Aparte
“Acho que não é populismo nem pobreza”, diz Belivado, a propósito do Governo não ter transporte aéreo
Ac848c98740aaa69

Belivaldo Chagas: “Independentemente de ser jatinho ou jatão, eu não gosto de avião”

Mas ele quer mudar isso. O Estado de Sergipe está entre os pouquíssimos Governos de Estado do Brasil que não têm um avião oficial próprio e sequer contrato de locação de aeronaves para urgências públicas nos deslocamentos do governador e de seus secretários. Vez por outra, Belivaldo Chagas perde ou chega atrasado em eventos em Brasília em virtude da irregularidade dos voos comerciais e convencionais.

Mas Belivaldo Chagas admite, no entanto, que está disposto a rever isso - com cuidado, e sem esbanjar. “Eu acho que não é populismo nem pobreza. Foi uma falta de decisão por parte do governador, e estou revendo isso”, afirma ele. Mas o que significa estar revendo isso?

“Hoje o Governo de Sergipe não tem nem contrato de locação. Mas o Consórcio do Nordeste está buscando um caminho para fazer uma licitação ampla para que a gente possa fazer a adesão e, automaticamente, utilize a aeronave quando estritamente necessário. Se o consórcio fizer, eu vou aderir, e toda vez que viajar, eu vou justificar”, diz Belivaldo. O Consórcio do Nordeste é instituição que os nove Estados do Nordeste montaram para algumas atividades em conjunto.

“Não que eu queira estar viajando de jatinho, até porque não gosto de viajar de avião. Viajo porque é preciso. Mas não pode ter, de repente, uma reunião extremamente importante em Brasília e eu deixar de ir por problemas com os voos daqui, como o que tivemos semana passada, e não foi por causa do aeroporto. Foi porque choveu em São Paulo e arrebentou com tudo. A informação que obtive quando cheguei, às 4h da manhã, foi a de que a aeronave estava no pátio mas não tinha tripulação”, diz Belivaldo.

De olho em economia e vendo as dificuldades atuais, Belivaldo admite que não fará gastos extras na esfera área. “Porque utilizar jatinho quando não tem avião de carreira, só em momentos importantes. A reunião não deixou de acontecer, mas eu tinha o Fórum de Governadores do Brasil que encerrava por volta de meio-dia. Como eu ia chegar no horário? Tentei embarcar antes e também não consegui”, diz.

A última vez que Sergipe teve contrato aéreo foi no Governo de Marcelo Déda. Com Jackson Barreto não teve mais. Ele não renovou. “E está assim até hoje. Mas insisto: não tem razoabilidade perder uma reunião importante. Vou ver o contrato, ver como renovar, e usar com responsabilidade, não a qualquer momento que se queira ir a Recife ou a Brasília. Se houver a necessidade extrema, utiliza. Se não, não utiliza. Eu não tenho a preocupação de ter contrato por ter, ou porque acho bonito. Independentemente de ser jatinho ou jatão, eu não gosto de avião”, diz.

“Mas a maioria dos Governos do Nordeste tem contrato. Eu acho que só Sergipe não tem. Tem os mais corajosos que gostam até de andar de helicóptero. Outro dia eu fui de carro para uma reunião em Salvador e lá chegou o nosso querido governador de Alagoas de helicóptero, me ofereceu uma carona de volta e eu disse: “Vá você, que eu volto de carro mesmo”. A questão é a de tê-lo para a mais alta necessidade, mesmo porque eu sou contra ter um voo de carreira e utilizar um jatinho”, diz Belivaldo.