Aparte
Tudo indica que oposição de Itabaiana necessitará de novo discurso pra destronar Valmir
9d24c2dcad23feeb

Valmir de Francisquinho: até quando os oponentes vão se tocar?

Nas duas ou três últimas semanas, o prefeito de Itabaiana, Valmir de Francisquinho, PL, tem conseguido vitórias em duas searas importantíssimas, do ponto de vista político e também do eleitoral.

Aqui mesmo nesta Coluna Aparte foram destacados três julgamentos que inocentaram Valmir no mês de junho. Não é coisa pequena não, especialmente levando-se em consideração que, na maior parte deles, a oposição é que havia sido a denunciante.

Agora, mais recentemente, três contas da gestão de Valmir - número cabalístico? - foram aprovadas sem ressalvas e por unanimidade pelo Tribunal de Contas de Sergipe.

Também não é coisa pouca, pois, dentre elas, estavam contas do Fundo Municipal de Saúde, um dos mais complexos e difíceis de gerir. A aprovação, nesse caso, significa competência e atestado de que as coisas são bem conduzidas.

Assim, finalmente, chega-se à oposição a Valmir em Itabaiana. Ambos os lados unidos, ainda que neguem veementemente numa nota só, se trombam na questão ética e na aplicação dos recursos públicos.

No que os itabaianenses, rápidos no gatilho do raciocínio que só eles, já batizaram as oposições de Marilu, uma junção das iniciais de Maria Mendonça e Luciano Bispo, e batem na questão ética.

E nisso, claro, evocam o microscópio episódio do Matadouro Municipal – assunto para um outro comentário, por ser mais complexo do que a vã filosofia dos opositores tenta fazer parecer à sociedade de Itabaiana e de Sergipe.

Mas será que os oposicionistas terão mesmo o desplante de colocar em dúvida as decisões judiciais e da Corte de Contas que alcançam saudavelmente a persona pública de Valmir de Francisquinho?

Duvida-se que a turma apelidada de Marilu – ah povo criativo, o itabaianense - tenha mesmo essa coragem toda. Por isso está na hora de encontrarem um outro discurso.

Porque se ficarem contestando o bom desempenho de Valmir e se os órgãos de controle continuarem atestando justamente que a administração dele é correta, os opositores não ficarão apenas sem discurso: serão desmoralizados pelas decisões dos tribunais. E daí para serem desmoralizados nas urnas, são poucos passos.