YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author bc92de88786c313d
Jozailto Lima

É jornalista há 37 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

Das verdades da conversa de JB e Lula e do jornalismo sem fake news
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
992b39815c0f15a4

Jackson Barreto: comentários verídicos e compartilhados por terceiros

O ex-prefeito de Aracaju e ex-governador Jackson Barreto, MDB, não foi alvo de fake news desta Coluna Aparte na nota Lula pede apoio de Jackson para Marcio Macedo, mas Jackson nega e diz que vai de Edvaldo, publicada aqui, na qual é narrada com fidelidade trechos do diálogo mantido entre ele e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, PT, em telefonema que o petista lhe dera na noite da última quarta-feira, 5 de agosto.

O conteúdo da nota gerou desconforto em figuras do PT, como seguidores da vice-governador Eliane Aquino e do senador Rogério Carvalho, que foram alvos de referências críticas de JB a Lula. Mas Jackson Barreto não foi vítima de fake news de maneira alguma. E não o foi por dois aspectos bem específicos.

O primeiro deles: porque tudo que a nota narra aconteceu exatamente como foi revelado. E segundo: simplesmente pelo fato de que esta Coluna e o jornalista responsável por ela não praticam este tipo de crime com os fatos, com suas fontes e muito menos com seus leitores.

De modo que tudo que foi passado através da nota “Lula pede apoio de Jackson para Marcio Macedo, mas Jackson nega e diz que vai de Edvaldo” é rigorosamente verdadeiro. Está ali como de fato se deu. Mas na noite deste domingo, 9, Jackson Barreto distribuiu uma nota pública sobre a narrativa da sua conversa com Lula e isso fez a festa de alguns portais de notícia de Sergipe.

“Creio que estou sendo vítima de fake. Estou surpreso com o jornalista Jozailto Lima, porque de mim ele não ouviu uma palavra sobre o assunto”, dizia um trecho da nota de JB. O exercício do bom jornalismo político deixa claro que o fato de “não ter ouvido” de JB uma só “palavra sobre o assunto” do encontro telefônico com Lula não torna inverídico, falso ou desencontrado o que fora noticiado.

Em nenhum momento a Coluna Aparte, que tem uma ótima interlocução com Jackson, afirma na sua edição da sexta que ouviu literalmente dele o conteúdo que está na nota. Toda a fala de Jackson foi recontada por fontes - no plural - a quem ele fez a narrativa completa do que dissera a Lula sobre a cena local entre petistas e a candidatura de Edvaldo Nogueira.

Em nenhum parágrafo da nota - alguns desavisados não viram porque não quiserem - há qualquer referência a que Jackson tivesse dito algo diretamente à Coluna Aparte, muito menos lhe fora atribuído exclusividade de fala e informe.

Veja esta narrativa: “Diplomático, mas direto e incisivo, Jackson teria lhe negado mais ou menos com esta linguagem: “Meu presidente, você sabe que você continua sendo o meu líder neste país. Em 2022, eu estarei com você, em seu palanque pessoal, no projeto que você capitanear. Agora, eu não posso ir para a candidatura de Marcio Macedo”.

Outro trecho da nota de sexta-feira deixa clara a natureza da narrativa do telefonema Lula-JB por uma terceira pessoa. “Segundo uma preciosa fonte desta Coluna, Jackson Barreto teria aproveitado a situação e passado a Lula uma outra fotografia nada colorida do senador Rogério Carvalho, PT, que é um dos maiores fomentadores da pré-candidatura de Marcio Macedo a prefeito”.

Ora, esta linguagem e este formato são da natureza do jornalismo político. Jackson está certo quando informa em sua nota deste domingo que não deu “nenhuma entrevista ao jornalista Jozailto Lima”. Mas isso não caracteriza que o que jornalista Jozailto Lima publicou lhe tenha sido um fake news. Uma notícia falsa. Isso nem cabe em discussão.

A nota “Lula pede apoio de Jackson para Marcio Macedo, mas Jackson nega e diz que vai de Edvaldo” foi postada às 21h51 da sexta, 7, aqui neste espaço. Ela produziu, já na noite das sexta, uma repercussão muito grande, com petistas trocando cotoveladas e se esperneando. Jackson só veio se manifestar sobre ela às 17h05 do sábado, quase 24 horas depois, e mesmo assim não para negá-la.

“Não precisava, amigo, comentários com Eliane a quem sempre respeitei, e ao senador Rogério. Pode parecer problema pessoal. Falei a xxx de forma reservada, (...) para suas avaliações pessoais. Fiquei surpreso com sua matéria, pois não desejava dar publicidade. Assunto particular com o nosso presidente Lula”, dizia uma mensagem de zap remetida por JB ao titular desta Coluna. Ok: compreensivo o desconforto de JB, que tem se assumido mais para bombeiro do que para incendiário.

E a Coluna Aparte troca por xxx a citação do nome da pessoa a quem Jackson Barreto cita por princípio de respeito universal ao off e pelo fato de que a nota “Lula pede apoio de Jackson para Marcio Macedo, mas Jackson nega e diz que vai de Edvaldo” fora feita com uma contribuição plural, com algumas fontes informando.

Feito isso, a Coluna Aparte deixa bem claro que o seu espaço está aberto para que as figuras citadas na análise, como Lula, Marcio Macedo, Eliane Aquino e Rogério Carvalho, possam passar seus pontos de vista. Até o fechamento dessa nota que esclarece o lado de JB, nenhum dos quarto se manifestou. Aí é problema pessoal de cada um.