YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author bc92de88786c313d
Jozailto Lima

É jornalista há 36 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

Gesto nobre: Alese põe-se a projetar, via Fundação Dom Cabral, o futuro de Sergipe
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
26066df3f93e7dad

Alese apresenta Plano de Desenvolvimento Sustentável do Estado

Ultimamente, o Estado de Sergipe tem enfrentando uns contratempos tenebrosos no seu desenvolvimento socioeconômico. Os mais críticos nos setores da política, da economia e da intelectualidade de um modo em geral apontam uma falta de planejamento verdadeiramente orgânico e continuado como consequência desse estágio de letargia.

Mas nem os seres de má vontade mais acentuadas podem negar que de recentemente para cá tem algo de novo querendo eclodir na casca desse ovo. O Projeto Sergipe 2055, que está sendo gestado pelo Governo do Estado sob encomenda de Belivaldo Chagas, as ações de Planejamento na mesma linha pela Prefeitura de Aracaju sob Edvaldo Nogueira dão demonstração real disso.

E na tarde desta terça-feira, 12, veio à lume uma outra atitude na linha desse pensar Sergipe, com a Assembleia Legislativa do Estado apresentando à sociedade o projeto do Plano de Desenvolvimento Sustentável do Estado de Sergipe, a ser realizado pelo Poder Legislativo com a ajuda da Fundação Dom Cabral, uma das organizações de planejamento mais alvissareiras do Brasil e do mundo.

“O Plano de Desenvolvimento Sustentável do Estado de Sergipe é uma demonstração de que o Poder Legislativo Estadual tem responsabilidade também sobre o futuro socioeconômico sergipano”, disse à Coluna Aparte o presidente da Assembleia, Luciano Bispo.

7e5f25da788000abBelivaldo Chagas: "Um bom plano tem que ser feito com todos e para todos"

A Alese ocupou o Auditório do Tribunal de Contas do Estado para fazer o anúncio da contratação da Fundação Dom Cabral para que trabalhe em Sergipe por oito meses e faça o levantamento. Estavam presentes o governador Belivado Chagas, o presidente do Poder Judiciário, Osório Ramos de Araújo Filho, o presidente do TCE, Ulices Andrade, o procurador-geral do Ministério Público, Eduardo D’Ávila, boa parte dos deputados estaduais, prefeitos, como Edvaldo Nogueira, de Aracaju, economistas de peso como Antonio Carlos Borges, Saumíneo Nascimento e Marcos Melo e muitas lideranças da política e da economia.  

“Esta é uma tarde importante, na qual pensamos o destino de Sergipe, com a Assembleia tendo esta preocupação de gerar um plano de desenvolvimento sustentável para o Estado. Eu gostaria de lembrar a todos que este plano não é do deputado Luciano Bispo. O plano é da Alese e de todos os meus colegas deputados estaduais”, anunciou de largada o presente da Alese.

Para Luciano Bispo, a encomenda que a Alese fez à Dom Cabral, a um custo de R$ 700 mil, é uma tentativa de catapultar o Estado a uma zona de crescimento econômico e social. “O plano de desenvolvimento sustentável é uma ferramenta de gestão. Vai oferecer um raio-x das principais cadeias produtivas. Das potencialidades e capacidades econômicas fundamentais para o desenvolvimento econômico em médio prazo. Esse plano será feito para um processo dos próximos dez anos”, completou Bispo.

Para o deputado, nesta hora o que falou mais alto foi o senso de responsabilidade do Poder Legislativo. “Diante do quadro econômico do país, dos estados e municípios, precisamos urgente procurar alternativas aos desafios. Em face da situação sergipana, a Alese deflagrou uma discussão técnica e nós optamos por contratar a Fundação Dom Cabral, que tem um conceito internacional”, disse o presidente.

F84c209dc6e2c184Luciano Bispo: Legislativo concebeu o projeto calado e foi revelado nesta terça

“O plano terá uma durabilidade de oito meses, será divido em quatro produtos e oito etapas. Vai escutar todos os sergipanos. A expectativa é de podermos fazer um planejamento e entregar ao povo sergipano e à nossa economia num momento tão complicado. Quero dizer, também, que não é um plano de enfrentamento ao Governo do Estado. Ao contrário: o Governo do Estado será um parceiro da Fundação Dom Cabral para que as coisas ocorram da melhor maneira possível. Nós só queremos ajudar”, reforçou Luciano.

