninguém. Ação de ódio não traz retorno bom para ninguém nela envolvida. Veja o contexto do desabafo de João Tarantella - a seguir, é tudo fala dele.

“Naquela situação que houve no restaurante, você ficou sabendo das coisas pela metade. Na verdade, eu fui lá no Carro de Bois para quebrar a cara de Rodrigo Valadares de porrada na presença do deputado federal do PSL, Julian Lemos, que é para essa turma começar a respeitar.

Porque não tem aquele ditado que, por exemplo, se o vagabundo invadir a sua casa, e você matar ele, você é salvo como defesa pessoal? É do mesmo jeito que está acontecendo com o PSL. Rodrigo Valadares pensa que vai usar o PSL como puxadinho dos esquemas dele com Emília, com Milton, com G4, com G40, com Gpeste!

Eles estão enganados. Eu fui lá para quebrar a cara dele de tapa na presença do deputado no restaurante de luxo. Agora, isso não aconteceu porque ele foi rápido, ele deixou a comida pela metade e saiu mastigando um bocado. Vazou.

Olhe, as pessoas de Sergipe e de Aracaju que fazem política têm que respeitar o seu concorrente. Na eleição passada, juntou Milton, Waldir e Emília e me toraram as pernas. Ou eles acham que eu não sei de onde foi que saiu aquele esquema para me tirar daquele projeto?

Só para você ter ideia, que você sabe, a eleição do governador vai ser julgada agora, ela foi sub judice. A minha poderia ter sido sub judice, sem problema nenhum, que eu não respondia nenhum processo, foi o erro de uma gráfica. Agora juntou meia dúzia de picaretas e ferraram comigo.

O fdp ou o grupo político que tentar me tirar desse pleito agora... Sou pré-candidato a prefeito de Aracaju pelo PSL e nem Rodrigo Valadares, nem fdp nenhum me tira deste projeto.

Será que eu vou precisar matar uns quatro para esse bando de fdp começar a me respeitar? É só o que está faltando. Olhe: pense num cabra bom de jogo. Agora, pense num mau elemento. Eu estou no limite.

Aliás, se eu não derrubar esse rapaz por aqui, eu vou mandar fazer uma faixa de 100 metros e vou deixar Rodrigo Valadares famoso no Brasil. Eu vou ficar um mês em frente ao Palácio (do Planalto) até o nosso presidente me receber e eu dizer o que está acontecendo com o PSL de Sergipe.

Esse vagabundo pensa que vai transformar o nosso partido em um puxadinho do PTB. Desse partido de malandro. Ele está enganado. Olhe, eu respeito todo mundo, agora ninguém venha para cima de mim, porque aí meu amigo... Ou será que ele acha, esse filhote de jacaré, que eu vou fazer como Waldir fez? Botar o rabinho entre as pernas e sair correndo?

E quero mandar um recado para esse meleca e esse irmão dele que diz que vai assumir a Executiva: você não vai assumir a Executiva, porque você não largou as fraldas ainda. Respeite as pessoas que trabalham. Eu fui o primeiro cara que fui liderar esse projeto de Bolsonaro nas ruas, todo mundo me chamando de doido, de fascista, e agora, esse fdp, que era Lula Livre, com boné do MST e o caralho, agora diz que é Bolsonaro desde pequeno? Ele vai pro inferno! Portanto, ele agora encontrou o Satanás pela frente!”.