Aparte
Opinião - Quem vai socorrer os alunos das escolas públicas nesta hora?
C862067e69c79739

[*] Gilberto Passos

Tanto quanto os preconceitos de sexo, raça e religião, existe um bem maior e mais explícito junto à sociedade, que é aquele preconceito exercido contra os pobres, que são tratados com muita desigualdade e descaso por quem tem o dever de protegê-los, acolhê-los e cuidá-los.  

Isso é uma situação tratada com histórico descaso e com muito mais desigualdade, pois parte dos “ricos” - aqueles que têm condições de pagar - sempre tratam essa parte da sociedade de forma diferenciada e com os olhos da impiedade.

Faço questão de explicitar essas verdades mesmo antes de tratar do assunto que vem me incomodando e me deixando ainda mais triste com essa pandemia da Covid-19, que é a atenção inerte que a sociedade e os agentes públicos vêm dando aos alunos das escolas públicas - certamente, a camada mais pobre da sociedade.

Os alunos das escolas públicas recebem nesta hora um tratamento diferente do dado aos alunos das escolas particulares, que estão tendo a total atenção, enquanto o serviço público falha. Para aqueles, buscam dar o real direito de continuar a estudar, inclusive os Conselhos Estaduais de Educação se preocupam em editar resoluções de como se deve aplicar os estudos via EAD (educação a distância) mas esquecendo totalmente dos estudantes menos favorecidos, os pobres das escolas públicas.

Não tenho conhecimento de qualquer medida que algum governante, ou mesmo os operadores do direto, tenham tomado para salvaguardar o direito líquido e certo (inclusive constitucional) de estudo/educação nesta hora.

Não sei de qualquer medida adotada para que esses “pobres” sofredores e excluídos tenham o direito, por exemplo, a prestar o próximo vestibular, uma vez que os alunos de escolas particulares, como estão tendo o direito de estudar via EAD, terão assim uma enorme vantagem de obter um resultado positivo na migração para o ensino superior.

Não que eu esteja achando errado que tais alunos de escolas particulares tenham esse direito, pois seria muito injusto e até hipócrita, pois tenho filha sendo prestigiada, se assim podemos falar e se realmente seja um privilégio.

O que quero dizer é que se o aluno de escola particular está estudando, o de escola pública tem que ter esse mesmo direito. Gostaria muito que essas poucas palavras provocassem uma reflexão e até mesmo uma resposta para isso.

Ou seja, que realmente se busque uma saída para essa questão muito complexa, e de verdade se pense na educação do povo brasileiro. Aliás, não dizemos todos a toda hora que a educação é a base de tudo, pois sem educação nunca um povo vai conseguir progredir?

Deixo aqui algumas perguntas inevitáveis, tais como: 1 - Quando os estudantes de escolas públicas vão voltar a estudar, seja de forma presencial ou via EAD?

2 - Como será compensada a distorção do aprendizado entre os estudantes de escola particular (com a continuidade via EAD) e os estudantes de escolas públicas, sem aula alguma?

3 - Vai haver vestibular ou qualquer outra seleção de acesso às universidades esse ano e, em caso positivo, como poderá os alunos de escola pública ter a condição de concorrer com os alunos de escolas particulares?

Na verdade e a propósito deste tema, eu teria muitas e muitas perguntas, mas neste momento fico com à espera das respostas a essas perguntas para depois continuar tentado e alertando a todos de que isso tem que ser uma luta para que após essa pandemia realmente tenhamos um mundo mais justo e humano. E ele não virá com provimento educacional tão divergente. 

[*] É delegado da Polícia Judiciária do Estado de Sergipe.