Aparte
Reportagem Especial: Anuário 2019 aponta revés econômico após surto de desenvolvimento
22af94101a3ec9a9

Economia sergipana não vai tão bem assim, segundo Anuário

Se a economia de Sergipe fosse um paciente em estado grave, ele teria voltado a respirar sem a ajuda de aparelhos com a previsão de início das atividades da termoelétrica na Barra dos Coqueiros e outros projetos que também envolvem a produção e a distribuição de gás e/ou petróleo.

No entanto, esses elementos e projetos não parecem ser suficientes para curar o Estado - no caso, o paciente -, mas apenas de lhe dar alguns dias em casa, fora da UTI. É o que apontam os dados do Anuário Socioeconômico de Sergipe de 2019, um documento produzido por pesquisadores da Universidade Federal de Sergipe - UFS - e do Instituto Federal de Sergipe - IFS.

O documento causou bastante repercussão quando teve a divulgação anterior divulgada, provocando um debate intenso sobre os dados e, principalmente, sobre a economia sergipana. No entanto, passada a efervescência momentânea, as discussões cessaram e, ao que parece, as ações também.

“Sergipe sofre o revés do efeito arrasto criado pelo esgotamento dos últimos surtos de crescimento e do arrefecimento da parte da atividade econômica integrada à economia nacional”, resume o professor Wagner Nóbrega.

Para ele, esse quadro não é uma fatalidade, mas resulta de escolhas feitas ao longo da história, como você poderá ler na Reportagem Especial da semana, que estará disponível no domingo, 15, a partir das 20h.