Aparte
Estado laico é o tema da Reportagem Especial da semana  
A1888f7207273d83

Representantes de diversas áreas debatem o estado laico e suas implicações  

Esta semana, a Reportagem Especial do JLPolítica traz um assunto que é recorrente e que sempre vale o debate: a aplicabilidade - ou não - do conceito de Estado laico. Especialistas da área jurídica, religiosa e social falam sobre o que pensam a respeito desse tema tanto polêmico quanto necessário.

“O momento atual tem sido propulsor para tais reflexões, pois temos visto a forte atuação de alguns grupos religiosos politicamente organizados e articulados de modo a intervir na esfera pública e nas relações sociais”, avalia o advogado Douglas Lima, que preside a Comissão de Direito e Liberdade Religiosa da OAB/SE.

Já o sociólogo Rodorval Ramalho considera que imaginar que o Estado laico é a não-interferência das religiões no espaço público é um equívoco gravíssimo. “O sonho de silenciar o discurso religioso no debate público é um delírio autoritário moderno, que teve origem em segmentos do Iluminismo, para quem a religião era sinônimo de superstição, de alienação e de manipulação”, analisa o cientista.

No âmbito religioso, o consenso é de que não há como dissociar a religião das questões importantes da sociedade. “O Estado é laico, e respeitar a liberdade e opiniões religiosas dentro das políticas públicas é também laicidade”, opina o pastor Eduardo Lima, da Igreja Universal do Reino de Deus em Sergipe.

O padre Marcelo Conceição, coordenador de Comunicação da Arquidiocese de Aracaju, diz que é inaceitável a compreensão da laicidade do Estado como exclusão da vivência religiosa dos cidadãos. “O Estado é laico, mas a nação é constituída por um grande número, a maioria, de cristãos católicos”, defende.

A candomblecista Acácia Maria Santos, coordenadora de Promoção da Igualdade Racial, diz que, nesse cenário, as religiões de matriz africana saem prejudicadas. “Acreditamos que precisamos de mais apoio político, porque só temos preconceito, não há conhecimento sobre a religião”, critica.