“Com isso, quero dizer que a meta maior é fazer um Plano Sustentável para Sergipe para os próximos dez anos. Eu considero isso um presente que a Assembleia Legislativa vai dar ao povo sergipano. Não tenho dúvida de que será de uma grande valia para o nosso povo”, completou ele.

A diretora da FDC, Iris Castro, apresentou num vídeo sobre a significação da instituição - a Dom Cabral é uma escola de negócios fundada em Minas Gerais que homenageia no Cabral do Dom um religioso sergipano e que tem inserção hoje no mundo inteiro. No ano passado, atuou com cursos para 27 mil gestores e 2.100 organizações públicas e privadas. Ela ocupa o 10º lugar entre as melhores escolas de negócios do mundo.

Em nome da FDC, falou ainda o técnico Humberto Falcão Martins. “É fundamental um conjunto de esforços que nos permita andar na direção mais coerente e o planejamento é de alguma forma a melhor maneira de se lidar com o futuro”, disse Martins. Ele louvou a ideia de que esse pensamento seja desenvolvido de forma colaborativa.

O prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, PCdoB, teve direito à fala no evento. “Não tem maneira melhor de enfrentar as dificuldades que não seja com planejamento. O planeamento exige de nós muito acuidade, paciência e tranquilidade no sentido de aplicarmos aquilo que se tem como objetivo final. Porque o objetivo final é o que vale. O planejamento estratégico é o caminho que nos leva ao objetivo. Todo êxito é devedor ao planejamento estratégico”, filosofou.

O governador Belivaldo Chagas, PSD, manifestou muita expectativa diante do esboço que a Alese e FDC apresentaram. “Parabenizo a Assembleia Legislativa e nós, enquanto Poder Executivo, estamos à disposição dela para essa discussão conjunta, partilhada entre a Fundação Dom Cabral e os mais diversos segmentos da sociedade para que a gente tenha um plano, como bem disse o deputado Luciano Bispo, não apenas do Poder Legislativo e nem do Poder Executivo, mas da sociedade para a sociedade. Porque, é como tenho dito sempre, eu quero governar com todos e para todos. Portanto, um bom plano tem que ser feito com todos e para todos. Estou confiante no sucesso de Sergipe. Dentro em breve, estaremos numa situação bem diferente da qual estamos hoje”, disse Chagas. 

85097dfe7d488e65Objetivos comuns: poderes e representações da sociedade se reúnem

O desembargador Osório de Araújo Ramos Filho, presidente do Poder Judiciário, saudou com entusiasmo a parceria entre a Alese e a FDC na elaboração do Plano de Desenvolvimento Sustentável do Estado de Sergipe. Mais do que saudar, ele entende que o Judiciário pode ajudar. “Eu acho esse projeto muito interessante. Eu considero como pioneira e bastante louvável essa atitude da Assembleia e considero a Fundação Dom Cabral como uma instituição de grande respeitabilidade, razão pela qual confiamos muito nesse trabalho que se inicia agora”, disse ele.

“Este é um momento em que todos os poderes e as representações da sociedade de Sergipe se reúnem para se pensar como o Estado deve se desenvolver, crescer e melhorar a vida da sua população. Melhorar a sua economia. Eu creio que o Poder Judiciário pode e deve ajudar nisso. Nós estamos juntos, por entender que o Estado de Sergipe é um só, as forças devem ser unidas, todos devem colaborar, porque se não for bom para o Legislativo e o Executivo, certamente não será bom para o Judiciário. Nós somos poderes constituídos da República e precisamos sempre nos unir para que o Estado possa experimentar outro grau de desenvolvimento na geração de emprego e renda”, disse o desembargador Osório.

O economista Antonio Carlos Borges Freire, que já fora secretário de Estado sob a gestão de João Alves Filho entre 2003 e 2006, manifestou esperança no que viu. “A Fundação Dom Cabral fui eu que trouxe para Sergipe no terceiro governo de João Alves Filho, a partir de 2003. E ela está entre as grandes escolas do Brasil e do mundo, com um viés de enxergar o futuro. O que nós não podemos deixar de saber é quais são os caminhos mais importantes e agregadores e que integrem alguns setores e a sociedade para o desenvolvimento. Sou confiante de que ela conseguirá fazer isso”, disse Borges.

Foto: ASN e Rede Alese