YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author bc92de88786c313d
Jozailto Lima

É jornalista há 36 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

NOVA ALESE 12 - Garibalde Mendonça: o único senhor dos seis mandatos
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
26c1b8e0e534aba0

Garibalde, ao todo, tem seis mandatos na Alese – indo para os 24 anos como deputado da Casa

Deputado estadual com maior número de mandatos da Assembleia Legislativa de Sergipe - Alese -, Luiz Garibalde Rabelo de Mendonça, o Garibalde Mendonça, 62 anos, MDB, pode-se dizer que é o maior sobrevivente dessa Casa Legislativa, nestes tempos de crise moral, ética e financeira que abala o Brasil e Sergipe.

“Isso é o que me dá forças para continuar. Para se ter uma ideia, estou no meu sexto mandato como deputado. Já passamos por várias crises, mas a que estou achando pior é essa. Não é só Sergipe. É todo o país”, diz Garibalde.

Há exatos 20 anos – indo para 24 -, ele exerce o papel de parlamentar. Conseguiu êxito em mais uma eleição, em outubro passado, mesmo vendo da renovação da Alese. Ao todo, 12 novos deputados entraram na Casa. Trata-se de uma mudança de 50%.

“SOBREVIVENTE”

“Então, a minha responsabilidade aumenta muito mais. Eu penso: “poxa, não me tiraram. Garibalde continua”. Isso me deixa feliz e alegre. Minha votação até diminuiu em comparação às das eleições dos outros anos, que sempre foi aumentando. Mas eu entendo”, afirma o deputado.

Reeleito em 2018 com 22.819 votos, o 14º mais votado, Garibalde sabe que o descrédito da população junto à classe política está muito grande. “Quando você liga a TV, vê muita corrupção nesse país. Muita e muita mesmo. Mas eu também não quero dizer que tudo parte da política. É em todas profissões. Claro, estamos, os políticos, mais expostos”, diz.

Garibalde é a favor da renovação. E mais: sabe que um dia, claro - talvez em breve -, terá que dar adeus à Alese e às suas atividades ali. “Eu sei que o meu dia vai chegar. Estou já no meu sexto mandato. Mas enquanto eu estiver na Assembleia, farei o meu trabalho de parlamentar com competência, honestidade e sinceridade, como eu sempre fiz”, informa.

54ba3bf300d800f1Garibalde na diplomação como deputado em 2018. Ele foi reeleito com 22.819 votos, o 14º parlamentar mais votado

FILHO DO SÃO JOSÉ

Natural de Aracaju, Garibalde nasceu no dia 9 de junho de 1956, mais precisamente na residência da família. “Eu nasci em casa, na Rua Lagarto, número 1.760, Bairro São José. Lá foi minha moradia por muito tempo, até me formar e casar. Foi onde eu nasci, criei-me e tenho amigos até hoje que moram ali naquela região”, relata.

Garibalde é filho de Luiz Francisco de Mendonça Filho e de Maria Júlia Rabelo de Mendonça, ambos falecidos, irmão de Heloisa Helena Rabelo de Mendonça - um ano mais velha que ele - e é casado há 30 anos com Lívia Viera de Mendonça.

“Começamos a namorar cedo e casei com 27 anos. Tivemos dois filhos, Juliana, que é a mais velha, e Breno, o mais novo. Todos os dois arquitetos. Tem um casado já. Mas eu e Lívia não temos netos ainda”, relata o deputado.

C72ac0c24be7726aGaribalde estudou o ensino básico no Colégio Sagrado Coração de Jesus e depois no Atheneu Sergipense

ENGENHEIRO PELA UFS

Garibalde só saiu de casa e se casou após concluir os estudos. Ele é formado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Sergipe - UFS - e estudou a maior parte do ensino básico no Colégio Atheneu Sergipense, uma escola que foi sempre marcante.

“Eu estudei toda a minha vida, o ginásio e o científico, em colégio público, o Atheneu Sergipense, numa época em que se fazia exame de admissão. Já o meu primário foi no Colégio Sagrado Coração de Jesus, que ficava ali no Bairro São José”, informa.

“Após concluir o colegial no Atheneu, fiz o vestibular da UFS na época para Engenharia Civil. Entrei em 1975 e me formei e 1980. Sou da segunda turma do curso de Engenharia da Federal”, afirma.

C1c9cc0beb7c9479Garibalde se formou em Engenharia Civil pela UFS no ano de 1980

PROFESSOR DE CURSINHOS

Antes mesmo de se formar, Garibalde já sabia o que é trabalhar. Filho de lojistas, desde adolescente ele auxiliava-os no comércio. “Meu pai era comerciante no mercado, tinha uma loja de colchões, na Rua Itabaianinha. Então, comecei a trabalhar cedo, pois tinha que ajudar a família né? Tanto eu como a minha irmã ajudávamos. Eu tinha uns 14 anos quando comecei”, relata.

