Aparte
Divisão em Arauá. “O povo cansou de Ranulfo”, diz presidente da Câmara
82c19c7204dec78a

Wagner Silva: jogando areia no sarapatel de Ranulfo

Na política municipal de Arauá, no centro-sul de Sergipe, está havendo uma ruptura no grupo liderado pelo prefeito José Ranulfo dos Santos, PSB, que tem direito de ir para a reeleição, e o presidente da Câmara de Arauá, vereador Wagner Silva, PP, 39 anos

O problema básico é que Wagner Silva, que se elegeu pelo mesmo bloco de Ranulfo em 2016, está no segundo mandato de presidente da Câmara, mesmo a contragosto do prefeito, e agora quer o mesmo que ele: a Prefeitura Municipal em 2020.

“O povo cansou de Ranulfo. Ele quer ir para a reeleição, mas a gente não está querendo muito que ela vá. Essa é a terceira vez que ele é prefeito. Pelo amor de Deus: foi vereador duas vezes, foi candidato quase 10 vezes e está no terceiro mandato. São cinco mandatos ao todo. Chega”, diz Wagner Silva.

“Sou ligado ao prefeito, ou mais ou menos. A gente vive meio que em pé de guerra, meio que nem gato e rato. Um dia a gente está bem, outro dia a gente está mal. Nestes dias estamos bem”, diz Wagner. Arauá tem nove vereadores - cinco ligados ao prefeito e quatro da oposição.

Para a eleição da primeira Mesa Diretora dessa legislatura em 2017, Ranulfo lançou mão do vereador Pedro da Sucupira e impôs como candidato. Wagner conseguiu o apoio dos quarto oposicionistas, se elegeu e depois se reelegeu com eles. Daí o cisma entre ambos.

Agora Wagner roeu a corda de vez. “Coloco-me como pré-candidato a prefeito com o apoio do deputado Valdevan Noventa, até porque a rejeição do prefeito Ranulfo está muito alta. Numa das pesquisas que teve aqui, ele, no mandato, teve 18%, e eu, sozinho com o meu trabalho, já saio com 10%. Mas Ranulfo tem 50% de rejeição e eu tenho apenas 5%”, diz Wagner.

“O meu trabalho me legitima para ser candidato a prefeito. O povo tem esperança de algo novo em Arauá, que realmente sacuda a cidade. As pessoas têm visto o meu trabalho dessa forma, a começar pela Câmara, que tinha nota zero no Tribunal de Contas e hoje está com 9,1. Temos transparência e trabalhamos para que as coisas funcionem corretamente”, insiste Wagner.

“Acho difícil Ranulfo insistir, porque ele só ganhou com o agrupamento da gente se somando, que é a força de Valdevan Noventa. Se a gente se dividir, ganha o Dr. Fábio, de dona Ana Helena (ex-prefeita). Ele sabe que se for sozinho, perde. Já tenho visto possibilidades do meu vice. O prefeito pode indicar a esposa, Delba Oliveira, ou Pedro da Sucupira, e tem também o agrupamento do empresário Dr. Chiquinho - Francisco Costa -, que pode ir se somando”, diz Wagner.

“A gente planeja um projeto novo e diferente, porque quando entrei na política era diferente mesmo. Eu corri muito, morava na Europa. Eu tinha trabalho para ganhar lá duas vezes o que o prefeito ganha, mas vim para a política para ser um diferencial”, reforça. Wagner morou na Grécia, Inglaterra, França e Espanha. Trabalhou com eventos, gastronomia e teve um restaurante em Atenas. “Tenho cidadania espanhola”, revela.