Quando passou no vestibular em 1975, Garibalde deixou o comércio dos pais e foi ser professor. “Comecei a ensinar em cursinhos. Fui professor de Matemática e de Desenho Técnico da Escola Nobre de Sergipe, do Brasília e também de cursos de pré-vestibulares. Passei mais ou menos quatro anos ensinando. Toda a minha fase de universitário. Era meu dinheirinho para me manter”, informa.

Ao sair da UFS, logo o deputado encerrou a curta carreira de professor e foi se debruçar na profissão de formação. “Quando me formei, fui contratado pela Codise como engenheiro. Daquela época para cá, passamos um bom tempo trabalhando no órgão”, diz.

155702a7121ab4faGaribalde, durante a formatura como engenheiro, com a mãe Maria Júlia

INÍCIO DA VIDA PÚBLICA

Na Codise, Garibalde ocupou o cargo de gerente dos Distritos Industriais de Aracaju, Nossa Senhora do Socorro, Estância e Propriá. “Ou seja, naquela época, montamos todos os Distritos Industriais por Sergipe. Foi quando comecei a ter o meu lado e vida profissional”, destaca.

Paralelo ao desenvolvimento como profissional na Codise, Garibalde junto com um colega engenheiro, Francisco Costa, abriu em 1981 uma empresa no ramo da construção civil. “Montamos a Teccol Engenharia e Construções. Essa convivência nossa, a sociedade, durou mais de 20 anos. Mas a política não deixou continuar. Eu já era deputado quando me separei dele. Ele permanece na empresa até hoje”, informa.

Foi bem entre a vida profissional na Codise e na empresa particular que Garibalde iniciou sua vida pública, mais enveredada na política. “Foi na época em que Wellington Paixão foi ser prefeito de Aracaju. Ele me fez o convite para ser diretor-técnico da Emurb e eu assumi. Na época, o presidente do órgão era Almeida Lima. Foi quando eu fiz uma boa amizade com Almeida”, relata.

EMURB: DIVISOR DE ÁGUAS

A entrada na Emurb foi o divisor de águas na vida de Garibalde. Dali em diante, ele começou a fazer todo um trabalho político pela capital. “Eu comecei a andar pelas ruas de Aracaju. Comecei a conhecer todos os problemas. Na Emurb, você tem essa oportunidade de conhecer a população, o que a cidade precisa”, explica.

Segundo o deputado, a Emurb lhe propiciou vários convites para assumir cargos em órgãos, até mesmo assumir a Presidência da Empresa Municipal de Obras, já na gestão do ex-prefeito Almeida Lima. “Almeida Lima foi prefeito de Aracaju e me convidou para ser presidente da Emurb. À frente da empresa, nossa administração foi uma beleza. Almeida ficou conhecido por todo o Estado de Sergipe como um dos grandes prefeitos da capital”, destaca Garibalde.

Ff99082e415f9bcdGaribalde é casado há 30 anos com Lívia. Juntos os dois têm Juliana e Breno

PRIMEIRA CANDIDATURA

“Na época, tive a sorte e a vantagem de estar junto de Almeida. Eu era o secretário das obras de toda Aracaju. Foram diversos bairros drenados e pavimentados”, frisa o deputado.

Toda essa bagagem adquirida na Emurb foi o principal fator irradiador para Garibalde se candidatar ao executivo de Aracaju na eleição municipal de 1996, numa dissidência histórica entre Almeida e Jackson Barreto. “Com o trabalho que fiz, fiquei conhecido. Almeida Lima me lançou candidato a prefeito”, reforça.

Foi a primeira eleição do parlamentar – terminou em quarto lugar, atrás de Maria do Carmo, Ismael Silva e João Augusto Gama, que foi o eleito no segundo turno numa disputa com Silva. “Eu nem pensava em ser político e começar logo disputando o mandato de prefeito de Aracaju? O pessoal começa de baixo né, como candidato a vereador. Mas eu já comecei de cima”, afirma. Apesar de não levar, saiu do pleito com uma votação boa: 40 mil votos. Algo, realmente, expressivo para um estreante.

VOTAÇÃO EXPRESSIVA

“Eu disputei com Maria do Carmo que tinha João Alves, disputei com Gama, que tinha Jackson Barreto no auge, e com Ismael Silva, que tinha Marcelo Déda, aquele pessoal todo. O PT crescendo”, enfatiza Garibalde.

A quantidade expressiva de votos de Garibalde na eleição municipal o credenciou para a candidatura a deputado estadual na eleição seguinte. “Em 1998, elegi-me para o meu primeiro mandato. E, de lá para cá, não parei mais”, diz.

“Para se ter uma ideia, eu sempre fui subindo nas votações. Claro, minha primeira eleição para deputado tive mais votos em Aracaju, mas depois comecei a andar por todo o Estado. É tanto que hoje minha votação é dividida: metade em Aracaju e metade no interior”, informa.

46c85870d15d3d3eGaribalde com Lívia: “Começamos a namorar cedo e casei com 27 anos”

TRABALHO COM O POVO

Garibalde relembra como foi difícil para ele entrar na política do ponto de vista emocional. “Naquela época, tinham os trios-elétricos, aquela coisa toda nos comícios. E eu completamente inexperiente. Um jovem. Eu me tremia todo quando subia no trio para discursar”, relata.

Mas, evidentemente, com o tempo Garibalde foi aprendendo e se desenrolando na política. “Estou nela até hoje por causa do trabalho que é feito com a população. Você vê muitos lugares carentes por aí. Como engenheiro de formação, eu vi muito isso. Tirei criança da lama, pavimentei ruas. Você começa a ver nos rostos das pessoas a alegria”, afirma.

“Você começa a fazer um trabalho geral, começa a fazer amigos na periferia de Aracaju e em todo Estado. Você começa a ter compromisso com essas pessoas ao ponto de querer melhorar a vida delas”, diz o deputado.

6d1de325ef9c404eGaribalde é amante do futebol e já jogou nos times do Iate, da Atlética e em jogos universitários

FOCO NA ALESE

Nesse período de seis mandatos - o sexto apenas se iniciando -, Garibalde não assumiu mais secretarias municipais ou de Estado. “Acho que na época de Marcelo Déda cogitaram eu assumir uma Secretaria de Obras, mas não foi em frente”, afirma.

O deputado ficou totalmente focado na Alese e em seu papel como parlamentar. “Procuramos sempre atender as reivindicações das pessoas. Meu gabinete sempre está aberto. Vamos atrás do Governo do Estado, dos prefeitos municipais para cobrar. Esse é nosso trabalho. Começamos a gostar disso e estamos aqui até hoje”, informa.

Na Assembleia, Garibalde Mendonça defendeu e defende tudo relacionado à construção civil, por questões óbvias. “Como a defesa dos empresários da construção, das obras. Sempre reivindiquei muitas obras por todo o Estado de Sergipe. Umas foram feitas, outras nem saíram do papel”, diz.

LIMITES DA CAPITAL

Entre os projetos importantes que saíram do papel, segundo Garibalde, está aquele que pôs fim a celeuma referente à divisa, os limites, entre o município de Aracaju e o de São Cristóvão. “Um projeto de grande importância para Sergipe e que poucas pessoas sabem que sou o autor dele”, afirma.

“Existia um problema muito grande no Robalo, Mosqueiro, São José, antiga Terra Dura, hoje Santa Maria. Toda aquela região. As pessoas que moravam ali, na época em que eu era presidente da Emurb, me pediam: “Garibalde, precisa pavimentar a minha rua”. Aí eu dizia: “ali é São Cristóvão””, relata.

“Era um povo sem pátria. Então, em 1999, quando cheguei na Alese, um dos meus primeiros projetos foi esse. Constatamos que aquele Povoados Robalo, Mosqueiro, Areia Branca, São José e todo aquele complexo do Santa Maria pertencia à Aracaju. Foi aprovado e sancionado o projeto na era do Governo de Albano Franco, sendo que eu era oposição”, afirma.

Garibalde cita outro projeto, na visão dele, importante. “Tem um em relação a deficientes visuais para que eles tenham contas de água, luz, telefone hoje em braile. Muitos deficientes moram sozinho. E como era antes, tinham que perguntar ao vizinho qual era o valor de sua conta”, diz.

6aa50b8ee37f9ed1Como esportista, Garibalde é um ferrenho defensor de questões ligadas

ESPORTISTA AMADOR

O deputado também está atento às questões ligadas às rodovias. “Um grande projeto nosso também e que na época foi feito com Marcelo Déda, foi a recuperação das pistas, da malha viária de Sergipe. Sempre batalhamos por isso”, informa. “Quando viajo para o interior e vejo um buraco, já anoto, ligo para o DER cobrando”, diz.

A prática esportiva é outra área sensível aos olhos de Garibalde. “Desde quando eu entrei, luto pela construção de uma pista de atletismo oficial em Sergipe, porque temos hoje mais de dois mil atletas que praticam atletismo no Estado. Eu vou lutar agora também no Governo de Belivaldo”, informa.

Não é para menos esse olhar sensível do deputado às questões esportivas. Ele é um praticante amador da área. “É uma trajetória importante da minha vida. Sempre fui esportista. Gosto de jogar bola. Na minha época de adolescente, até já formado e como deputado, sempre joguei futebol de salão nos times do Iate, da Atlética, em jogos universitários. Até hoje jogo uma bolinha, mas a idade vai chegando né”, relata, aos risos.